Lancia renasce como marca 'premium'

No novo gigante da indústria automóvel, a Lancia assumirá papel de destaque como fabricante de prestígio, alinhada com Alfa Romeo e DS

Atualidade

Por VM 22-01-2021 19:27

A Stellantis, novo grupo empresarial que resultou da fusão entre a PSA e a FCA, colocou debaixo do mesmo teto 14 marcas automóveis, que estarão a partir de agora agrupadas em subdivisões de acordo com o seu posicionamento. E, no segmento ‘premium’, renasce a Lancia.

No novo gigante industrial, o emblema de Turim, que nos últimos anos esteve a operar exclusivamente no mercado italiano, e com um único modelo no catálogo (o Ypsilon), irá ganhar o estatuto de marca de prestígio, alinhada com a Alfa Romeo e a DS, as três sob alçada de Jean-Phillipe Imparato, que deixa a direção da Peugeot, com Béatrice Foucher e Luca Napolitano na equipa.  

Casa arrumada

As outras ‘mexidas’ no organograma do 4.º maior grupo automóvel mundial colocam a Maserati como única marca de luxo do consórcio novo, enquanto Opel e Peugeot assumem estatuto igual como “marcas de nível superior”.

As denominadas “marcas centrais” são a Citroën, a Fiat e a Abarth; Chrysler, Dodge e RAM ficam agrupadas como “marcas americanas”, sobrando para a Jeep o papel de marca “SUV Global”.

Tavares à frente de império novo

Carlos Tavares iniciou a carreira na Renault, em 1981 e, depois de comandar o desenvolvimento da 2.ª geração do Mégane (2002-2009), acelerou quase até ao topo da administração da marca e da Aliança com a Nissan.

Deixou o consórcio em 2013 e assumiu a direção da PSA Peugeot Citröen em 2014. Depois de anos de prejuízos, os franceses regressaram aos números positivos e, em 2017, aproveitando crise na General Motors, comprou a Opel/Vauxhall aos norte-americanos.

Tavares, CEO da Stellantis, foi também o obreiro do negócio com a Fiat Chrysler Automobiles (FCA).

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Atualidade