CONFRONTO: Opel Crossland X GS Line 1.2 110 cv VS. Seat Arona 1.0 TSI Xperience 110 cv

Dois SUV, um espanhol com ADN alemão, outro alemão com ADN francês, ambos a gasolina, qual o melhor?

CONFRONTO

Por João da Silva 25-09-2021 07:00

Fotos: Gonçalo Martins

Seat Arona e Opel Crossland X são fruto da cooperação entre fabricantes de automóveis, um pouco à imagem da  inevitável, imparável e natural miscelânea étnica e multiculturalidade que caracteriza o mundo dos nossos dias. E ainda bem que assim é: conhecemos mais, toleramos mais, aprendemos mais, enriquecemos. O mesmo sucede com os automóveis. Longe vão os tempos em que os fabricantes viviam fechados no seu mercado caseiro, exportando produtos sem levar em conta os mercados que invadiam, digamos assim. Agora, há interação. E essa é uma das razões do esmagador processo evolutivo do automóvel nas duas últimas décadas.

Posto isto, analisemos em pormenor Seat Arona e Opel Crossland X, começando pelo segundo, um produto nascido sob o grupo francês PSA e que partilha plataforma e componentes com o novo Citroën C3 Aircross, mas com habitáculo totalmente personalizado pela marca alemã. por aí se explica parte da sobriedade do mesmo, à semelhança, aliás, da traça que caracteriza a maior parte dos automóveis da Opel. Mas sóbrio não significa mau, entenda-se, pelo contrário, o interior do Crossland X é simples, harmonioso e funcional, com materiais de qualidade razoável e construção muito sólida.

No que toca ao Seat Arona, base técnica, motorizações e a maioria dos equipamentos são partilhados com o VW T-Cross, diferindo visualmente num ou noutro detalhe. O SUV espanhol tem aparência mais moderna, descontraída e tecnológica do que o Crossland X, mas não há diferenças de monta na qualidade de materiais e qualidade de construção. E, na habitabilidade, a conversa é a mesma, como os carros em análise praticamente a empatarem nas medidas que interessam para o bem estar dos ocupantes: na largura à frente, o Arona (138 cm) tem mais um centímetro, distância pela qual também se impõe no comprimento nos bancos traseiros (67 cm). Contudo, nessa posição, a largura do Crossland X é superior em três centímetros (1,330 m). Já na versatilidade, a conversa é outra, com o Opel a mostrar argumentos mais valiosos e convincentes. A fila traseira pode ser ajustada até 15 centímetros para aumentar o espaço em comprimento para pernas ou o compartimento de bagagem, se necessário – com 410 litros de volumetria, o compartimento é um dos maiores do segmento, podendo crescer para 520 litros com os bancos puxados ao máximo à frente ou para 1255 litros rebatendo-os completamente. Refira-se, ainda, que o ângulo do encosto dos bancos traseiros também pode ser alterado ao gosto dos ocupantes. Ora, os bancos posteriores do Arona não deslizam sobre calhas, não oferecendo por isso tantas soluções como o rival alemão. Já a volumetria da bagageira varia entre 400 e 1200 litros, o que não difere muito dos valores mínimo e máximo do compartimento do Crossland X.

Quanto a motores, o Opel utiliza o 1.2 litros Turbo a gasolina do Grupo PSA na variante de 110 cv (há outra com 130 cv), e cuja potência diminuta o condiciona nas prestações. Por outro lado, o 3 cilindros convence pela suavidade de utilização e também nos consumos. É verdade que apresenta alguma falta de genica até por volta das 2000 rpm, mas a desenvoltura demonstrada daí para cima acaba por corrigir alguma anemia nos regimes mais baixos. Globalmente, cumpre naquilo que é esperado numa unidade nesta categoria de cilindrada e potência. As relações de caixa, bem ajustadas, ajudam ao bom desempenho da unidade, mesmo se os valores das retomas que apresentamos não sejam impressionantes. Mas mais do que os números no papel, interessa, no nosso entender, a praticabilidade. E este 1,2 litros cumpre sem embaraço os requisitos de uma condução fluida. Pena é que o seletor de caixa seja um pouco rude. O consumo médio de 6,5 l/100 km que apurámos durante a realização do nosso teste é bastante aceitável.

O Seat Arona também utiliza mecânica de 3 cilindros, o 1.0 TSI com 110 cv do Grupo Volkswagen, acoplado a excelente transmissão DSG (dupla embraiagem de 7 velocidades). Embora algo áspero nos arranques, o que pode desgostar alguns condutores, este motor é muito agradável de utilizar – a caixa automática também muito contribui para tal – e capaz de prestações interessantes e claramente superiores às do Crossland X, tanto em aceleração como nas retomas, como podemos comprovar nas medições que anexamos às fichas técnicas energético. Embora despachado, também não é excessivamente gastador. O consumo médio durante o teste cifrou-se em 6,8 l/100 km.

Na condução, o Opel Crossland X destaca-se mais pelo conforto do que propriamente pelo dinamismo, mostrando alguma tendência para a subviragens em curvas mais fechadas a maior velocidade – com o controlo de estabilidade a entrar em funcionamento sempre muito bem para manter o SUV alinhado. Mas convenhamos: não é minimamente desportivo o seu propósito. De resto, é seguro e competente a curvar a velocidade adequada ao tipo de estrada e eficaz na travagem, não desequilibrando mesmo nas mais fortes. Caixa de velocidades e direção revelam artificialidade, o que está, uma vez mais, de acordo com o seu temperamento de carro de transporte, não de corridas.

No caso do Seat Arona, o dinamismo é o seu nome do meio. O pequeno SUV espanhol destaca-se pela direção precisa e boas sensações na condução, curvando com agilidade. A sua suspensão mais firme penaliza-o um pouco no conforto na passagem por buracos ou lombas sonoras, mas em geral é um carro cómodo.

Em resumo, o Crossland X destaca-se pela bagageira, conforto superior e consumos contidos, enquanto o Arona se impõe nas prestações (a caixa DSG tem importância decisiva neste aspeto), dinamismo, soluções de conetividade e tecnologia, com destaque para o novo painel de instrumentos 100% digital (Digital Cockpit) e para o sistema de infoentretenimento com ecrã central de 8.25”. O Opel Crossland X GS Line 1.2 110 cv é proposto por 22.712 €, enquanto o Seat Arona 1.0 TSI Xperience 110 cv custa 26.780 €.

Ler Mais

Ficha Técnica

Características

OPEL CROSSLAND X

GS Line 1.2 110 cv

SEAT ARONA

1.0 TSI Xperience 110 cv

Motor
Arquitetura 3 cilindros em linha 3 cilindros em linha
Capacidade 1199 cc 999 cc
Alimentação Injeção direta, Turbo, Intercooler Inj. direta, turbo, intercooler
Distribuição 2 a.c.c./12v 2 a.c.c./12v
Potência 110 cv/5500 rpm 110 cv/5500 rpm
Binário 205 Nm/1750 rpm 200 Nm/2000-3500 rpm
Transmissão
Tração Dianteira Dianteira
Caixa de velocidades Manual de 6 velocidades Auto, dupla embraiag, 7 veloc.
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson Ind. McPherson
Suspensão T Eixo de torção Eixo de torção
Travões F/T Discos ventilados/Discos Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,2 m Elétrica/10,6 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,229/1,825/1,605 m 4,138/1,780/1,552 m
Distância entre eixos 2,604 m 2,566 m
Mala 410/520-1255 litros 400-1280 litros
Depósito de combustível 45 litros 40 litros
Pneus F 7jx16 - 215/50 R17 6,5j x 17 - 205/55 R17
Pneus T 7jx16 - 215/50 R17 6,5j x 17 - 205/55 R17
Peso 1245 kg 1201 kg
Relação peso/potência 11,3 kg/cv 10,9 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 187 km/h 190 km/h
Acel. 0-100 km/h 10,9 s 10 s
Consumo médio 5,8 l/100 km 5,9 l/100 km
Emissões de CO2 131 g/km 135 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite de km 4 anos ou 80.000 km
Pintura/Corrosão 3/12 anos 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 103,12 € 103,12 €

Medições

OPEL

Acelerações
0-50 km/h 3,8 s
0-100 / 130 km/h 11,3 s
0-400 / 0-1000 m 18 s
Recuperações
40-80 km/h 3.ª 5,7 s
60-100 km/h 3.ª/4.ª/5.ª 7/9,2 s
80-120 km/h 4.ª/5.ª/6.ª 8,1/10/13,6 s
Travagem
100-0/50-0km/h 36,9 / 9,8 m
Consumos
Consumo médio 6,5 l/100km
Autonomia 692 km

Medições

SEAT

Acelerações
0-50 km/h 3,3 s
0-100 / 130 km/h 9,8 s
0-400 / 0-1000 m 17 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 4,3 s
60-100 km/h (D) 5,9 s
80-120 km/h (D) 7,3 s
Travagem
100-0/50-0km/h 38,5 / 8,9 m
Consumos
Consumo médio 6,8 l/100km
Autonomia 588 km