França ‘salva’ Renault

Atualidade

Por Auto Foco 23-05-2020 18:17

O executivo governamental de Emmanuel Macron assegurou a concessão de uma garantia para um empréstimo bancário de cerca de 5000 milhões de euros à Renault, fabricante que mantém participação estatal de 15%. A Comissão Europeia (CE) aprovou a operação, que é classificada como vital para salvar a empresa da bancarrota. «Sim, existe o risco de desaparecimento», informou Bruno Le Maire, ministro das Finanças. Mas, existe 'mão cheia' de contrapartidas, como a manutenção da atividade industrial no país, o que elimina a hipótese de encerramento de fábricas, e a concentração no país do investimento no desenvolvimento e na produção de automóveis elétricos.

 

O plano de reestruturação da Renault conhecer-se-á só no dia 28, mas sabe-se que a prioridade é a implementação de programa que permita poupar até 2000 milhões de euros em despesas nos próximos dois anos. No primeiro trimestre de 2020, as receitas diminuíram 19%, na comparação com o período homólogo de 2019, para cerca de 10,1 mil milhões de euros, devido a redução significativa nas vendas de carros novos (36%), devido ao impacto inicial da crise originada pela pandemia da COVID-19. No segundo trimestre, seguramente, números piores… E estes resultados somam-se ao prejuízo de 141 milhões de euros registado o ano passado.

 

Entre as medidas de socorro em cima da mesa, hipótese de desmantelamento das fábricas mais pequenas de componentes e encerramento da Alpine em Dieppe, que produz o A110 e as versões desportivas da Renault Sport. Fala-se, também, no abandono de infraestrutura industrial histórica próxima de Paris (Flins), mas admite-se a procura de solução nova para esta unidade, para satisfação de todas as exigências estatais. Confirma-se, ainda, o ponto final na produção dos automóveis menos bem-sucedidos comercialmente, como Espace, Scénic ou Talisman.

 

O Grupo Renault é liderado por Jean-Dominique Senard (ex-Michelin) e contará com diretor novo a partir de 1 de julho, com o italiano Luca de Meo (ex-Seat) a suceder no cargo ao francês Thierry Bolloré. A Nissan, parceira de Aliança, também vive momento muito complicado. O plano de recuperação da marca nipónica conhecer-se-á, igualmente, na próxima semana. Entre as medidas, reestruturação das atividades na Europa, ponto final na produção de diversos modelos e até 20.000 despedimentos em todo o Mundo.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Atualidade