Hyundai Ioniq Electric Tech Hyundai Ioniq Electric Tech Apresentação cuidada e qualidade geral elevada, quer nos materiais, quer no rigor da montagem e dos acabamentos Hyundai Ioniq Electric Tech No Ioniq, em vez do seletor habitual, encontramos teclas diretas para os modos de condução Hyundai Ioniq Electric Tech Hyundai Ioniq Electric Tech Hyundai Ioniq Electric Tech Hyundai Ioniq Electric Tech Ecrã a cores tátil de 8’’ é legível e fornece informações detalhadas sobre o funcionamento e autonomia do sistema elétrico Hyundai Ioniq Electric Tech Hyundai Ioniq Electric Tech Hyundai Ioniq Electric Tech Hyundai Ioniq Electric Tech Hyundai Ioniq Electric Tech Os estofos forrados a couro custam 2000 €, sendo ventilados e aquecidos; posto de condução correto e confortável Hyundai Ioniq Electric Tech Hyundai Ioniq Electric Tech Hyundai Ioniq Electric Tech Ioniq: dinamicamente, comportamento competente e ágil, com rolamento confortável e suave; a direção é precisa e exigindo pouco esforço nas manobras Hyundai Ioniq Electric Tech Hyundai Ioniq Electric Tech Hyundai Ioniq Electric Tech Hyundai Ioniq Electric Tech Hyundai Ioniq Electric Tech Vistas desafogadas: com o alargamento das autonomias, os carros elétricos são alternativas viáveis como familiares, afastando-se do conceito de veículo exclusivamente urbano Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Seletor dos modos de condução com imagem atraente e proporciona utilização intuitiva Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Sistema ProPILOT ativado por botão no volante, que nos mantém na faixa de rodagem e regula a distância para o veículo da frente O habitáculo está mais moderno e a qualidade dos materiais é boa, assim como a montagem, algo que é já emblemático na Nissan Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Bancos forrados a pele no muito bem equipado nível Tekna. A posição de condução é demasiado alta e menos cómoda do que o desejável Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Leaf: a condução melhorou muito, revelando melhor atitude em curva, maior agilidade, reações seguras e conforto superior; a direção recebeu novo ‘software’ e tem ‘tato’ preciso e rápido Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna Nissan Leaf Tekna

Hyundai Ioniq Electric Tech vs Nissan Leaf Tekna

Mais voltas

CONFRONTO

Por João da Silva 05-10-2018 15:50

Fotos: Gonçalo Martins

Segundo um estudo da credenciada Bloomberg (empresa de tecnologia e dados para o mercado financeiro e agência de notícias), a perspetiva é de que entre 2025 e 2030, o automóvel elétrico tenha o mesmo preço ou seja até mais barato que os carros com motor de combustão, e isto sem necessidade de incentivos governamentais, o que fará com que as vendas disparem para níveis elevadíssimos. O mesmo relatório prevê ainda que em 2040, metade das vendas de carros novos serão elétricos e que um terço da frota mundial será movida a eletricidade...

Futurologia ou não, a verdade é que os avanços que se verificam a cada mês, para não dizer em menor intervalo de tempo..., na tecnologia que se refere à mobilidade elétrica parecem indicar que a Bloomberg poderá ter razão. Estes dois exemplares elétricos oferecem já autonomias reais superiores a 200 km. Pouco, dirão alguns, sobretudo se comparados com os Tesla de Elon Musk, mas a verdade é que os preços de uns e de outros diferem bastante.

O Nissan Leaf II tem mais autonomia, potência e equipamento que a primeira geração: as baterias de iões de lítio ganharam muita capacidade, com 40 kWh em vez de 30 kWh, progresso que esteve na origem de extensão da autonomia entre recargas, de 250 km para 378 km, de acordo com a norma de homologação NEDC. O motor também ganhou potência, de 109 cv para 150 cv, o que melhorou significativamente acelerações e recuperações. Contudo, velocidade máxima está limitada a 144 km/h, obviamente para proteção da autonomia.

No Hyundai Ioniq, arquitetura técnica quase igual à que encontramos no Leaf, mas a densidade energética do pack de baterias de iões de lítio é bastante inferior (28 kWh), assim como a potência (88 kW/120 cv). Todavia, a autonomia máxima anunciada é até ligeiramente superior (280 km), sendo o consumo real inferior: 12,5 kWh/100 km contra 15 kWh do Leaf. Isto representa uma autonomia real, em média, entre 200 e 230 km para o Hyundai e entre 220 e 240 km para o Leaf. Ora, contas feitas, para um e para outro, cada 100 km percorridos custarão entre os 2 euros e os 2,5 euros, cerca de metade do que gastamos num carro Diesel ou a gasolina (com motores eficientes...).

No que toca às acelerações, o elétrico japonês é bastante mais rápido que o rival coreano, vantagem que se mantém nas recuperações. Já no que toca à velocidade máxima, o Ioniq atinge 165 km/h, mais 21 km/h que o rival. Claro que quanto maior a velocidade, mais depressa desaparece também a carga das baterias.

E carregá-las leva tempo, claro. No Leaf, e através da ligação CHAdeMO em postos rápidos de 50 kW, o tempo para abastecer a 80% é de 40 minutos, sendo que na tomada caseira é preciso esperar bastante mais para ter o carro carregadinho de eletricidade: 7,5h (6,6 kW) e/ou 21h (2,3 kW). No Ioniq, cenário mais animador, demorando 30 minutos para carregar até 80% da bateria, enquanto que na tomada comum a duração do carregamento é de cerca de 8 horas, semelhante ao que sucede no Nissan.

Em carros elétricos assumidamente familiares, a dinâmica ainda não é muito valorizada pelos possíveis utilizadores, mas interessa referir que o comportamento destes automóveis é cada vez mais competente. Em confrontos anteriores da primeira geração do Leaf com o Ioniq, a vantagem do coreano na dinâmica era por demais evidente, mas o Leaf II conseguiu equilibrar os parâmetros, oferecendo agora uma condução mais competente, sobressaindo a eficácia em curva, graças ao inferior centro de gravidade e às suspensões modificadas, mostrando agilidade assinalável. Também a direção está agora muito melhor, oferecendo um tato preciso e rápido. Apesar das melhorias na dinâmica, o Leaf mantém-se um automóvel bastante confortável, com filtragem suave dos pisos com menor qualidade e na travessia das sempre incómodas lombas sonoras. A condução do Ioniq é competente e não perde nada para a do mais moderno Leaf, pelo que optámos por empatar os concorrentes neste particular.

Além da melhoria na condução, o Nissan Leaf II surge bastante melhor equipado do que antes (sobretudo no nível Tekna da unidade que testámos), contando de série com alguns dispositivos tecnológicos que merecem realce, com destaque para o sistema ProPILOT, que assegura a manutenção do Leaf no meio da faixa e regula a distância para o veículo da frente, ou seja, condução semiautónoma entre 30 e 100 km/h. Experimentámos, claro, e ficámos convencidos com a eficácia do sistema, o qual alerta, primeiro com um leve aviso sonoro, depois com uma estridente sirene!, que o condutor que há muito que não coloca as mãos no volante. Outra das novidades importantes e eficazes é o e-Pedal, que graças a atuação otimizada do acelerador nas fases de aceleração e travagem, tem maior poder de regeneração, transformando a energia cinética em eletricidade para recarregamento das baterias, solução que encontramos no Hyundai, que abranda quase quando se levanta o pé do acelerador, tendo a vantagem de contar com vários níveis de regeneração da energia cinética e que são selecionados pelo condutor.

Ler Mais

Ficha Técnica

Características

HYUNDAI IONIQ

Electric Tech

NISSAN LEAF

Tekna

Motor
Tipo AC Síncrono, íman permanente Elétrico, AC síncrono
Potência 88 kW-120 cv 110 kW-150 cv
Binário 295 Nm 320 Nm
Bateria Iões de lítio Iões de lítio
Capacidade útil 28 kWh 40 kWh
Tempo de carga (0-80%) 30 minutos (rápida); 4h a 8h 40 m (80%) a 7,5h-15h e 21h
Transmissão
Tração Dianteira Dianteira
Caixa de velocidades Automática de 1 velocidade Automática de 1 velocidade
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson Ind. McPherson
Suspensão T Eixo multibraços Eixo de torção
Travões F/T Discos ventilados/Discos Discos ventilados
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/10,6 m Elétrica/10.6 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,470/1,820/1,450 m 4,490/1,790/1,540 m
Distância entre eixos 2,7 m 2,7 m
Mala 455 - 1410 litros 435 - 1176 litros
Depósito de combustível - -
Pneus F 6,5jx16 - 205/55 R16 6,5jx17 - 215/50 R17
Pneus T 6,5jx16 - 205/55 R16 6,5jx17 - 215/50 R17
Peso 1475 kg 1558 kg
Relação peso/potência 12,3 kg/cv 10,38 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 165 km/h 144 km/h
Acel. 0-100 km/h 9,9 s 7,9 s
Consumo médio 11,5 kWh/100 km 14,8 kWh/100 km
Autonomia 280 270
Garantias/Manutenção
Mecânica 5 anos sem limite de km 3 anos ou 100 mil km
Pintura/Corrosão 3/12 anos 6/12 anos
Bateria 8 anos ou 200.000 km 8 anos/8 anos ou 160.000 km
Imposto de circulação (IUC) 0 € 0 €

Medições

HYUNDAI

Acelerações
0-50 km/h 3.3 s
0-100 / 130 km/h 9.4 s
0-400 / 0-1000 m 16.9 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3.9 s
60-100 km/h (D) 5.1 s
80-120 km/h (D) 6.9 s
Travagem
100-0/50-0km/h 39.1/9.5 m
Consumos
Consumo médio 12.5 kWh/100km
Autonomia 230 km

Medições

NISSAN

Acelerações
0-50 km/h 3 s
0-100 / 130 km/h 8 s
0-400 / 0-1000 m 16,1 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 0 s
60-100 km/h (D) 4,3 s
80-120 km/h (D) 5,7 s
Travagem
100-0/50-0km/h 37,1/9,9 m
Consumos
Consumo médio 15 a 16 kWh/100km
Autonomia 240 km