Seat Leon 1.5 TSI DSG-7 FR

Otimização obrigatória

TESTE

Por José Caetano 04-08-2019 19:40

Fotos: Gonçalo Martins

No mercado automóvel, consequência da degradação da imagem dos Diesel (conhece-se bem a origem da desconfiança, mas discorda-se das razões que explicam o decréscimo na procura, principalmente vivendo-se época que impõe diminuição muito significativa nos consumos e nas emissões poluentes!), mecânicas a gasolina outra vez muito populares. Em 2018, na Europa, aumento significativo na quota da tecnologia, de 50% em 2017 para 57%. O movimento coincidiu, obviamente, com o movimento inverso das mecânicas a gasóleo, com travagem de 44% para 36%...

Reconhecendo os sinais dos tempos e beneficiando de acesso instantâneo ao banco de órgãos mecânicos do Grupo VW, a Seat atualizou o catálogo do Leon – esta 3.ª geração é a mais bem-sucedida na história do compacto introduzido pela marca do país vizinho em 1999. Para menos consumo de combustível e emissões poluentes, precisamente, 1.4 TSI fora de jogo, substituído por mecânica nova, mais eficiente.

O motor é o moderno 1.5 TSI do Grupo VW (a marca alemã, no Golf, chama-lhe Evo, por tratar-se de evolução importante da mecânica que substitui). O 4 cilindros concentra tecnologias de ponta, incluindo o sistema ativo de gestão de cilindros, que desliga dois em situações de menos carga, quando aliviamos a pressão no acelerador e conduzimos de forma mais relaxada, em autoestrada ou estrada… Poupa-se gasolina e cumpre-se o objetivo por trás da modernização técnica!

Simultaneamente, com a mecânica nova, progressos na agradabilidade na condução. A diminuição das fricções internas no motor promove-a e, combinada com o aumento da pressão da injeção, contribui para o progresso na eficiência. Este pacote não penaliza o rendimento, com manutenção tanto da potência e do binário como da performance! O funcionamento da caixa automática de 7 velocidades, de embraiagem dupla (DSG-7), facilita-o, por adaptar-se ao tipo de condução. Opcionalmente, ganham-se patilhas no volante para comando sequencial do programa manual de passagem das relações, mais rápido no modo de condução Sport.

Existem mais quatro programas: Eco, Comfort, Normal e Individual. Todos modificam o funcionamento de direção, caixa e suspensão (atua na firmeza do amortecimento, aumentando-a ou diminuindo- a). Dinamicamente, esta 3.ª geração, apresentada em 2012 e atualizada em 2016-17, sempre impressionou de forma positiva. A condução, puxando-se pelo 1.5 TSI, é desportiva, o que significa estabilidade, precisão e rapidez... A eletrónica de assistência à condução revela-se muito pouco intrusiva e o conforto de rolamento, acelerando-se sobre piso regular, mais do que satisfaz. O controlo adaptativo do chassis DCC é opcional (696 €) e integra, também, direção progressiva que melhora o tato na condução, por torná-la ainda mais direta e informativa.

Na versão FR, conteúdos e imagem mais desportivos. O equipamento não tem falhas e, entre os extras, encontramos assistentes eletrónicos modernos, incluindo regulador de velocidade adaptativo (atua até aos 210 km/h) e alerta para saída involuntária da faixa de rodagem (303 €). Outros opcionais: bancos desportivos com revestimentos em pele (1409 €), jantes de 18’’ (808 €) e Navegação Plus (990 €) com ecrã tátil de 8’’ no centro do painel de bordo. O painel de instrumentos digital, de série, admite reconfiguração à medida das preferências do condutor e garante apresentação atual a automóvel que não é o moderno – como o compacto com que partilha a arquitetura MQB, o VW Golf, sucessão planeada para 2020. 

Para a ponta final da carreira comercial da 3.ª geração do Leon, modernização relevante da gama do compacto mais bem-sucedido na história da marca do consórcio VW… A novidade do momento é o 1.5 TSI, motor que substitui o 1.4 TSI. A mudança da mecânica melhorou a eficiência e não penalizou o rendimento e as performances. A tecnologia de desativação de (dois) cilindros funciona de forma completamente automática e impercetível. Também registamos progressos na suavidade de funcionamento.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

SEAT LEON

1.5 TSI DSG-7 FR

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1498 cc
Alimentação Inj. direta, Turbo, Intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16v
Potência 150 cv/5000-6000 rpm
Binário 250 Nm/1500-2500 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática de 7 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Eixo de torção
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/10,3 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,281/1,816/1,444 m
Distância entre eixos 2,634m
Mala 380-1210 litros
Depósito de combustível 50 litros
Pneus F 7jx17-225/45 R17
Pneus T 7jx17-225/45 R17
Peso 1258 kg
Relação peso/potência 8,38 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 213 km/h
Acel. 0-100 km/h 8,3 s
Consumo médio 5,1 l/100 km
Emissões de CO2 115 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 4 anos ou 80.000 km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 136,72 €

Medições

SEAT

Acelerações
0-50 km/h 3,2 s
0-100 / 130 km/h 8,6 s
0-400 / 0-1000 m 16,3 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,8 s
60-100 km/h (D) 4,7 s
80-120 km/h (D) 6,1 s
Travagem
100-0/50-0km/h 35/8,9 m
Consumos
Consumo médio 7,2 l/100km
Autonomia 694 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE