Audi TT Coupé 45 TFSI vs Alpine A110

Casos especiais

CONFRONTO

Por João Ouro 01-01-2020 19:45

Fotos: Gonçalo Martins

Há vários aspetos comuns entre o Alpine A110 e a revista 3.ª geração do TT Coupé da Audi. Desde logo, os preços não são assim muito diferentes (a equivalência do custo final dependerá muito dos opcionais incluídos no Audi) e o carácter desportivo é o grande ingrediente subjacente, ambos com mecânicas a gasolina de injeção direta, turbo e potência parecida: 252 cv no caso do bilugar de origem francesa e 245 cv no Coupé 2+2 da marca da cidade alemã de Ingolstadt. Outras coincidências dizem respeito às prestações, embora o automóvel azul garanta sempre maior vantagem, tanto nas acelerações, por vezes quase vertiginosas, como nas recuperações de velocidade (ver ficha), a que se junta sensibilidade mais próxima da... competição.

Mais levezinho do que o TT, apesar de haver recurso mútuo ao alumínio (no chassis e em certas peças da carroçaria do Audi, como tejadilho, portas e capot), o novo A110 permite uma condução purista, se se quiser mais ao jeito das provas de ralis ou mesmo dos circuitos, tal é o feedback direto da própria direção, assim como as reações tão espontâneas e imediatas à pressão do pedal do acelerador, soltando-se alguns rateres quando se retira ou alivia o pé direito. No dedilhar sequencial das relações de caixa (embraiagem dupla, de origem Getrag) ou nas reduções mais bruscas (através das patilhas do volante) isso também acontece e a entoação gerada pelo escape poderá provocar entusiasmos gratificantes, até porque a relação peso/potência (4,7 kg/cv) é bastante favorável. Nada de medos, uma vez que o controlo é fácil, embora tudo aconteça atrás dos bancos da frente (os únicos, aliás!) devido à posição central/traseira do motor 1.8 turbo (derivado do Mégane R.S.) e à tração efetuada às rodas posteriores. É fácil apontá-lo para as curvas mais fechadas, assim como retirá-lo de lá, sem exigir malabarismos, apesar de toda a rapidez dos movimentos. Grande chassis e ótimo equilíbrio!

Não há evasivas sem aviso prévio e as eventuais derivas da traseira são perfeitamente amistosas, tanto mais que a resposta da direção é precisa para o necessário efeito de retorno aos carris, estando uns furos acima do TT no que se refere ao prazer da condução. Para quem gosta, claro! A aderência em estrada é ainda reforçada pelo desempenho dos pneus Michelin Pilot Sport (235/40 R18 atrás), mais firmes em mau piso, sobressaindo ainda o amortecimento seco nessas condições. É a fatura a pagar pela substância tão desportiva e da cabeça aos pés deste Alpine, mesmo que o conforto não seja demasiado prejudicado.

O interior é espartano, lá isso é verdade, e o acesso ao habitáculo (a descer) não é prático, ao contrário do que acontece no Audi, que apesar do conceito Coupé é melhor nesses domínios, tendo mais espaço a bordo (2 lugares extra), assim como mais locais para guardar objetos e área de bagagens com outra amplitude. Menos extremista, se se quiser, e isto sem prejuízo do caráter desportivo quando lhe é exigido isso. Aliás, a forma como o TT transforma a potência em velocidade é um pouco diferente, uma vez que recorre a sistema quattro de tração integral e à caixa S tronic de dupla embraiagem (de 7 relações) com patilhas no volante para ordens sequenciais. Esta última é mais assertiva em alta do que a baixo regime, embora seja possível conduzir de mansinho e com maior conforto do que no caso do Alpine A110, apesar da suspensão rebaixada da versão S line a jogo (10 mm) e da reação firme da própria suspensão, ainda para mais agregada a pneus Bridgestone Potenza 245/35 com jantes em liga leve de 19’’ (opcionais por 1610 €).

A motricidade do TT é elevada (aileron retrátil atrás gera efeito downforce) e ao ativar-se o programa Sport (alterando a resposta da direção, do motor e caixa), a capacidade de aceleração pouco diverge da do Alpine (5,4 s até 100 km/h, por exemplo, contra 4,7 s), mesmo que a acústica não seja tão intensa como no caso do adversário. No entanto, a sonoridade gerada pelo modo Sport é mais acentuada e grave, ao mesmo tempo que as trocas de relação ao corte (7000 rpm) também remetem para o universo da competição, numa toada sempre muito rápida e à qual o TT se sujeita sem riscos. De facto, a confiança gerada em curva é notável e o ESP assume uma atuação eficaz nos momentos delicados, sem grandes intromissões por antecipação. Tolerante q.b.! A assistência da direção é precisa, sem que haja peso excessivo na afinação Sport e a posição de condução é baixa, do tipo R8, mas menos do que no caso do A110. É claro que há maior sofisticação por parte dos conteúdos do TT, este com mais equipamentos de série e opções alargadas. Ou não fosse um Audi! Por fim, face às prestações elevadas, é bastante fácil atingir médias de consumo entre 9 e 10 l/100 km, às vezes mais. Seletivo!

A natureza desportiva do Alpine A110 é bem evidente ao nível da condução, a qual cresce à medida do entusiasmo, sendo possível optar pelos modos Sport e Track mais radicais, este último com uma sensibilidade próxima da... competição. E essa é a matriz diferenciadora do bilugar com motor 1.8 turbo (da Renault) face ao TT Coupé 45 TFSI da Audi, mesmo que este último até tenha grandes prestações e forte dinâmica. Mas sem se comparar à da do Alpine, mais purista...

Ler Mais

Ficha Técnica

Características

AUDI TT

Coupé 45 TFSI Quattro S Tronic

ALPINE A110

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha 4 cilindros em linha
Capacidade 1984 cc 1798 cc
Alimentação Inj. direta, turbo, intercooler Inj. direta, turbo, intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16v 2 a.c.c./16 v
Potência 245 cv/5000 rpm 252 cv/6000 rpm
Binário 370 Nm/1600 rpm 320 Nm/2000 rpm
Transmissão
Tração Integral (quattro) Traseira
Caixa de velocidades Automática 7 velocidades c/ dupla embraiagem Automática de 7 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson Ind. duplos triângulos
Suspensão T Ind. Multibraços Ind. duplos triângulos
Travões F/T Discos ventilados/Discos Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11 m Elétrica/11,7 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,191/1,832/1,376 m 4,180/1,798/1,252 m
Distância entre eixos 2,505 m 2,42 m
Mala 305 litros 100/96 litros
Depósito de combustível 45 litros 45 litros
Pneus F 8jx17 - 225/50 R17 7,5jx18-205/40 R18
Pneus T 8jx17 - 225/50 R17 8jx18-235/40 R18
Peso 1440 kg 1178 kg
Relação peso/potência 5,87 kg/cv 4,7 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 250 km/h 250 km/h
Acel. 0-100 km/h 5,2 s 4,5 s
Consumo médio 7 l/100 km 6,1 l/100 km
Emissões de CO2 160 g/km 141 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 4 anos ou 80.000 km 5 anos ou 100.000 km
Pintura/Corrosão 3/12 anos 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 238,66 € 238,66 €

Medições

AUDI

Acelerações
0-50 km/h 1,9 s
0-100 / 130 km/h 5,4 s
0-400 / 0-1000 m 13,7 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,1 s
60-100 km/h (D) 3,8 s
80-120 km/h (D) 3,9 s
Travagem
100-0/50-0km/h 35,7/8,9 m
Consumos
Consumo médio 8,7 l/100km
Autonomia 517 km

Medições

ALPINE

Acelerações
0-50 km/h 1,9 s
0-100 / 130 km/h 4,7 s
0-400 / 0-1000 m 12,8 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 2,1 s
60-100 km/h (D) 2,7 s
80-120 km/h (D) 2,9 s
Travagem
100-0/50-0km/h 36,3/9,1 m
Consumos
Consumo médio 8,8 l/100km
Autonomia 511 km