Lamborghini Huracán EVO Spyder

Vibrar a alma

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 05-02-2023 06:35

Elétricos com 1000 cv? Sim, aceleram até de forma mais vertiginosa que este Lamborghini de 640 cv, mas conduzi-los é como dançar num palco sem música, abanando o corpo... só porque sim. Se é para vibrar, deixe-se o V10 do Huracán Spyder entrar em ação, despertando corações adormecidos e sacudindo almas submersas em monotonia.

A Lamborghini não faz automóveis, mas sim brinquedos para adultos. Sendo um supercarro descapotável de 640 cv e capaz de alcançar mais de 320 km/h, o Huracán Evo Spyder não veio ao mundo para bater tempos em pista ou rubricar recordes, mas sim para deliciar emocionalmente quem o conduz. É um (caro, exclusivo e lindíssimo) brinquedo sensorial, que jorra adrenalina por cada canto ou pormenor por onde os olhos passem, alicerçado nas virtudes puristas de uma eloquente mecânica V10 atmosférica de 5,2 litros colocada em posição central traseira – é a unidade utilizada pela Audi no R8, de injeção mista (direta e indireta) e com sistema de desativação de cilindros para otimização dos consumos.

O Huracán não é o último grito em modernidade. O desportivo nasceu em 2014 para ficar com o lugar do Gallardo e em 2019 foi amplamente melhorado com esta geração Evo, quando o motor subiu dos anteriores 610 para os 640 cv e quando foi igualmente somado o sistema de direção integral que confere direcionalidade ao eixo traseiro (o que só acontece nas versões de tração integral, como esta em análise). A estética foi detalhada não só para tornar a carroçaria (ainda) mais agressiva, mas tendo em especial atenção um apurado sentido aerodinâmico que permitisse criar superior estabilidade (downforce) àquelas velocidades que não podemos aqui (d)escrever. Os Huracán Evo podem ainda somar o sempre útil sistema elevatório do eixo dianteiro que ajuda a manter intocável a baixa secção frontal, por exemplo, nas entradas e saídas de garagem.

A pequena capota em lona abre e fecha eletricamente em 17 segundos e pode ser operada em andamento, até aos 50 km/h. Os cuidados estéticos são tais que a Lamborghini somou perfis laterais amovíveis à carroçaria para que esta melhor se assemelhe à do coupé, estando a capota recolhida! A proteção aerodinâmica é quase perfeita a filtrar turbilhões de vento a qualquer velocidade, ao passo que à superior liberdade conferida pela ausência de teto junta-se o reforço sonoro da inebriante sinfonia do V10 em aceleração, a sugerir diferentes sensações rítmicas ao longo de uma escala que se alarga até às 8000 rpm.

E se o dia estava quente, tórrido ficou! Por si só, o interior representa experiência ergonómica inspirada no cockpit de aviões supersónicos, com maioria de botões verticais no topo da consola e comando de ignição do género lança-mísseis. Os motivos de design hexagonal chegam aos botões da caixa automática e as restantes funcionalidades ligadas à condução estão todas dispostas no volante, para que o condutor não necessite de daí tirar o tato: piscas, máximos e computador de bordo à esquerda; escovas limpa-vidros e cruise control à direita, não faltando comutador na base para seleção dos modos de condução (Strada, Sport e Corsa, na escala crescente de emoções). No meio de tudo isto, sobrou um pequeno espaço (de 8,4’’) em posição demasiado rebaixada na consola central para colocar o monitor tátil do sistema multimédia que comanda a maioria das funcionalidades a bordo: é atraente, mas longe de ser moderno e prático.

Somando-se à excitação de tudo o que fica retido pelo olhar, o Huracán Spyder liberta uma vibrante áurea mecânica a cada reação ao acelerador ou toque nas patilhas da caixa. Tudo assente na personalidade do V10 atmosférico e na interligação com a transmissão  automática de dupla embraiagem de sete velocidades e a presença sonora. Mais até que os ganhos de velocidade – sempre estonteantes, não interessa qual a relação de caixa engrenada a cada momento – o que apetece é ouvir e sentir o motor a galgar rotação, a vibrar na escala ou a borbulhar a cada alívio do pé do acelerador e nas reduções. Apetece passar na mesma estrada e fazer as mesmas curvas vezes sem fim, recebendo em troca uma precisão única de chassis e pêndulo fiel da direção, com um vrummm de fundo a preencher o cenário. E mesmo com tamanha potência, o certo é que o Huracán está preparado para ser explorado com grande facilidade pela maioria dos condutores, colado à estrada que nem uma lapa pela tração integral e de agilidade e estabilidade bem geridas pelos feitos do eixo traseiro direcional.

Claro que querendo-se aproveitar o suco dinâmico, passando para os modos de condução mais soltos e vibrantes, a sonoridade ganha ainda mais presença, o motor torna-se numa extensão reativa do cérebro, a travagem alarga o afinco da potência à consistência e equilíbrio perfeitos e a caixa de velocidades atua de forma imediata ao toque nas grandes patilhas no volante. No modo Corsa, a transmissão admite apenas comando manual-sequencial, desaparecem as redes eletrónicas de apoio à condução e o sistema de tração integral concentra a entrega de mais potência ao eixo traseiro. Mas nem assim o Huracán se torna intempestivo, com o brinquedo a continuar apontado à eficácia e segurança na exploração do manancial mecânico, com trajetórias certeiras e uma incrível capacidade para passar por entre o vento quando o ‘3’ se aproxima à esquerda, no velocímetro.

Agora já vistos como elementos do demo – e aos poucos sendo substituídos por uma nova febre de superdesportivos elétricos híper exclusivos e potentes – brinquedos como o Huracán Evo Spyder vão deixar saudade e, seguramente, ser deveras valorizados num futuro próximo. Mesmo não sendo já o último grito em tecnologia ou modernidade, é ainda com os gritos do V10 que inebria o gosto pela condução e pelo sentido mecânico de um automóvel.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

LAMBORGHINI HURACÁN

EVO Spyder

Motor
Arquitetura 10 cilindros em V
Capacidade 5204 cc
Alimentação Injeção direta e indireta
Distribuição 2x2 a.c.c./40V
Potência 640 cv/8000 rpm
Binário 600 Nm/6500 rpm
Transmissão
Tração Integral permanente
Caixa de velocidades Automática de 7 vel.
Chassis
Suspensão F Ind. c/ triângulos duplos
Suspensão T Ind. c/ triângulos duplos
Travões F/T Discos carbocerâmicos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/10,9 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,520/1,933/1,180 m
Distância entre eixos 2,62m
Mala 100 litros
Depósito de combustível 83 litros
Pneus F 8.5jx20-245/30 R20
Pneus T 11jx20-305/30 R20
Peso 1617 kg
Relação peso/potência 2,5 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 325 km/h
Acel. 0-100 km/h 3,1 s
Consumo médio 14,2 l/100 km
Emissões de CO2 338 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 3 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 20000 km
Imposto de circulação (IUC) 927,29 €

Medições

LAMBORGHINI

Acelerações
0-50 km/h 1,2 s
0-100 / 130 km/h 3,1/4,3/9,4 s
0-400 / 0-1000 m 10,7/19,6 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 1,3 s
60-100 km/h (D) 1,4 s
80-120 km/h (D) 1,7 s
Travagem
100-0/50-0km/h 32,5/8,8 m
Consumos
Consumo médio 16,8 l/100km
Autonomia 494 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE