Peugeot 508 GT 1.6 Puretech 225

Mostrar a garra

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 20-04-2019 18:45

Fotos: Gonçalo Martins

Foi no recente dia 29 de janeiro que o Peugeot 508 foi eleito o mais belo carro de 2018, no decorrer da 34.ª edição do International Automobile Festival, que conta com mundialmente reconhecidos arquitetos e criadores de moda no painel de jurados. A esta importantíssima distinção a nível visual (o design é sempre o primeiro cartão de visita de um automóvel...) têm-se aliado opiniões unânimes sobre as qualidades do produto, seja pela sofisticação do interior ou o carisma da condução. Resta saber se a mais bela berlina de 2018, com raça de coupé e perfil desportivo (vide a ausência de molduras nos quatro vidros laterais das portas) estende a passadeira vermelha aos horizontes dinâmicos se e quando dotada da mais exuberante mecânica 1.6 turbo a gasolina de 225 cv.

Com a nova gama 508, a Peugeot assume a pedrada no charco entre as berlinas familiares médias, entendendo a necessidade de sair da bolha do conservadorismo para chegar a clientes cada vez mais ávidos de algo diferente. Foi escolhido o semblante desportivo, assente em carroçaria do tipo coupé 5 portas (à imagem de Audi A5 Sportback e BMW Série 4 GranCoupé), alicerçada em volumetria reduzida, caso da contida altura, de não mais que 1,4 metros. Redução do centro de gravidade que, aliada à contenção de 70 kg no peso face ao anterior 508, muito contribui para a nova essência dinâmica do modelo, onde também se destaca a assertividade dos acertos das leis de assistência da direção.

E dizemos acertos, porque a versão GT do 508, única possível de encaixar com o referido 1.6 turbo de 225 cv, inclui vários modos de condução (Eco, Comfort, Normal, Sport e Manual) que diferem entre si pela resposta dos diversos órgãos mecânicos, da direção à caixa de velocidades, passando pelo amortecimento. Em Eco, de referir a presença de função Velejar da caixa automática de 8 velocidades; em Sport, destaque para o nítido fortalecimento dos amortecedores que, sem beliscar por demais a suavidade do contacto das rodas com o alcatrão, ajuda a conter o rolamento da carroçaria em curva, somando-se superior sensibilidade na resposta ao acelerador e maior acutilância das reações da transmissão. Mas só no modo Manual é que o condutor ganha controlo (quase) absoluto sobre a caixa de velocidades – que ainda assim continua a aceitar kickdown acelerando-se a fundo... – embora perca o amortecimento mais firme e a resposta mais imediata ao acelerador presentes no modo Sport. Algo a rever, por exemplo, com a inclusão de modo de personalização, para que seja possível usufruir em plenitude as reações mais efusivas.

Neste 508 GT, controlos de tração e estabilidade só são desconectáveis abaixo dos 50 km/h, pelo que conte-se sempre com ligeiras intervenções aquando o aumento de ritmo na estrada. Mesmo com ótimo grupo pneumático (Michelin Pilot Sport4, jantes de 19’’), a berlina evidencia algumas perdas de motricidade, redobradas quando em mau piso. Basta ao condutor ter algum tento no acelerador para que consiga aproveitar da melhor maneira as intervenções do controlo de tração em prol da eficácia. A direção é suficientemente precisa e direta para que chegue às mãos uma correta leitura das rodas e da orientação do eixo dianteiro, pelo que a subviragem (frente a escorregar por excesso de velocidade nas curvas) é facilmente corrigida. E porque a carroçaria dá uma ajuda na forma como reage e se aconchega às transferências de massa, sentindo-se a importância do referido centro de gravidade. Outro ponto extremamente positivo deste 508 GT é a travagem, muito potente em casos de imobilizações forçadas e igualmente equilibrada.

As relações de caixa algo longas cortam um pouco do ímpeto/sensações desportivas em aceleração, mas o certo é que as retomas de velocidade são dignas de um... desportivo à séria!

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

PEUGEOT 508

GT 1.6 Puretech 225

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1598 cc
Alimentação Injeção direta, turbo, intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16v
Potência 225 cv/5500 rpm
Binário 300 Nm/1900 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática de 8 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Ind. duplos triângulos
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/10,8 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,750/1,859/1,403 m
Distância entre eixos 2,793m
Mala 487-1537 litros
Depósito de combustível 62 litros
Pneus F 235/40 R19
Pneus T 235/40 R19
Peso 1564 kg
Relação peso/potência 6,9 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 250 km/h
Acel. 0-100 km/h 7,3 s
Consumo médio 7,2 l/100 km
Emissões de CO2 163 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 171,18 €

Medições

PEUGEOT

Acelerações
0-50 km/h 3,1 s
0-100 / 130 km/h 8/12,1 s
0-400 / 0-1000 m 15,7/28,1 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,7 s
60-100 km/h (D) 4,2 s
80-120 km/h (D) 5 s
Travagem
100-0/50-0km/h 34,5/8,8 m
Consumos
Consumo médio 8,2 l/100km
Autonomia 756 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE