Land Rover Discovery Sport R-Dynamic D150 FWD

Acesso condicionado

TESTE

Por Vítor Mendes da Silva 11-04-2021 07:00

Fotos: Gonçalo Martins

Motorização base de gama no Discovery Sport facilita o acesso ao ‘universo’ Land Rover, mas obriga a prescindir dos préstimos da caixa automática, do sistema de tração integral ou dos modos de condução que permitem liberdade de movimento em todo o tipo de terreno. Ainda compensa?

Se entre automóveis em que o fator subjetivo do desenho e da estética da imagem exerce significativa influência na escolha do consumidor e em eventual decisão de compra, o Range Rover Evoque ocupa elevadíssima posição de destaque. Para quem procura melhor compromisso entre forma e função em formato compacto e igualmente sedutor, a marca britânica tem o Discovery Sport, baseado na mesma plataforma de arquitetura transversal Premium (PTA). Sem os constrangimentos óbvios à habitabilidade do primeiro, sobretudo nos lugares posteriores, devido ao abaixamento do tejadilho nessa zona e na bagageira, o SUV que sucedeu na gama ao Freelander, é automóvel claramente mais racional e utilizável, desde logo pela possibilidade de contar com 3.ª fila de dois bancos, aumentando para sete o número de lugares disponíveis a bordo.

Modernizado no desenho e nos conteúdos, o Discovery Sport surge com uma gama nova de motorizações eletrificadas do fabricante com capitais maioritários da indiana Tata, de que a unidade turbodiesel de 2 litros com 150 cv é parente pobre. Com ela, concretiza- -se cada vez mais indispensável downsizing de preços, podendo configurar- -se versão simplificada de acesso à gama, sem os préstimos do sistema mild hybrid (MHEV), integrando bateria extra de iões de lítio de 48V, a qual auxilia a unidade térmica através de gerador- motor de arranque (instalado à frente), só com tração dianteira e abdicando também de aliado importante do propulsor para a agilização das performances do automóvel e, principalmente, para maior eficiência no consumo de combustível – a transmissão automática de nove velocidades, estreada em 2014. No seu lugar, caixa manual de 6 velocidades, com escalonamento que não parece pensado para privilegiar as prestações do SUV, as acelerações e as recuperações de velocidade, mas também não ajuda à poupança. O turdodiesel eD4 acelera com vigor desde os regimes inferiores, sem hesitações na progressão pela sua faixa de funcionamento, mas o escalonamento longo da caixa obriga a trocas constantes para espicaçar convenientemente a mecânica. E os consumos disparam...

Na dinâmica, equilíbrio superior. Apesar de o Discovery Sport não ter tato firme que confira agilidade referencial, está longe de ser pouco expedito, tanto dentro como fora de estrada. A rigidez do chassis/plataforma é superior à do anterior modelo (13%), existindo a possibilidade de aceder a amortecimento eletrónico com vários níveis de firmeza, além do modo Dynamic mais desportivo (Adaptive Dynamics). Mas não nesta versão base.

Ainda assim, em estrada o SUV mostra- se competente, assegurando bom compromisso entre eficácia em curva e conforto de rolamento, tem no amortecimento brando mas sólido da suspensão o reflexo do rigor na construção deste mecanismo, dos seus isolamentos e ligações. O condutor, que devido a este desempenho menos acutilante do chassis, também não se sente especialmente motivado para uma atitude mais enérgica ao volante, beneficia, ao invés, de enorme conforto e de uma visão ampla e sobranceira.

Outro atributo a ter em conta é a inclusão do sistema de controlo de descidas de declives (vulgo HDC, estreado no 1.º Freelander), para o todo-o-terreno light. Este é mesmo o único apoio à condução fora de estrada, a somar às credenciais naturais fruto de genética francamente favorável: grandes ângulos de ataque e de saída (25º e 31º), passagem a vau até 60 centímetros e altura total ao solo de 21,2 cm. Ainda assim, não podendo contar com os préstimos da tração integral e com o sistema Terrain Response 2, nas aventuras longe do asfalto, recomendação de cautela e caldos de galinha... Entre os trunfos, níveis de habitabilidade e de versatilidade muito elevados: na configuração normal, há cinco lugares ajustáveis longitudinalmente, sendo assim possível ajustar, consoante as necessidades, o espaço para as pernas dos passageiros. Depois, há dois lugares mais à retaguarda que podem ser ocupados por adultos de estatura mediana sem grandes apertos, ainda que obriguem a que os seus ocupantes fiquem com as pernas um pouco encolhidas. Não serão, por isso, os lugares mais confortáveis em viagens longas, mas servem perfeitamente para trajetos curtos ou para as crianças, sendo fáceis de levantar e de esconder no piso da mala.

Globalmente, SUV cada vez mais importantes. Mas, modelos maiores e mais pesados colidem com a imposição de progressos significativos na eficiência, realidade a que a Land Rover pode ter de responder no imediato com a simplificação da fórmula, embora isso implique a recusa a parte importante do seu ADN. O 4x2 no acesso à gama Discovery Sport é SUV com imagem premium, competente e versátil e com qualidade acima da média, mas tem pouco de Land Rover...

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

LAND ROVER DISCOVERY

Sport R-Dynamic D150 FWD

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1999 cc
Alimentação Injeção dir. CR, TGV, Intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16 v
Potência 150 cv/4000 rpm
Binário 380 Nm/1750-2500 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Manual de 6 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Ind. Multibraços
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,6 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,597/1,894/1,727 m
Distância entre eixos 2,741m
Mala 115-840-1451 litros
Depósito de combustível 65 litros
Pneus F 7jx 18-235/60 R18
Pneus T 7jx 18-235/60 R18
Peso 1926 kg
Relação peso/potência 12,84 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 193 km/h
Acel. 0-100 km/h 11,4 s
Consumo médio 6,1 l/100 km
Emissões de CO2 165 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 3 anos ou 100.000 km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 259 €

Medições

LAND ROVER

Acelerações
0-50 km/h 3,8 s
0-100 / 130 km/h 11,8 s
0-400 / 0-1000 m 17,9 s
Recuperações
40-80 km/h 3.ª 4,9 s
60-100 km/h 3.ª/4.ª/5.ª 5,7/6,9/9,9 s
80-120 km/h 4.ª/5.ª/6.ª 7,9/9,9/13,4 s
Travagem
100-0/50-0km/h 39,6/10,2 m
Consumos
Consumo médio 7,5 l/100km
Autonomia 866 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE