Cupra Leon 1.4 eHybrid

Energia extra para divertir

TESTE

Por Ricardo Jorge Costa 24-12-2021 07:00

Fotos: Gonçalo Martins

Com tanta eletrificação do automóvel que anda por aí, o Cupra Leon eHybrid é agradável confirmação do espírito desportivo incorruptível da jovem marca, que concebeu compacto ‘racing’ de tração dianteira com estilo impactante, mas despretensioso, capaz de divertir. Mas também de serenar... economizando.

Este revelou-se um dos desportivos compactos de tração dianteira mais interessantes dos últimos tempos. Sem ser o mais rápido e mais apetrechado tecnicamente, nem sequer o mais dinâmico, o Cupra Leon eHybrid, com tecnologia Plug-In, é um automóvel estimulante. Desde logo, pela imagem impactante e com alguma dose de exclusividade, para o que contribuem a juventude da marca Cupra e consequente raridade na estrada dos seus ainda escassos modelos. Depois, a motorização enérgica, pontuda quando se quer, também consistente a regimes intermédios, bem aproveitada pela comprovada transmissão automática de dupla embraiagem (DSG) e com uma rouca, não espalhafatosa, sonoridade. Acrescente-se: a tecnologia híbrida recarregável permite-nos, ainda, economizar.

Mas não só. Seduziu pelo comportamento dinâmico, neutro e previsível, mas reativo quando é estimulado, o que diverte. Deve-o ao competente chassis com eixo posterior independente multibraços e amortecimento adaptativo (DCC) configurável a partir de programa de condução com quatro modos de intervenção – Conforto, Sport, Cupra e Individual – que permite ao condutor afinar outros componentes do veículo, como a direção, acelerador, caixa e a sonoridade do motor. No modo Cupra, toda a veia desportiva deste Leon totalmente desenvolvido pela jovem marca desportiva.

Comparativamente ao Seat Leon, o Cupra Leon eHybrid adota molas específicas que reduzem a altura ao solo em 25 mm no eixo dianteiro e 20 mm no posterior, os amortecedores adaptativos foram otimizados e o mecanismo da direção recalibrado. Os travões são Brembo, com discos frontais perfurados de 370 mm e pinças de quatro pistões, e a sua eficácia é indiscutível.  

A motorização é híbrida recarregável e associa uma mecânica a gasolina TSI de 4 cilindros, 1,4 litros, de 150 cv, e uma unidade elétrica de 116 cv, que produzem combinadas 245 cv – o mesmo módulo que a VW utiliza no Golf GTE. No auge deste rendimento, o Cupra Leon cumpre a tradicional aceleração de 0-100 km/h em 6,7 segundos e tem reprises velozes com os valorosos préstimos da caixa DSG de seis velocidades.

Contudo, há que prevenir uma situação relevante para retirar rendimento máximo da motorização. O veículo arranca, por defeito, em modo elétrico e assim permanece até esgotar a bateria, que no pico da eficiência (condução incluída) poderá acontecer com 50 km percorridos (a marca anuncia 52), mas que, com uma utilização desportiva do veículo (é o que aqui se trata), pode durar não muito mais de 20 km, talvez menos. Ou seja, sem carga suficiente na bateria não há energia para o motor elétrico contribuir com os seus 116 cv para o bolo dos 245 cv, limitando a potência disponível à do motor de combustão: 150 cv. Assim, lá se vai o elogiado desempenho do eHybrid. Para precaver esse constrangimento, é imperioso manter uma reserva de carga na bateria (através de função específica do sistema híbrido). Que percentagem preservar? Depende da nossa avidez por adrenalina. Acrescente-se as óbvias contrapartidas no consumo de combustível.  

 

Dinâmica ‘divertida’

Para gerir potência e binário e aprimorar a motricidade há sistema eletrónico de controlo de tração avançado que simula o efeito de diferencial autoblocante no eixo dianteiro. Alterando a sua resposta, para mais desportiva (no referido programa de condução), atenua-se a tendência para alargar trajetórias, em subviragem (alguns excessos nesta prova dever-se-iam ao estado algo coçado dos pneus dianteiros), ao acelerar à saída das curvas mais lentas, em privilégio de um comportamento mais genuíno, propiciador de passagens em curva mais rápidas.

Como convém a bom desportivo, é possível desligar apenas o controlo de tração ou fazê-lo em simultâneo com o controlo de estabilidade. Então, o Cupra Leon mostra toda a sua raça, sempre com suficiente margem de manobra – e para correções – até aos limites da aderência transversal.

Apesar de não ser um carro rijo para o quotidiano, sugere-se selecionar-se o modo Conforto (do programa de condução), que não só atenua a rigidez do amortecimento, como faz cair o regime do motor, tornando a condução mais amigável (acelerações menos impulsivas) no meio do trânsito (citadino, principalmente) e não inflaciona os consumos elétrico e de combustível. 

Estes podem variar entre tão-só 2 litros/100 km reais – aproveitando a carga completa da bateria para conduzir o Cupra em modo EV até cerca de 50 km – e pouco mais de 6 litros/100 km em modo híbrido. Necessitando de recarregar a bateria com o motor térmico, os gastos sobem para 7 a 8 litros/100 km, e elevando-se as performances desportivas disparam para além de 10 litros/100 km – ou o custo da emoção!

No habitáculo, ambiente racing mais uma vez sem espalhafato. Destaca-se o opcional volante superdesportivo (dito pela Cupra), revestido a pele perfurada, com pega anatómica e secção inferior plana, e ainda integrando os botões do programa de condução e de start-stop do motor (vulgo ignição) e outros para multifunções.  Elogios também para os ótimos bancos integrais, do tipo baquet, com assinatura Cupra (revestimento a pele opcional), que proporcionam corretos apoios em condução desportiva, entre outros detalhes reveladores da essência Cupra deste Leon, como os emblemas e frisos em cor acobreada

Mais impressionante do que as performances do motor ou o comportamento dinâmico é a facilidade despretensiosa com que o Cupra Leon eHybrid se deixa conduzir… desportivamente. Sem extremismos, porque, afinal, tem uma vertente amigável, o funcionamento EV. Elogio à competência do chassis com suspensões bem afinadas e adaptativas e a demais eletrónica que o aprimora. O conjunto híbrido de 245 cv chega para saciar a sede de emoção, sempre sem radicalizar, como é apanágio deste compacto – excetuando a imagem exterior –, e ainda economiza, o que num desportivo não é comum.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

Cupra Leon

1.4 eHybrid

Motor térmico
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1395 cc
Alimentação Inj. direta, Turbo, Intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16v
Potência 150 cv/5000-6000 rpm
Binário 250 Nm/1550-3500 rpm
Motor elétrico
Tipo -
Potência 116 cv (85 kW)
Binário 330 Nm
Bateria Iões de lítio
Capacidade da bateria 13 kWh
Módulo Híbrido
Potência 245 cv
Binário 400 Nm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática de 6 vel.
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Ind. multibraços
Travões F/T Discos ventilados
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,2 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,398/1,799/1,467 m
Distância entre eixos 2,682m
Mala 270 litros
Depósito de combustível 40 litros
Pneus F 235/35 R19
Pneus T 235/35 R19
Peso 1671 kg
Relação peso/potência 6,8 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 225 km/h
Acel. 0-100 km/h 6,7 s
Consumo médio 1,4 l/100 km
Emissões de CO2 30 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 4 anos/80.000 km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 137,14 €

Medições

Cupra

Acelerações
0-50 km/h 3 s
0-100 / 130 km/h 6,7 s
0-400 / 0-1000 m 14,8/26,2 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,1 s
60-100 km/h (D) 3,8 s
80-120 km/h (D) 4,6 s
Travagem
100-0/50-0km/h 34,3/9,1 m
Consumos
Consumo médio 2/6,7 l/100km
Autonomia 600 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE