Abarth 124 GT Auto

Toldado’ a carbono

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 14-03-2019 17:10

Fotos: Gonçalo Martins

O trio Abarth 124, Fiat 124 e Mazda MX-5, nascido sobre igual base, é regido por personalidades próprias. No modelo nipónico, só motores atmosféricos e disponibilidade de duas carroçarias (capota de lona ou tejadilho rígido retrátil); no Fiat, só motor 1.4 turbo de 140 cv e capota de lona; na Abarth soma-se agora versão GT, caracterizada, principalmente, por hard top em fibra de carbono, cujos não mais que 16 kg facilitam as operações de colocação/remoção.

O referido tejadilho representa acréscimo de versatilidade de utilização ao roadster, que assim pode ser mais facilmente utilizado durante as épocas de chuva com superior capacidade de isolamento do habitáculo, funcionando quase como um tejadilho rígido. Além do mais, o hard top assim desenhado para o Abarth 124 GT confere cunho extra de personalidade ao roadster, como que visualmente o transformando num quase pequeno coupé. Não esquecendo um dos outros grandes feitos práticos, a cargo da ampla visibilidade proporcionada pelo generoso óculo traseiro em vidro, com acréscimo de 80% à superfície existente quando com a capota de lona colocada – a qual se mantém recolhida na traseira e que, retirando-se o hard top, poderá ser chamada ao serviço. O lado menos prático do hard top (face, por exemplo, a um tejadilho rígido retrátil) é que precisa de espaço físico para ser guardado, numa garagem ou arrecadação, quando não está a ser utilizado enquanto cobertura.

No trabalho de adjudicar personalidade própria ao 124 GT – particularmente quando o hard top não estiver presente – esta versão pode ser facilmente identificada pelas distintas jantes OZ negras, as quais acusam cerca de menos 3 kg na balança face às presentes na mais tradicional versão Spider. Assim, retirando-se o hard top, o 124 GT apresenta-se com cerca de menos 12 kg de massa não suspensa, o que, em caso de condução pura e 100% desportiva, representa superior ligeireza e tenacidade na forma do roadster se fazer à estrada e... às curvas em resposta aos movimentos do volante.

A mecânica 1.4 turbo funciona em plena sintonia com o escape Record Monza: enquanto a primeira sobe de regime de forma vigorosa, o segundo exprime esse rendimento fulguroso sob a forma de estridente ronco emotivo, que traz ainda mais alento à condução de um desportivo. E porque o sentimento está sempre à flor da pele num roadster, é um prazer deixar passar essa fleuma emotiva para a condução. No caso deste Abarth 124 tudo fica ainda mais empolado mediante a seleção da função Sport (botão colocado perto da caixa de velocidades), que engrossa (ainda mais!) o tom do escape, recriando fortes rateres nas desacelerações e a qualquer simples levantar de pé do acelerador, além de tornar ainda mais sensível a resposta do próprio pedal.

Menos adequada à utilização desportiva está a caixa automática de 6 velocidades. Às relações demasiado alongadas que quebram um pouco a resposta imediata ao acelerador, que descobrimos e tanto elogiamos na variante de caixa manual, o engrenar das velocidades também não é lesto e emotivo. Para se ter uma noção mais exata sobre a atuação da caixa automática, o valor da recuperação de 60 a 100 km/h em D é precisamente igual ao valor aferido em igual medição em terceira velocidade... Mas, deve-se elogiar o facto de, uma vez selecionado o modo de ação sequencial/manual (seja por intermédio de impulsos na alavanca, seja via patilhas colocadas no volante), a caixa passar a comportar-se verdadeiramente como uma manual, ou seja, sem reduzir a relação mesmo pressionando-se o acelerador a fundo. As patilhas no volante são algo pequenas. O consumo é outro senão da referida caixa automática, com médias que facilmente atingem 10 l/100 km (ou seja, com aumento de cerca de 2 l/100 km face à transmissão manual...).

Com a relação de caixa acertada às situações e desligando-se o ESP, surge uma completa intrusão de toda a mecânica, seja por intermédio da suspensão e da direção, seja ainda pelo trabalho efetuado pelo autoblocante no eixo traseiro motriz. O que o 124 mais e melhor sabe fazer é proporcionar exímia leitura da estrada e perceção milimétrica do trabalho das rodas – e, para tal, não precisa de rodas maiores que estas 205/45 R17, em competentes Bridgestone Potenza RE050A – com a aderência suficiente para condução rápida e certeira e contacto tátil para o domínio de derivas controladas, certeiras e... prolongadas! A afinação do sistema de travagem rege-se pelas mesmas regras, com pedal tátil e desempenho marcado pela consistência.

Excluindo as já conhecidas limitações práticas deste Abarth, caso da ausência de locais de arrumo e do espaço apertado no habitáculo, o trabalho da suspensão surge acertado por nunca proporcionar total desconforto no mau piso. Só a imagem (e a sonoridade!) poderão ser entraves a uma utilização mais discreta, porque poucos são aqueles que resistem a virar o pescoço à passagem do 124 GT!

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

ABARTH 124

GT Auto

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1368 cc
Alimentação Injeção multiponto, turbo, intercooler
Distribuição 1 a.c.c./16 v
Potência 170 cv/5500 rpm
Binário 250 Nm/2500 rpm
Transmissão
Tração Traseira
Caixa de velocidades Automática de 6 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. triângulos duplos
Suspensão T Eixo multibraços
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/9,4 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,054/1,740/1,233 m
Distância entre eixos 2,31m
Mala 140 litros
Depósito de combustível 45 litros
Pneus F 7,5jx17 - 205/45 R17
Pneus T 7,5jx17 - 205/45 R17
Peso 1155 kg
Relação peso/potência 6,8 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 229 km/h
Acel. 0-100 km/h 6,8 s
Consumo médio 6,6 l/100 km
Emissões de CO2 153 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 171,18 €

Medições

ABARTH

Acelerações
0-50 km/h 2,5 s
0-100 / 130 km/h 7,2/11,4 s
0-400 / 0-1000 m 15,2/27,7 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 2,9 s
60-100 km/h (D) 3,8 s
80-120 km/h (D) 5,1 s
Travagem
100-0/50-0km/h 36,2/8,8 m
Consumos
Consumo médio 9,8 l/100km
Autonomia 459 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE