Volumetria do compartimento de carga satisfaz, bem como o acesso desafogado; piso da mala tem útil cobertura em borracha lavável Qualidade de acabamentos e ergonomia bem definida, como é usual na marca. Inúmeros materiais foram melhorados Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence Painel de instrumentos completa informações no ecrã central de 7’’, com câmara dianteira para função 360º View Monitor Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence À esquerda do volante, teclas para acionar a porta da bagageira e desligar o controlo de tração, o alerta de transposição de faixa, o sistema start-stop e o aviso sonoro do auxílio ao estacionamento Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence Posição de condução é ‘confortável’ e elevada; o condutor dispõe de ‘Head-Up Display’. Bancos revestidos a tecido O acesso atrás é amplo, assim como a largura e a distância até aos encostos da frente. Os acabamentos e forros têm ótima qualidade Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence Comportamento dinâmico muito equilibrado é forte trunfo Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence Mazda mantém aposta em motor Diesel ‘conhecido’ Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence Dois modelos asiáticos que são valores seguros na categoria Motores estão mais ‘próximos’ do que os 14 cv que os... separam Dupla de luxo à procura de protagonismo na categoria da moda O volante é novo e o painel de instrumentos foi revisto. Nível de equipamento GT Line inclui estofos exclusivos em pele Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line No acabamento mais luxuoso da gama, o nível GT Line, com a caixa automática de 7 velocidades, patilhas no volante Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line Unidade elétrica atua essencialmente nos arranques e nas subidas, transmitindo força adicional ao Diesel com 136 cv Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line O desempenho da caixa automática 7DCT que a Kia utiliza com o ‘novo’ 1.6 CRDi de 136 cv é rápido e suave, permitindo a ‘exploração’ correta do motor Diesel e superior comodidade Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line Apesar de elevada, como habitual em SUV, a posição de condução é confortável e ergonomicamente correta; bancos com bons apoios O Kia tem interior espaçoso em todas as direções; o ângulo das costas é ajustável em 60/40, para superior conforto Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line Para-choques redesenhado e novos faróis com luzes LED Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line No renovado Kia Sportage, Diesel com 136 cv ‘eletrificado’ Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line

Mazda CX-5 2.2-D 4x2 Excellence vs Kia Sportage 1.6 CRDI 7DCT MHEV GT Line

Ataque asiático

CONFRONTO

Por Vítor Mendes da Silva 25-01-2020 09:10

Fotos: Gonçalo Martins

Longe vão os tempos em que os asiáticos competiam num campeonato à parte, em que a fórmula de racionalidade de apostar numa atrativa relação preço/equipamento era o ás de trunfo no seu jogo.

Hoje, coreanos e japoneses olham a concorrência do resto do mundo nos olhos, também em matéria de qualidade, refinamento e até feeling na condução. Provam-no os modelos aqui em exame...

Numa categoria em incessante modernização, o SUV com mais sucesso da coreana Kia assume a pretensão de se aproximar da elite, dos premium, entenda-se. Nesta mais recente renovação, através de atualizações ligeiras no design do SUV, com a adoção de novos para-choques, óticas dianteiras e traseiras redesenhadas, faróis diurnos LED e modernizada gama de jantes (de 16 a 19 polegadas).

No interior, a renovação, também cirúrgica, atribuiu ao SUV asiático um novo volante, painel de instrumentos revisto e revestimentos de dois tons para os bancos. A lista de equipamentos de segurança inclui recentes sistemas de assistência à condução da Kia, incluindo o cruise-control adaptativo, detetor de ângulo morto e alerta de tráfego à retaguarda para facilitar as manobras de estacionamento, e travagem de emergência com deteção de pedestres. A marca ainda atualizou o sistema de infoentretenimento de 7”, com a opção de novo monitor de 8’’, como elemento mais destacado de um cockpit visualmente atraente, de ergonomia correta, que oferece boa habitabilidade e construção que merece nota elevada, mesmo se do lado de lá da barricada está outro modelo com aspirações a mais altos voos na categoria da moda.

O Mazda CX-5 recebeu melhorias percetíveis ao nível dos forros e dos materiais aplicados. A perceção da qualidade é imediata e pressente-se a evolução em vários pormenores, ao mesmo tempo que a montagem continua irrepreensível, sem falhas ou folgas, tudo muito bem ajustado e rigorosamente encaixado, como é habitual nos carros do emblema de Hiroshima. A robustez estrutural é extensiva aos pontos fulcrais da carroçaria, tendo a aerodinâmica sido otimizada para diminuir o ruído de estrada, ao mesmo tempo que o conforto foi melhorado com novas afinações dos amortecedores e das molas. Na dinâmica, para os japoneses, o feeling da condução é sempre prioridade. E aos préstimos do turbodiesel, superiormente auxiliado por caixa de velocidades manual de 6 relações com comando curtinho e excelente em precisão, acresce o bom compromisso entre conforto de rolamento e eficácia em curva para SUV que não é pequeno. Com a aplicação do moderno sistema G-Vectoring, que permite o ajuste do binário do motor em função da informação proveniente da direção (que já era ótima em precisão), oferece-se maior acutilância em curva.

No Kia Sportage, o acerto da suspensão é mais focado no conforto, competente a filtrar as irregularidades do piso, como a suavizar as passagens por bandas sonoras ou lombas, mas a permitir algum rolamento da carroçaria a ritmos mais apressados.

Nas cotas de habitabilidade, os reflexos das medidas exteriores do Mazda, um nadinha mais avantajadas, são muito poucos. Ao jugo da fita métrica, empate técnico no espaço para pernas nos lugares posteriores, com 72 cm medidos ao encosto do banco da frente. O SUV japonês é só 3 cm mais largo à altura dos ombros. E apresenta mala com volumetria ligeiramente maior. Nos dois, a maioria dos materiais é de ótima qualidade, tal como o zelo da montagem. O plus na ergonomia do habitáculo do SUV nipónico é dado pela introdução de head-up display, mas ao volante o que pudemos comprovar é que o banco do condutor poderia ter um acerto mais amplo em altura, pois a posição de condução pareceu-nos sempre um pouco elevada. Com a mais-valia prática de contar com transmissão automática de sete velocidades, o Kia Sportage, neste recheado acabamento GT Line, é cerca de 5000 € mais barato do que o Mazda, sem extras.

Esse trunfo chamado economia...

A estreia mais importante do catálogo do revisto Sportage está mesmo no capítulo reservado à mecânica, com a introdução de inédita versão Eco-Hybrid, uma motorização semi-híbrida Diesel, baseada, como é habitual nos mild-hybrid, num sistema de 48 volts e num gerador que substitui o alternador convencional e tem como missão assistir o motor a gasóleo 1.6 CRDi. Com esta solução a Kia afirma que pode conseguir redução de 15% nas emissões de CO2, em 4% no novo ciclo WLTP e de 4% nos consumos.

Expediente que a Mazda ainda não usa na motorização 2.2 Skyactiv-D de 150 cv, ainda no coração da gama, em associação às versões 4x2 (versões de 4 rodas motrizes têm Diesel de 175 cv), com os engenheiros da Mazda a excluírem a tendência atual para os motores de baixa cilindrada, optando por refinar sempre o funcionamento e a eficiência do Diesel de 2,2 litros, que é evoluída peça de engenharia, que continua a convencer pela ótima elasticidade e resposta bem adaptada à utilização familiar a que se destina automóvel com estas dimensões e peso, embora a economia dependa muito da contenção no acelerador. Ou seja: músculo de sobra à disposição em qualquer faixa de regime, nota 10 para o refinamento mecânico e acústico e consumo médio que poderá atingir moderados 7,4 litros por cada 100 km, desde que usando-se com moderação o pedal da direita. O motor a gasóleo sente-se vigoroso a baixos regimes, debitando 380 Nm logo às 1800 rpm e continuando a evidenciar uma resposta bastante satisfatória que é cortesia da entrega de parte ainda significativa desse binário máximo para lá das 2600 rpm.

No Kia, e ao contrário de um esquema híbrido tradicional, o motor elétrico não transmite a potência diretamente às rodas motrizes, sendo antes um auxiliar do motor de combustão, por via de uma correia de transmissão. Esta unidade atua essencialmente nos arranques e nas subidas, transmitindo força adicional e reduzindo, assim, o esforço solicitado ao motor de combustão. O mil-e-seiscentos semi-híbrido não exibe temperamento mais forte do que o 2.2 da rival nipónica, mas garante equilíbrio mais interessante entre prestações e consumos baixos. Em desaceleração ou nas travagens, a energia cinética do veículo é convertida em energia elétrica para recarregar a bateria. E sempre que não há solicitação do acelerador, o motor de combustão desliga abaixo dos 30 km/h, aumentando a poupança.

A partir de agora, Sportage Diesel, só com 1.6 CRDi assistido por um motor elétrico com tecnologia de 48V, empurrão valente à performance comercial de automóvel que mantém todas a boas credenciais da geração que sai de cena, incluindo programa de garantias XL. Os consumos melhoram marginalmente, mas este é o Diesel mais limpo que a Kia já produziu. E o preço de campanha é, simplesmente, imbatível! Só assim a vitória escapa ao CX-5, que é modelo- chave da Mazda e representa cerca de 25% das vendas da marca em todo o mundo. Bem construído, superiormente equipado e com competências dinâmicas acima da média, o japonês é produto ótimo

Ler Mais

Ficha Técnica

Características

KIA SPORTAGE

1.6 CRDI 7DCT MHEV

MAZDA CX-5

2.2-D 4X2 Excellence

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha 4 cilindros em linha
Capacidade 1598 cc 2191 cc
Alimentação Inj. direta CR, TGV, intercooler Inj. direta CR, TGV, intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16 v 2 a.c.c./16v
Potência 136 cv/4000 rpm 150 cv/4500 rpm
Binário 320 Nm/2000-2250 rpm 380 Nm/1800-2600 rpm
Transmissão
Tração Dianteira Dianteira
Caixa de velocidades Automática de 7 velocidades Manual de 6 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson Ind. McPherson
Suspensão T Eixo multibraços Eixo multibraços
Travões F/T Discos ventilados/Discos Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,4 m Elétrica/11,2 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,495/1,855/1,635 m 4,550/1,840/1,675 m
Distância entre eixos 2,67 m 2,7 m
Mala 436-1469 litros 477-1620 litros
Depósito de combustível 58 litros 56 litros
Pneus F 7.5x19 - 245/45 R19 8,5jx19-225/55 R19
Pneus T 7.5x19 - 245/45 R19 8,5jx19-225/55 R19
Peso 1605 kg 1430 kg
Relação peso/potência 11,8 kg/cv 9,5 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 180 km/h 204 km/h
Acel. 0-100 km/h 11,8 s 9,4 s
Consumo médio 5,8 l/100 km 5,7 l/100 km
Emissões de CO2 153 g/km 151 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 7 anos ou 150.000 km 3 anos ou 100.000 km
Pintura/Corrosão 3/12 anos 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 181,25 € 258,78 €

Medições

KIA

Acelerações
0-50 km/h 3,7 s
0-100 / 130 km/h 10,6 s
0-400 / 0-1000 m 17,6 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 4,3 s
60-100 km/h (D) 5,8 s
80-120 km/h (D) 7,7 s
Travagem
100-0/50-0km/h 35,5/8,8 m
Consumos
Consumo médio 6,3 l/100km
Autonomia 920 km

Medições

MAZDA

Acelerações
0-50 km/h 3 s
0-100 / 130 km/h 10,8 s
0-400 / 0-1000 m 16,4 s
Recuperações
40-80 km/h 3.ª 4,4 s
60-100 km/h 3.ª/4.ª/5.ª 6/8,7 s
80-120 km/h 4.ª/5.ª/6.ª 7,3/8,3/11,3 s
Travagem
100-0/50-0km/h 36,2/9,4 m
Consumos
Consumo médio 7,4 l/100km
Autonomia 756 km