Lexus LC 500 Cabrio

Um antidepressivo

TESTE

Por José Caetano 26-02-2022 07:00

Fotos: Gonçalo Martins

Quase dois anos depois da estreia (Los Angeles-2019), variante descapotável do Gran Turismo da marca de luxo do Grupo Toyota em ação. Produz-se apenas com motor de 8 cilindros e 5 litros a gasolina, caixa automática de 10 velocidades e tração traseira. Eis remédio para o alívio dos sintomas depressivos comuns neste tempo de pandemia!

A Lexus, como pode ler-se nas primeiras páginas de AUTO FOCO, encontra-se (muito) comprometida com a eletrificação do automóvel – provam-no, também, os resultados das vendas em 2020, com os híbridos a representaram 98% dos registos novos na Europa Ocidental –, mas a marca não compete apenas no Velho Continente e, nos EUA, o mercado número um da divisão de luxo do consórcio Toyota, a mudança de paradigma na indústria é mais lenta e os motores de combustão interna mantêm-se dominantes… Logo, sem surpresa, a variante descapotável do LC produz-se apenas com mecânica de 8 cilindros e 5 litros a gasolina, com 477 cv e 540 Nm, caixa automática de 10 velocidades e tração traseira. Primeiro teste a um exemplar de uma espécie em risco de extinção!

O Cabrio do Luxury Coupé (nomes na origem do acrónimo LC) posiciona-se no topo da gama do Gran Turismo (GT) do Lexus, automóvel baseado em arquitetura técnica muito moderna – assenta na primeira aplicação da plataforma GA-L. O descapotável tem 4,76 m de comprimento. Comparado com o modelo de que deriva, tem só menos 1 cm, facto com impacto reduzido na liberdade de movimentos no habitáculo com quatro lugares, muitíssimo maior nos bancos dianteiros do que nos traseiros, onde qualquer passageiro adulto viaja com pouco conforto, por também encontrar centímetros a menos em largura e altura.

Concorrente de BMW Série 8 Cabrio e Mercedes-Benz SL (geração nova prometida para o final do ano), este LC diferencia-se pela capota têxtil comandada eletricamente. No segmento de luxo, os materiais contam tanto como a atenção ao detalhe e, por isso, o tejadilho fabrica-se com quatro camadas de tecidos e tem acabamentos impecáveis, o que explica o isolamento incrível (acústico e térmico). O comando que aciona a abertura e o fecho do tejadilho, operações que podem realizar-se com o automóvel em movimento, mas apenas até 50 km/h, posiciona-se na consola entre os bancos dianteiros, sob tampa. O Lexus torna-se descapotável em 15 segundos e aproxima-se da forma do Coupé em 16 s e qualquer das ações é apresentada, graficamente, no ecrã digital de 8’’ integrado na instrumentação.

No LC, optando-se pela configuração descapotável, a capota repousa, de forma oculta e muito bem protegida, em compartimento sobre a mala, que tem só 197 litros – ainda assim, no descapotável, a mala é maior (25 litros) do que no Coupé. Em qualquer dos casos, capacidade suficiente apenas para um fim de semana a dois… No cockpit, acabamentos e qualidade de primeira – na categoria do luxo (terreno), afirmamo-lo de forma convicta, não há (muito) melhor. O equipamento abundante combina com o posicionamento topo de gama, encontrando-se apenas a pintura metalizada entre os extras. Infelizmente, o sistema de info-entretenimento, que inclui monitor digital de 10,25’’ no centro do painel de bordo, não corresponde às expetativas (bem maiores neste segmento do que nos demais...), revelando-se vezes a mais difícil de operar e lento. Neste capítulo, progressos, precisam-se!

Já a posição de condução é muito baixa e desportiva. Os bancos dianteiros têm apoios laterais robustos, regulam-se eletricamente e são climatizados e confortáveis. E têm, também, aquecimento para cabeça e pescoço.

Chassis ágil, motor enérgico

Como é habitual nos descapotáveis, sobretudo nos derivados dos coupés, o LC Cabrio apresenta-se com chassis reforçado, cumprindo-se a exigência resultante da substituição do teto metálico fixo por capota têxtil. Mas, além de introdução de diversos elementos estruturais específicos novos, os técnicos da Lexus, considerando as particularidades do automóvel, também otimizaram a suspensão, sobretudo ao nível do amortecimento. Soma-se o autoblocante do tipo Torsen, que melhora a capacidade de tração de máquina com mecânica potente.

O motor V8 5.0 atmosférico é apoiado por uma caixa automática de 10 velocidades. Para sensações de condução mais desportivas, o Lexus tem um sistema que reproduz o som da admissão através dos altifalantes do equipamento de som e outro que controla o funcionamento das válvulas do escape – e, assim, o ruído é adaptado, automaticamente, de acordo com a configuração do automóvel, a cada momento, o que pressupõe diferenças na sonoridade do Coupé para o Cabrio. Uma boa ideia! Não iguala a expressividade das mecânicas de referência na categoria, todas com capacidades iguais e maiores, mas impressiona q.b., sobretudo nas acelerações.

Dinamicamente, o LC 500 Cabrio surpreendeu-nos muitíssimo mais pela suavidade de rola- mento, soberba, do que pela agilidade, impressão que também resulta da proteção excecional de que desfrutamos no interior do cockpit, na configuração descapotável. Em contrapartida, na agilidade e na precisão da condução, o Coupé da Lexus é superior. Notamo-lo em fragilidades ao nível da filtragem das irregularidades do asfalto, que nem o amortecimento adaptativo melhora de forma significativa, ou nas mudanças repentinas de direção, que são mais… lentas nesta carroçaria.

A mecânica de 8 cilindros é reativa q.b. ao acelerador, mas há melhor no segmento, principalmente privilegiando-se a capacidade de aceleração – 0-100 km/h em 5 s não surpreende, mesmo considerando os 2100 kg do LC 500 Cabrio, automóvel ainda mais pesado do que o Coupé. No entanto, este descapotável conduz-se (muito) depressa (muito) facilmente. A caixa, no modo automático, combina rapidez com suavidade. Todavia, movimentando-nos numa estrada sinuosa, a função manual ativada de forma sequencial em patilhas no volante coloca-nos muito mais no centro da condução.

No LC 500 Cabrio, quatro programas de condução, que selecionamos em comando rotativo no topo do painel de instrumentos: Eco, Normal, Sport e Sport+. O último, mais desportivo e permissivo, reduz a intervenção das assistências eletrónicas, nomeadamente do controlo de estabilidade. Logo, privilegiando-se a ação, recomenda-se!

Os antidepressivos combatem sintomas como alterações no sono ou no apetite, angústia, ansiedade, tristeza ou falta de energia e motivação. Existem medicamentos melhores no mercado automóvel, principalmente para os adeptos da condução desportiva e das performances, mas este Lexus, em tempo de pandemia, também é remédio santo! O LC 500 Cabrio impressiona mais pelo conforto, luxo, qualidade do habitáculo e suavidade de rolamento do que pela agilidade e capacidade de aceleração, mas prazer de condução significa mais (muito mais!) do que potência e velocidade.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

LEXUS LC

500 Cabrio

Motor
Arquitetura 8 cilindros em V
Capacidade 4969 cc
Alimentação Injeção direta
Distribuição 2x2 a.c.c./32v
Potência 477 cv/7100 rpm
Binário 540 Nm/4800 rpm
Transmissão
Tração Traseira
Caixa de velocidades Automática de 10 vel.
Chassis
Suspensão F Ind. multibraços
Suspensão T Ind. multibraços
Travões F/T Discos ventilados (400/359 mm)
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,8 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,770/1,920/1,350 m
Distância entre eixos 2,87m
Mala 149 litros
Depósito de combustível 82 litros
Pneus F 8,5jx21-245/40 R21
Pneus T 9,5jx21-275/35 R21
Peso 1355 kg
Relação peso/potência 5,19 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 270 km/h
Acel. 0-100 km/h 5 s
Consumo médio 11,7 l/100 km
Emissões de CO2 275 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 7 anos ou 160.000 km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 918,01 €

Medições

LEXUS

Acelerações
0-50 km/h 2,1 s
0-100 / 130 km/h 5,0 s
0-400 / 0-1000 m -
Recuperações
40-80 km/h (D) s
60-100 km/h (D) 2,4 s
80-120 km/h (D) 2,9 s
Travagem
100-0/50-0km/h 34,7 m
Consumos
Consumo médio 14,2 l/100km
Autonomia 577 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE