A sofisticação tecnológica ainda não chegou ao seletor da caixa automática, que como nalguns Mercedes é uma haste atrás do volante Poucos ou mesmo nenhum automóvel de produção em série são tão ‘tecnologicamente’ minimalistas, mas o volante poderia ser mais... emotivo Não há botões ou outros comandos similares no tablier e na consola, ‘tudo’ no Model 3 se comanda neste ecrã tátil de 15’’ Manípulos embutidos são mais-valia para a aerodinâmica e a estética, mas carecem de automatismo que evitasse ter de os pressionar para puxá-los Velocímetro está no canto superior esquerdo. Abaixo, abrem-se capot e mala. À direita, a carga da bateria e autonomia do veículo Bancos privilegiam o conforto, sem beliscar a ergonomia da posição de condução. Volante e retrovisores regulam-se no... volante Rebatimento (60:40) dos encostos dos bancos de trás amplia a bagageira de medianos 340 litros. Sob o capot há mais 85 litros A Tesla tem uma rede de cinco estações de supercarregadores em Portugal, num total de 44 postos: em 30 minutos ‘carregam-se’ 270 km Um simples cartão plástico semelhante a um de visita (no tamanho e espessura) abre as portas e ‘autoriza’ o funcionamento dos motores Berlina média elétrica americana conquista Europa Long Range de 350 cv (0-100 km/h em 4,8 s) e autonomia WLTP de 560 km, desde 56.900 € e Performance, de 480 cv (3,5 s) e 530 km, a partir de 68.000 € Conduzir um Tesla continua a ser... ‘diferente’ O Tesla Model 3 tem ‘performances’ de superdesportivo, acelerando de 40-80 km/h em menos de 1,5 s, e consome energia elétrica armazenada em bateria que lhe permite rodar quase 400 km com uma carga completa. O comportamento dinâmico é estável e seguro, os travões eficazes, mas não se espere agilidade É irresistível não acelerar a fundo: vertiginoso

Tesla Model 3

Candeia que vai à frente

TESTE

Por Ricardo Jorge Costa 07-07-2019 13:00

Fotos: Gonçalo Martins

A tentativa da Tesla de democratizar o automóvel elétrico de longa autonomia nos grandes mercados mundiais chama-se Model 3 e é uma berlina de segmento médio, de 4,7 metros redondos de comprimento, posicionada abaixo do Model S e do Model X, os outros dois modelos de volume do fabricante norte-americano liderado por Elon Musk, medindo menos 28 cm do que o primeiro, igualmente uma berlina de quatro portas, e 36 cm do que o SUV.

Todavia, como a competitividade comercial não se mede em centímetros, mas em euros, comparado aos seus congéneres da Tesla, o Model 3 tem no preço o seu superlativo de inferioridade, e o que é mais relevante, aproximando-o dos valores de aquisição dos modelos nas respetivas versões mais populares da categoria (não concorrentes diretos, porque ainda não os há exclusivamente elétricos) de marcas premium, como Audi A4, BMW Série 3 e Mercedes-Benz Classe C. O Tesla mais acessível custa cerca de 70.000 euros, acrescentando-se a pintura que é sempre paga à parte, e prescindindo da mordomia (por enquanto, dispensável) da condução autónoma (Autopilot) que chega a encarecer o veículo quase 10.000 €. Considerando a superior economia de utilização decorrente da energia consumida (elétrica vs. combustíveis fósseis), a rentabilidade do Model 3 já leva a fazer contas.

Mas isso se os elementos de ponderação entre o americano e os alemães – enquanto o sueco Volvo S60 não der as caras no Velho Continente – forem tão somente os financeiros, porque implicando-se o quase sempre prevalente fator emocional, a história já é outra – e nem se ouse pensar que seria imediatamente desfavorável ao Tesla. Quiçá, o contrário. Pelo menos a atentar pelos primeiros indicadores de recetividade do Model 3 na Europa Ocidental. Em fevereiro, no mês de estreia, o elétrico entrou diretamente para a liderança do segmento, não apenas dos EV, como também para o das berlinas médias (todas as motorizações), batendo os supracitados germânicos e estarrecendo os analistas de mercado. Segundo estes, a um modelo novo são necessários geralmente quatro a cinco meses para chegar ao topo da classe.

Por certo, não terá sido a rentabilidade (pelo menos, só) a seduzir mais consumidores do que os ditos poderes instalados, a maioria com coração térmico. E excluindo desde logo o fator estético e a imagem de marca (nunca negligenciáveis, sempre valorizáveis), são sedutores e abundantes os demais fatores que pesaram para o lado do Model 3. De chofre, a natureza da motorização. Diz-se natureza, porque a eletrificação do automóvel também tem muito de conceptual, de uma certa maneira de estar na vida. Mas são, acima de tudo, o rendimento e as performances esmagadores dos motores (porque são dois, um por cada eixo, num total de 480 cv) e a autonomia que a bateria de elevada capacidade (com capacidade máxima de 75 kWh percorrem-se pouco menos de 400 km, confirmados!) que mais apaixonam. Por último, mas não menos importante, também agrada a disponibilidade pelo fabricante de uma rede exclusiva de supercarregadores (em Portugal, para já apenas cinco, num total de 44 postos) que são bastante inferiores aos tempos médios de abastecimento de EV atuais: 30 minutos para carregar 270 km de autonomia.

As prestações do Model 3 são, reforce-se, esmagadoras, corando de vergonha muitos superdesportivos com aceleração 0-100 km/h em 3,5 segundos (3,7 segundos medidos). Mas não só: pressionar a fundo o pedal da direita leva a berlina a disparar de 40 a 80 km/h em vertiginosos 1,4 segundos. Num ápice, bastando tão-só 1,7 segundos para, numa via mais rápida, passar de 80 a 120 km/h e abreviar a duração de uma ultrapassagem. E deixa-se à imaginação as sensações de percorrer 1000 metros, a fundo, após o arranque deste autêntico relâmpago.

Contudo, não serão apenas estes os argumentos que têm movido consumidores para a frente dos seus computadores e ao sítio onde se vendem Tesla – na Internet. Precisamente a procura da sofisticação, da modernidade tecnológica, de que transborda o Model 3 (e os demais modelos da marca). Este, por ser o mais compacto, não irradia a mesma luminosidade no interior que se vivencia no Model S e principalmente do Model X, o SUV. Mas é de todos o mais minimalista, reduzindo todos os comandos físicos (botões e afins) à ínfima expressão. No tablier e consola não existem e apenas as portas os dispõem – um dos quais suprime os manípulos; o outro é o ainda insubstituível comando dos vidros. A lógica de supressão vai ao ponto de eliminar os reguladores convencionais dos retrovisores e do volante, forçando a fazê-lo primeiro com toque no ecrã gigante de 15 polegadas que centraliza tudo (tudo!) em prol da digitalização e depois o ajuste nos dois únicos botões no volante. Nem sempre, como neste exemplo, que não é isolado, o culto do vanguardismo e do design favorece a ergonomia. Exceção (também exemplar) é supressão (mais uma) das grelhas de ventilação (limpando as superfícies do painel de bordo), escondendo as saídas numa reentrância do tablier e remetendo o controlo do fluxo de ar para comando tátil no ecrã central.

No resto, o ambiente é harmonioso, respirando-se sofisticação – como deverá sê-lo para marcar a diferença num automóvel que pretende (e promove ao seu proprietário a pretensão de) ser diferente –, mas em que se critica a qualidade medíocre de alguns materiais, montagem e acabamento, que deslustram a imagem de produto premium. Encontram-se, como é comum, em áreas fora do campo visual (e tátil), mas, por mais que o patrão Elon Musk queira, não se conseguem escamotear.

Num plano mais condizente com as exigências do segmento (e neste domínio, ainda mais pressionado pelo rigor dos modelos alemães), está a habitabilidade e o conforto, beneficiando do amplo espaço para as pernas e de altura nos bancos posteriores (nos dianteiros, idem), apenas encontra constrangimentos na largura ao nível dos ombros.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

TESLA Model

3 Performance

Motor
Tipo 2 elétricos, 1 por eixo
Potência 480 cv/353 kWh
Binário 640 Nm
Bateria Iões de lítio
Capacidade útil 75 kWh
Tempo de carga (0-80%) -
Transmissão
Tração Integral
Caixa de velocidades Automática de 1 velocidade
Chassis
Suspensão F Eixo multibraços
Suspensão T Eixo multibraços
Travões F/T Discos ventilados
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/-
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,694/1,849/1,443 m
Distância entre eixos 2,875m
Mala 340/85 litros
Depósito de combustível -
Pneus F 235/35 R20
Pneus T 235/35 R20
Peso 1922 kg
Relação peso/potência 4 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 250 km/h
Acel. 0-100 km/h 3,5 s
Consumo médio kWh/100 km
Autonomia 530
Garantias/Manutenção
Mecânica 8 anos ou 192.000 km
Pintura/Corrosão 4 anos ou 80.000 km anos
Bateria -
Imposto de circulação (IUC) 0 €

Medições

TESLA

Acelerações
0-50 km/h 1,6 s
0-100 / 130 km/h 3,7 s
0-400 / 0-1000 m 12/22,6 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 1,4 s
60-100 km/h (D) 1,7 s
80-120 km/h (D) 2,2 s
Travagem
100-0/50-0km/h 35,6/9 m
Consumos
Consumo médio +/- 15 kWh/100km
Autonomia 400 km

Conte-nos a sua opinião 1

AutoDavid
07-07-2019 19:29

Parabéns por disponibilizarem já este teste! Sugestões de correcção - tb nº1002: - o model 3 mais barato custa - de 50000€, - que um BMW 320d e acelera melhor; - a cor preta é grátis; - o model 3 demora mais a abastecer mas pode ser carregado em casa! Algumas das razões pq vende + na Europa..,

TESTE