Volvo XC40 Recharge

‘Turbo’ SUV elétrico

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 30-07-2022 07:00

Fotos: Gonçalo Martins

A partir de 2030, a Volvo irá produzir apenas veículos 100% eletrificados e este é o primeiro: o XC40 Recharge tem autonomia real a rondar 300 km e performances de... foguete, propulsionado pelos mais de 400 cv de dois motores elétricos.

Será manobra de marketing, para aumentar o interesse e fazer crer ao consumidor que os veículos elétricos são capazes de performances de superdesportivos sem o handicap poluidor, ou será mesmo pouco realístico carregar um SUV de 4,4 metros de comprimento com mais de 400 cv, permitindo acelerar de 0-100 km/h em menos de 5 segundos e depois estancar a velocidade máxima nos 180 km/h? E se o XC40 Recharge tivesse nascido com menos potência (será que 300 cv não chegariam, como no BMW iX3?), mas com consumo inferior, conferindo-lhe mais que os seus (apenas) 300 km (reais) de autonomia? Seguramente, a contenção de energia motriz seria mais útil no uso quotidiano deste SUV elétrico do que performances de... Ferrari!

Não restam dúvidas sobre o poder de fogo do XC40 Recharge (que nos parece algo colado às bases de sucesso da Tesla). As acelerações encostam a nossa barriga... às costas do banco e deixam-nos zonzos. A rapidez parece a de uma moto de alta cilindrada, tão escassos são os metros necessários para ultrapassar!

O XC40 Recharge transporta para a condução o minimalismo e a simplicidade que estão no atual ADN da marca sueca: não é preciso ativar ignição, bastando deslocar a alavanca da caixa de velocidades para ‘D’ ou ‘R’ para iniciar a marcha ou engrenar ‘P’ antes de sair e trancar o carro; não existem modos de condução, apenas a possibilidade de forçar a regeneração através do efeito de travão-motor, de nível único e que resulta em fortíssima travagem mal se tire o pé do acelerador, função que obriga a recorrer ao sistema multimédia, quando habitualmente outros fabricantes incluem mais práticas patilhas no volante para ajustar a capacidade regenerativa. A velocidades abaixo dos 40 km/h, o XC40 soma função para circular em terrenos fora de estrada, incluindo controlo automático de velocidade em descida.

No dia-a-dia, o XC40 conjuga bem os pontos fortes da eletrificação, permitindo condução serena e bem insonorizada (apenas há lugar a alguns ruídos aerodinâmicos provenientes das janelas laterais dianteiras) e amortecimento correto e confortável, mas a que não serão alheias algumas sacudidelas mais bruscas oriundas do eixo traseiro à passagem por pisos irregulares, em resultado do reforço (necessário) para aguentar o (elevado) peso do conjunto. Mas, na verdade, mesmo com imediatos 660 Nm de binário, o sistema de tração integral (a cargo de um motor elétrico por eixo) digere muito bem o ímpeto elétrico e pouco se nota a intromissão do peso, tornando a condução rápida e fluída. Tal como noutros Volvo, a direção é cremosa e pouco comunicativa.

O peso e a aerodinâmica de SUV (apenas a grelha dianteira fechada e a ausência de saídas de escape denunciam o Recharge comparativamente aos restantes XC40) contribuem para consumos elevados que dificilmente irão baixar dos 23 kWh, não permitindo esticar a autonomia média muito além dos 300 km fora das cidades. O que é pena, pois o XC40 mostra excelentes credenciais em estrada, do conforto à estabilidade. Assim haja posto, tem a particularidade de permitir carregamentos rápidos até 150 kW, apesar de estar limitado a 11 kW em corrente alterna.

Google Services

O XC40 Recharge é o primeiro Volvo a utilizar a plataforma multimédia desenvolvida em parceria com a Google. Serve-se do já conhecido monitor central tátil de 9’’, de funções e menus minimizados, pecando por permitir ligação apenas via Android. Tem a vantagem de agregar os serviços Google, realizar atualizações em tempo real e ainda incluir os feitos do Google Maps, como por exemplo, a informação sobre a percentagem de bateria restante no ponto de destino após percurso previamente inserido na navegação. Menos fácil será navegar pelas informações do computador de bordo, em que, por exemplo, nunca conseguimos saber a autonomia em quilómetros, apenas o valor da percentagem restante da bateria.

O XC40 mantém a versatilidade de utilização, com interior suficientemente amplo em todos os lugares e até acrescentando espaço de arrumação sob o capot dianteiro (30 litros). Alguns dos revestimentos interiores, com ligação a materiais reciclados, poderão não estar ao nível do esperado, mas já a oferta de equipamento de segurança está bem em linha com o currículo da marca.

O XC40 Recharge tem o condão de ser o mais potente e rápido na categoria (face a Audi Q4 e-tron ou Mercedes EQA, por exemplo), mas também o menos esteticamente diferenciado face às versões térmicas. Transporta e soma ao universo da eletrificação a simplicidade dinâmica que tem sido imagem da marca sueca, associada à versatilidade do conceito SUV.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

VOLVO XC40

Recharge

Motor
Tipo Elétrico, síncrono
Potência 408 cv
Binário 660 Nm
Bateria Iões de lítio
Capacidade útil 78 kWh
Tempo de carga (0-80%) 40h (2,3 kW); 8h (11 kW)
Transmissão
Tração Integral
Caixa de velocidades Automática de 1 vel.
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Ind. Multibraços
Travões F/T Discos ventilados
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,8 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,425/1,863/1,647 m m
Distância entre eixos 2,702m
Mala 414-1290 litros
Depósito de combustível -
Pneus F 235/50 R19
Pneus T 235/50 R19
Peso 2188 kg
Relação peso/potência 5,4 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 180 km/h
Acel. 0-100 km/h 4,9 s
Consumo médio 23,9 kWh/100 km
Autonomia 418
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão -
Bateria 8
Imposto de circulação (IUC) 0 €

Medições

VOLVO

Acelerações
0-50 km/h 2,1 s
0-100 / 130 km/h 4,8/7,5 s
0-400 / 0-1000 m 13,2/25,2 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 1,9 s
60-100 km/h (D) 2,2 s
80-120 km/h (D) 2,8 s
Travagem
100-0/50-0km/h 37,9/9,4 m
Consumos
Consumo médio 23,5 kWh/100km
Autonomia 320 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE