Opel Grandland X 1.5 Turbo D

Certinho e direitinho

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 10-02-2019 09:00

Fotos: Gonçalo Martins

O Opel Grandland X é um dos SUV beneficiados com a alteração da lei que define o encaixe nos diferentes escalões. Por isso, estão reunidas as condições para que a Opel possa comercializar em Portugal modelo que está à venda na Europa há cerca de um ano.

O Grandland X é irmão umbilical do Peugeot 3008, com este partilhando todos os elementos mecânicos (por exemplo, do motor 1.5 turbodiesel de 130 cv) e a maioria das tecnologias a bordo e de auxílio à condução. No entanto, a totalidade do que está à vista surge revestido com identidade Opel, pelo que só os mais atentos darão conta que o comando à distância, os botões dos vidros elétricos ou o grafismo do sistema IntelliLink (infoentretenimento) nos reencaminha para o mundo Peugeot.

Desse ADN Opel faz também parte o superior conservadorismo da imagem, seja exterior como interior, face a um Peugeot 3008 que trouxe uma lufada de ar fresco às conceções dos habitáculos. Mas aqui, no Grandland X, competência à frente da inovação! Volante e instrumentação surgem em formato mais tradicional, com o painel de instrumentos dominado por elementos analógicos ladeando pequeno visor digital onde se espelham as informações do computador de bordo ou as orientações da navegação. Como é também apanágio da marca, os bancos, mesmo desportivos, forrados num misto de tecido e pele, com o do condutor a somar ajuste (elétrico) da inclinação do assento à habitual regulação em altura, são firmes. A posição de condução pode não ser a mais fácil de encontrar fruto do ângulo entre assento e pedais.

A normalidade das formas interiores não consegue transportar o Grandland X para um mundo de total novidade... O que se lamenta, uma vez que todo o conjunto se reveste de enorme competência, seja da qualidade geral da construção (mesmo sem materiais que deslumbrem pelo apelo estético), seja pelos argumentos enquanto SUV de cariz fortemente familiar, assistido por ampla bagageira que conta com a possibilidade de colocar o piso em duas alturas (ainda sobrando espaço para encaixar uma opcional roda sobressalente, por 110 €) ou de rebater facilmente as costas dos bancos traseiros (60/40) a partir da mala com formação de piso plano, não esquecendo a útil passagem tipo ski entre habitáculo e bagageira. A oferta de locais de arrumo é generosa, com dois compartimentos fechados, embora as bolsas nas portas sejam algo estreitas. À noite, o interior surge bem iluminado, com filamento LED ao longo das portas e iluminação da zona interior das bolsas de arrumação. Os passageiros do banco de trás contam com tomada USB para ligação de periféricos e serão os principais beneficiados se presente o amplo tejadilho panorâmico com cortina elétrica (700 €).

O nível de equipamento Innovation, o mais completo e oferecido nas encomendas realizadas até 31 de dezembro (upgrade no valor de 2400 €), conta com elementos bastante úteis, caso do acesso mãos livres ao habitáculo que soma abertura/fecho elétrico do portão da mala, que pode ser acionado mediante o passar de pé sob o para-choques traseiro. Travão de mão elétrico, sistema de navegação incluído no monitor central tátil de 8’’, alerta de ângulo morto, vidros traseiros escurecidos, barras no tejadilho, retrovisores rebatíveis eletricamente, entre outros, compõem esta versão. Já o tejadilho pintado a preto é opcional proposto por 450 €.

A mecânica 1.5 Turbo D, que mais não é que a unidade 1.5 BlueHDi da PSA, que recorre a AdBlue para ajudar ao cumprimento das normas de emissões Euro 6d-Temp, mexe com ligeireza este conjunto que tem no peso contido (cortesia da plataforma EMP2 da PSA) um dos trunfos que contribui, igualmente, para consumos contidos, a rondar os 6-6,5 l/100 km. As relações de caixa estão bem ajustadas à correta disponibilidade da mecânica Diesel, cujo ruído é suficientemente discreto.

Nas ligações ao solo e resposta da direção, o Opel Grandland X surge, mais uma vez, de identidade própria e distante das afinações do Peugeot 3008. O tato com a estrada é mais firme (sem ser desconfortável!) e a direção inclui mais peso, resultando em resposta fidedigna e reações bem controladas da carroçaria. Mais uma vez, competência à frente de laivos de paixão dinâmica...

Não menos competente é o rol tecnológico, que poderá somar cruise control adaptativo (350 €) e assistências à condução, incluídas nos 500 € do Pack Safety. A ajuda ao arranque em planos inclinados, os sensores de parque à frente e atrás bem como a câmara traseira são outras ajudas importantes no quotidiano. Em particular porque a visibilidade traseira não é das melhores, fruto da reduzida secção vidrada, que também não ajuda a que se obtenha a melhor sensação de espaço interior.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

OPEL Grandland X

1.5 Turbo D Innovation

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1499 cc
Alimentação Inj. direta CR, TGV, Intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16v
Potência 130 cv/3750 rpm
Binário 300 Nm/1750 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Manual de 6 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Eixo de torção
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,1 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,477/1,856/1,609 m
Distância entre eixos 2,675m
Mala 514 - 1652 litros
Depósito de combustível 53 litros
Pneus F 225/55 R18
Pneus T 225/55 R18
Peso 1435 kg
Relação peso/potência 11 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 195 km/h
Acel. 0-100 km/h 11,3 s
Consumo médio 4,2 l/100 km
Emissões de CO2 110 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite km
Pintura/Corrosão 2/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 145,05 €

Medições

OPEL

Acelerações
0-50 km/h 3,4 s
0-100 / 130 km/h 10,7/18,6 s
0-400 / 0-1000 m 17,6/32,5 s
Recuperações
40-80 km/h 3.ª 5,4 s
60-100 km/h 3.ª/4.ª/5.ª 6,3/7,8/11,3 s
80-120 km/h 4.ª/5.ª/6.ª 9,2/11,4/15,1 s
Travagem
100-0/50-0km/h 35,7/8,7 m
Consumos
Consumo médio 6,2 l/100km
Autonomia 854 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE