Peugeot 308 Hybrid 180 GT

À medida das empresas

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 26-04-2022 17:00

Fotos: Gonçalo Martins

São 1500 € a separar esta mais acessível variante de 180 cv do Peugeot 308 híbrido Plug-In para a mais potente de 225 cv. Uma poupança que fará sentido – em particular para empresas que podem deduzir o IVA – ou que influenciará a utilização desta moderna berlina PHEV?

Se estivéssemos a falar de desportivos e de garra dinâmica, mais 45 cv de potência seriam bem-vindos e poderiam fazer toda a diferença. Mas passando o assunto por versões híbridos Plug-In da nova geração do recentemente eleito “Carro do Ano” em Portugal Peugeot 308, esse diferencial de potência custa 1500 € ao bolso. E, de facto, pouco ou nada se fará sentir no que é o cerne da utilização de um PHEV.

As duas versões (180 e 225) partilham toda a arquitetura técnica, diferindo apenas na potência base do motor 1.6 turbo a gasolina (150 cv vs 180 cv). No resto, contam com a mesmíssima secção elétrica, que fica a cargo de motor de 110 cv alimentado por bateria de 12,4 kWh de capacidade e uma autonomia anunciada em ciclo WLTP para 60 km sem ligar o motor a combustão.

Em modo híbrido Plug-In

Com a bateria atestada – serão necessárias cerca de 7 horas em tomada doméstica para uma carga total – e acionado o modo de condução ‘Electric’ para forçar o funcionamento apenas e só com o motor elétrico, alcançámos facilmente os 60 km prometidos numa utilização em cidade e por vias periféricas, embora recorrendo ao modo regenerativo (B) da transmissão automática de 8 velocidades. Já em ritmos mais acelerados e em circuitos que incluam troços em autoestrada, a autonomia elétrica real ficará mais centrada entre os 50 e os 55 km.

Continuando o teste até aos primeiros 100 km percorridos apenas com recurso a uma carga completa da bateria, obtivemos uma média real de 2 l/100 km. Mas a eficiência do conjunto deste 308 Hybrid 180 estende-se à utilização mesmo com a bateria vazia, com consumos médios a rondar os 6,5 l/100 km. Este conjunto PHEV, à semelhança do que já acontece com outros modelos do Grupo Stellantis, permite que se force a regeneração de energia elétrica a partir do motor a gasolina (função e-Save), com o condutor a poder escolher qual o patamar de carga a atingir.

Apenas na nossa sessão de medições conseguimos descobrir algumas diferenças entre esta versão de 180 cv e a mais potente de 225 cv. Nada que venha ao cimo nos primeiros metros e segundos, com ambos a acelerar de 0 a 100 km/h em 7,5 segundos (o eixo motriz dianteiro acaba por ter mais facilidade em colocar eficazmente no chão os 180 cv), sentindo-se apenas um menor fôlego desta versão do 1.6 turbo nos altos regimes – perde apenas 1 segundo para atingir os primeiros 1000 metros. Nada mais. Ou seja, nada que interfira diretamente com uma utilização quotidiana viva, ou com uma utilização rápida em estrada e vias secundárias, uma vez que as reações da caixa automática de 8 velocidades continuam espontâneas quer nas reduções quer na fluidez das desmultiplicações e o(s) motor(es) a somar muita velocidade em resposta ao acelerador.

Embora de reações ágeis (o volante pequeno ajuda a esse efeito) e com uma dinâmica envolvente, segura e bem ligada à estrada, o 308 não descura o conforto e a facilidade de utilização (excelente diâmetro de viragem de apenas 10,5 metros). Apenas a direção poderia ter uma melhor relação de desmultiplicação ao longo das suas quase 3 voltas entre topos e o tato do pedal de travão somar progressividade.

Exemplo de vanguardismo

A nova geração do Peugeot 308 é uma excelente interpretação da história recente da marca. Não só o design exterior é repleto de personalidade e dominado por rasgos de vanguardismo, aproveitando os efeitos criados pelas óticas LED com a assinatura visual a recair sobre a temática de três garras, incluindo animações luminosas e tecnologia LED Matrix nesta versão GT, como o 308 estreia o novo logo da marca, assinalando a abertura de um novo capítulo evolutivo.

No interior, a assinatura vanguardista fica a cargo da recente evolução do conceito i-Cockpit, em que o painel de instrumentos digital e multiconfigurável de 10’’ ganha efeitos tridimensionais (em profundidade) e apresenta excelente definição gráfica. Ao centro do tablier, o monitor tátil de 10’’ do sistema multimédia está até ligeiramente inclinado para o condutor, mas acaba por estar colocado num plano um pouco mais baixo do que seria desejado, obrigando a desviar os olhos da estrada. O pequeno (e já histórico) volante perpetua a sensação de habitáculo futurista, mas continua a obrigar o condutor a encontrar uma posição de condução de compromisso entre a colocação ideal do volante e a visibilidade do painel de instrumentos.

O sistema multimédia requer habituação. A temática de funcionalidade do tipo tablet, com menus ocultos que vão surgindo apenas mediante o deslizar dos dedos da direita para esquerda, não é a mais prática e direta. O 308 propõe algumas teclas de atalho para funcionalidade mais imediatas, mas continuamos a achar que a climatização deveria ter acesso autónomo. Felizmente, foi preservado o botão rotativo para o volume.

Com a centralizar de funções no monitor central e o conceito minimalista encontrado para o comando da caixa de velocidades e dos modos de condução, a consola central quase livre permite ampliar a sensação de espaço e criar locais de arrumação fechados. Esta versão GT é atenta aos detalhes e conta com excelentes revestimentos e materiais nobres que ajudam a criar uma atmosfera premium, caso de várias zonas forradas a pele com dupla costura a verde e superfícies em alumínio.

A iluminação interior está igualmente bem conseguida e conte-se ainda com outros mimos que sabem sempre bem: o sistema de acesso mãos-livres funciona agora por aproximação/afastamento da viatura; à noite, a partir da base dos retrovisores, é projetada no chão uma imagem do logo da marca. As formas da carroçaria e o interior escuro desta versão acabam por contrair a sensação de espaço interior e o acesso ao habitáculo é algo baixo. Devido à presença da bateria sob o fundo da mala, a capacidade de carga das versões PHEV fica-se por modestos 361 litros. A nova geração do Peugeot 308 está ainda envolta numa fortíssima componente tecnológica, seja enquanto reflexo da interface do sistema multimédia (reforçamos a qualidade dos gráficos), como da integração das várias ajudas à condução.

Em resumo

Concluímos que os 1500 € que separam as duas versões híbridas PHEV do novo 308 poderão ser poupados ou investidos em equipamentos extra. No dia-a-dia e, principalmente, em tudo o que esteja relacionado com a utilização enquanto híbrido Plug-In, esta versão de 180 cv pode até ser um pouco mais poupada face à mais potente de 225 cv. As diferenças, poucas, chegam apenas na hora de acelerar a fundo. De resto, os 180 cv já chegam (e sobram!) até para aqueles momentos em que se quer puxar pela garra e envolvência dinâmica do novo Peugeot 308.

Peugeot 308 Hybrid 180 GT
Preço: 40.600 € (com campanha em vigor e com IVA, o qual é dedutível se adquirido por empresa)

Equipamentos opcionais da unidade testada:
Pintura metalizada Preto Perla: 550€
Teto de abrir panorâmico: 950 €
Pack elétrico e massagens: 1000 €
Carregador de bordo 7,4 kW: 400 €

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

PEUGEOT 308

Hybrid 180 GT

Motor térmico
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1598 cc
Alimentação Inj. direta, turbo, intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16v
Potência 150 cv/6000 rpm
Binário 250 Nm/1750 rpm
Motor elétrico
Tipo -
Potência 110 cv
Binário 320 Nm
Bateria Iões de lítio
Capacidade da bateria 12,4 kWh
Módulo Híbrido
Potência 180
Binário 360
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática de 8 vel.
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Eixo de torção
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/10,5 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,367/1,852/1,441 m
Distância entre eixos 2,675m
Mala 361 litros
Depósito de combustível 40 litros
Pneus F -
Pneus T -
Peso 1678 kg
Relação peso/potência -
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 225 km/h
Acel. 0-100 km/h 7,6 s
Consumo médio 1,1 l/100 km
Emissões de CO2 25 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 3 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão 8 anos ou 160.000 km anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 137,14 €

Medições

PEUGEOT

Acelerações
0-50 km/h -
0-100 / 130 km/h -
0-400 / 0-1000 m -
Recuperações
40-80 km/h (D) s
60-100 km/h (D) s
80-120 km/h (D) s
Travagem
100-0/50-0km/h -
Consumos
Consumo médio l/100km
Autonomia -

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE