BMW X5 xDrive30d BMW X5 xDrive30d BMW X5 xDrive30d BMW X5 xDrive30d Espaço abundante, materiais de excelência, acabamentos quase perfeitos, ergonomia muito bem trabalhada: é difícil pedir mais... BMW X5 xDrive30d Junto ao botão de arranque do motor há conjunto de comandos para configurar modos de condução, suspensão, entre outros BMW X5 xDrive30d BMW X5 xDrive30d BMW X5 xDrive30d O sistema ‘Intelligent Safety’ permite ativar, desativar ou configurar o funcionamento de diversos dispositivos de auxílio à condução BMW X5 xDrive30d BMW X5 xDrive30d Bagageira ampla e versátil com 650 litros de ‘base’, que rebatendo-se os bancos traseiros aumenta para ‘gigantes’ 1870 litros BMW X5: muito boa posição de condução, ainda que elevada; os bancos dianteiros ‘Confort’ em pele são muito confortáveis Os lugares traseiros do BMW oferecem muito espaço e conforto; o túnel central não incomoda quem ocupa o lugar do meio BMW X5 xDrive30d BMW X5 xDrive30d BMW X5 xDrive30d O BMW é menos potente, mas mais rápido em aceleração BMW X5 xDrive30d BMW X5 xDrive30d BMW X5 xDrive30d BMW X5 xDrive30d BMW X5 xDrive30d BMW X5 xDrive30d Duelo de SUV a gasóleo com mais de 260 cv VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI Touareg é produto ‘premium’ VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI Capacidade da bagageira cresceu de 697 litros na geração anterior para 810 litros, mais 160 litros que a do BMW X5 VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI Habitabilidade generosa, materiais de boa qualidade e construção sólida; a ergonomia é também muito boa; destaque para o enorme ecrã central tátil de 15’’, que inclui todos os comandos do sistema VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI É possível acompanhar ‘em direto’ o ângulo de viragem das rodas ou a inclinação lateral e longitudinal da carroçaria VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI Os bancos traseiros do Touareg oferecem menos espaço em largura do que os do X5; o túnel central é muito mais intrusivo Posição de condução correta no Touareg; os bancos dianteiros ‘ergoconfort’ em couro custam 768 € VW Touareg 3.0 V6 TDI VW Touareg 3.0 V6 TDI

BMW X5 xDrive30d vs VW Touareg V6 TDI

Escola alemã

CONFRONTO

Por João da Silva 10-08-2019 15:25

Fotos: Gonçalo Martins

Desde que lançou o X5, em 1998, a BMW já vendeu mais de 2,2 milhões de unidades do seu primeiro SUV, que entra agora na 4.ª geração. Para o avaliarmos em confronto convidámos outro SUV alemão de sucesso, o VW Touareg, lançado em 2002, e do qual foram vendidas mais de um milhão de unidades, sendo que a 3.ª geração entrou ao serviço no ano passado.

O X5 IV é um automóvel quase totalmente novo, tendo sido desenvolvido com base em três pilares: em primeiro lugar, garantir que o novo Sports Activity Vehicle (SAV) oferece condução de feeling desportivo, mantendo elevados níveis de conforto e considerável capacidade off-road; depois, o refinamento. Trata-se, como se sabe, de um dos produtos mais caros do gama BMW, pelo que o fabricante de Munique entende que não pode falhar minimamente na elevada qualidade dos materiais utilizados e nos padrões de acabamento; o último pilar, tem a ver com a modernidade e eficácia dos sistemas de assistência à condução, sendo que a BMW não quer tornar o X5 em algo demasiado tecnológico.

Vejamos, então, o efeito prático destas premissas. Começando pela habitabilidade – o SUV da BMW cresceu 36 mm em comprimento, 66 em largura e 19 em altura, enquanto a distância entre eixos ganhou 42 mm –, o X5 mostra maior desafogo no habitáculo, disponibilizando comprimento suficiente nos bancos dianteiros para albergar pessoas de todos os tamanhos e espaço em largura referencial para a classe, com 153 mm de porta a porta, mais 7 cm que o Touareg. Nos lugares traseiros, viajam três pessoas – há possibilidade de acrescentar 3.ª fila por 2500 € – em condições ótimas de conforto, diminuindo a vantagem em largura para 2 cm face ao VW, que até supera o BMW no comprimento em 2 cm. É importante referir que, nesta 3.ª geração, a carroçaria do Touareg cresceu 77 mm em comprimento, 1 mm entre eixos e 44 mm de largura, pelo que a habitabilidade também aumentou, nomeadamente nos bancos posteriores, com os ocupantes dos lugares traseiros a beneficiarem de espaço extra. Contudo, no VW, o túnel central é bastante intrusivo no momento do passageiro do meio arrumar os pés, ao contrário do BMW, onde quase não há saliência no piso.

Depois, o volume da bagageira do Touareg evoluiu para 810 litros (mais 113), na configuração standard do compartimento. Mas atenção: o VW conta com regulação longitudinal dos assentos (as calhas têm 16 cm de curso e, esticando-se os centímetros para as pernas, encolhe-se a capacidade de carga) e inclinação dos encostos (21º, no máximo), o que lhe vale ponto extra na funcionalidade/versatilidade. A bagageira do SUV da VW pode ainda chegar aos 1800 litros com o rebatimento total dos bancos traseiros. No X5, a volumetria da mala com o habitáculo na configuração de 5 lugares, é de 650 litros, chegando aos 1870 litros com o rebatimento dos bancos traseiros. Refira-se, ainda, que ambos os automóveis contam com abertura elétrica dos portões da bagageira, sendo que o X5 tem abertura bipartida, com qualquer das portas com funcionamento elétrico de série. Quando a secção inferior está aberta, o utilizador beneficia de uma útil plataforma para pousar objetos mais pesados antes de os arrumar.

No habitáculo do X5, não há dúvida alguma de que a BMW conseguiu alcançar a sensação premium pretendida. E fê-lo recorrendo a materiais de muito boa qualidade e efetuando uma construção sem falhas, com muito cuidado nos acabamentos. A posição de condução é excelente, e não só tendo como medida a realidade dos SUV, e a ergonomia não tem falhas, com destaque para o posicionamento do ecrã a cores de 12,3’’ posicionado bem no topo da consola central, permitindo visualização e respetiva utilização sem desviar em demasia os olhos da estrada. Contudo, em termos de segurança, será sempre melhor o condutor optar por se seguir pelos dados da instrumentação, no caso também servida por ecrã a cores de 12,3’’ que fornece informações detalhadas sobre tudo e mais alguma coisa ou pelo head-up display (proposto em opção por 1440 €).

O habitáculo do Touareg não fica muito atrás em qualidade, ainda que não chegue à excelência do BMW. Mas com isto não se pense que há falhas no VW, porque de facto não há, contando igualmente com materiais nobres e acabamentos de grande qualidade. A posição de condução, contudo, é um pouco menos envolvente do que a do BMW, mesmo que o banco ofereça múltiplas regulações elétricas. Ainda assim, a ergonomia do Touareg também merece destaque pela positiva, com os comandos relativos à condução bem posicionados e impressionante Innovision Cockpit com dois painéis digitais de grandes dimensões para instrumentação e info-entretenimento, de 12’’ e 15’’, respetivamente, e ainda projeção direta de informações no para-brisas (Head-Up Display por 1320 €). Nota final para a muito boa insonorização de qualquer dos habitáculos aqui analisados.

No que toca às mecânicas, uma diferença sobressai logo à cabeça: o BMW utiliza um 6 cilindros em linha, enquanto o VW prefere um 6 cilindros em V. O X5 xDrive30d utiliza motor de 3 litros, com 265 cv e 620 Nm, a caixa automática de 8 velocidades, sistema de tração integral permanente e suspensão com amortecedores adaptativos, oferece condução muito leve, com a direção a merecer rasgados elogios pela precisão (ou não tivesse a opcional direção ativa integral, proposta por 1300 €), o que resulta numa impressionante desenvoltura num automóvel de mais de duas toneladas. Curvas, travagens, acelerações, recuperações, tudo é feito com grande competência, mas nem por isso oferecendo grande adrenalina (a não ser que se chegue realmente a situações extremas!), pois embora seja muito rápido (e as nossas medições provam-no), a fantástica insonorização e filtragem do habitáculo face ao exterior acaba por amenizar bastante a sensação de velocidade.

No Touareg, há V6 com 286 cv e 600 Nm a puxar pela carroçaria de 2070 kg, mas a verdade é que, de acordo com as nossas medições, ainda que o VW seja mais potente que o X5, é mais lento em aceleração, gastando quase mais 1 segundo que o rival no clássico arranque 0-100 km/h. À medida que a velocidade aumenta, a distância vais diminuindo, mas o X5 leva sempre vantagem. Por outro lado, nas recuperações, há maior equilíbrio. O BMW é mais rápido 0,4 s na recuperação 40-80 km/h, mas perde por 0,3 s no 60-100 km/h; empate a 4,9 s na retoma 80-120 km/h.

O VW Touareg mostrou-se mais confortável do que o X5 em mau piso. Ambos contam com suspensões pneumáticas, mas iso nem tudo ameniza quando há jantes enormes e pneus muito finos. A BMW exagerou no X5 que guiámos, dotando o carro com jantes de 22’’. O resultado é alguma pancada na passagem por mau piso, buracos e lombas sonoras. O VW, com jantes de 20’’, também não fica incólume nestas situações, mas os passageiros são menos afetados que no X5. Registe-se que o Touareg também oferece condução dinâmica e ágil, mas a direção mais vaga do que a do BMW e a maior oscilação da carroçaria em curva não permitem que tenha a mesma pontuação do X5. 

Dois magníficos SUV para utilizar em asfalto ou em todo-o-terreno, pois qualquer das propostas de BMW e VW está perfeitamente habilitada a enfrentar caminhos menos académicos. O X5 é o vencedor deste confronto e isso explica-se em poucas linhas: o habitáculo tem qualidade referencial, o motor oferece prestações superiores, gastando menos que o do VW, e o comportamento dinâmico é excecional para automóvel com tanto tamanho e peso. O Touareg é SUV de elevadíssima qualidade e tem muito poucas falhas, mas face a este X5 xDrive30d isso não chega.

Ler Mais