Renault Kangoo TCe 130 Equilibre

‘Pavilhão’ multiusos

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 30-12-2022 06:00

Fotos: Gonçalo Martins

Focadíssima no lado prático da vida, a versão de passageiros do Renault Kangoo tanto abraça a vertente profissional de ‘segunda a sexta’ com a familiar ao fim de semana. Além do muito espaço para tudo e todos, há agora lugar para mimos tecnológicos, muito conforto e um bom (e despachado) motor a gasolina de 130 cv.

É difícil para muitas mentes diferenciar e validar qualidades das versões de passageiros de modelos derivados de comerciais. Mas acreditem: entre carrinhas, SUV ou monovolumes, há poucas soluções capazes de engolir tanta tralha como o Renault Kangoo! E os cuidados que a Renault somou à nova geração, caso do formato das jantes em liga de 17’’ ou cores exteriores, como o ‘Castanho Terracota’ da unidade ensaiada, vêm trazer um élan até agora desconhecido ao modelo. E há muito mais!

A enorme altura interior é uma das características deste conceito de veículo, ajudando à sensação de espaço, mas também a alguma falta de envolvência. As portas laterais traseiras de correr são importante mais-valia na acessibilidade e quando escasseia o espaço em redor do veículo, por exemplo, nos lugares de estacionamento de centros comerciais. Ninguém se poderá queixar de falta de espaço para pernas nos três assentos traseiros de desenho individualizado e até podem ser somadas mesinhas tipo avião a servir os passageiros.

À frente, além do desafogo geral, quase todos os cantinhos foram aproveitados enquanto local de arrumo, seja a prateleira dianteira a toda a largura do habitáculo por cima das cabeças, seja pelas largas bolsas nas portas e espaço na consola central (incluindo até berço para carregamento indutivo de smartphone) ou ainda apoio de braços central, fechado. O porta-luvas é do tipo gaveta, solução partilhada com o Captur. A Renault deu atenção a alguns dos revestimentos aplicados ao nível das zonas de contacto visual direto – caso da faixa decorativa no tablier e toque da pele no volante – mas é evidente o défice de refinamento dos restantes plásticos entre um Kangoo e um Captur, por exemplo.

Lá mais atrás, o enorme portão traseiro de abertura vertical (é preciso ter atenção ao peso e ao espaço necessário para o movimento de abertura) dá lugar a uma ampla bagageira de 775 litros, com muito espaço em todas as direções, com destaque para a generosa largura. O movimento de rebatimento do banco traseiro (60/40) dá origem a uma plana e comprida plataforma de carga. No tejadilho é ainda possível montar as versáteis (opcionais, por 357 €) barras modulares multifunções.

O posto de condução está servido por todos os ajustes de volante (ainda assim algo inclinado) e banco, estando a alavanca da caixa de velocidades posicionada num plano elevado. Os bancos em tecido são confortáveis quer para o dia-a-dia, quer para viagens mais longas. No topo do tablier, o monitor tátil de maiores dimensões do opcional sistema multimédia Easy Link (1046 €) inclui sistema de navegação e acesso às configurações das diversas tecnologias e ajudas à condução. A imagem é algo baça com o objetivo de a visibilidade não ser perturbada por reflexos resultantes da incidência dos raios solares. Os gráficos são bons e a navegabilidade entre menus intuitiva, com a integração de diversas tecnologias como acontece em qualquer familiar compacto, quer de conectividade, quer de assistência à condução – aviso de aproximação ao carro da frente, travagem automática, correção de saída da faixa de rodagem, câmaras várias de ajuda ao estacionamento, etc. Do lado do condutor existe um útil suporte para smartphone com a proximidade de tomadas USB.

Motor que surpreende

Paralelamente às diferenças sentidas no refinamento do habitáculo, a base de veículo comercial também influencia a dinâmica, caso da sensibilidade da direção (vaga), do pedal de travão, da atuação do ABS e menor potência de travagem. O formato da carroçaria, em particular a altura, é gerador de ruídos aerodinâmicos e de alguma sensibilidade extra a ventos laterais. Não tendo nascido para ser um exemplo de precisão dinâmica, o Kangoo aposta numa suspensão mais macia que trata bem o conforto rolante, leva a algum adornar da carroçaria, mas que o prepara para lidar com o transporte de pesos extra.

Entre a oferta mecânica existente na gama, destaque para a unidade 1.3 TCe da unidade testada, cujos 130 cv refletem enorme vivacidade ao conjunto, sendo um dos elementos mais refinados do Kangoo e que melhor contribui para uma muito satisfatória avaliação dinâmica. É uma unidade de quatro cilindros de desempenho fluido nos regimes médios e baixos, capaz de conferir elasticidade e resposta pronta independentemente da relação de caixa engrenada. O comando da transmissão de seis velocidades, suave, também contribui para a facilidade de condução no quotidiano, onde apenas se pedia um pouco menos de intromissão do pilar ‘A’ na visibilidade lateral dianteira. Os consumos médios registados centram-se entre os 7 e os 7,5 l/100 km.

Olhando para os cerca de 30 mil euros base desta bem equipada e muito bem motorizada versão 1.3 TCe Equilibre – e sem qualquer demérito para com o veículo – percebe-se que já não existem automóveis baratos. A tal o Kangoo responde com enorme atestado de competência e com a certeza que é quase impossível adquirir outro veículo despretensioso (à exceção dos modelos da prima Dacia…) com semelhantes atributos familiares e capaz de encaixar a considerável dose tecnológica e de conforto com que a atual geração Kangoo se bate com propostas do segmento B e C.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

RENAULT KANGOO

1.3 TCE EQUILIBRE

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1333 cc
Alimentação nj. direta, turbo, interc.
Distribuição 2 a.c.c./16V
Potência 130 cv/4500 rpm
Binário 240 Nm/1500 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Manual de 6 vel.
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Eixo de torção
Travões F/T Discos ventilados/Tambores
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,7 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,486/1,860/1,808 m
Distância entre eixos 2,716m
Mala 775 litros
Depósito de combustível 54 litros
Pneus F 205/60 R16
Pneus T 205/60 R16
Peso 1550 kg
Relação peso/potência 11,9 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 183 km/h
Acel. 0-100 km/h 12,8 s
Consumo médio 6,8 l/100 km
Emissões de CO2 154 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 3 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 173,41 €

Medições

RENAULT

Acelerações
0-50 km/h 4 s
0-100 / 130 km/h 11,8/20,2 s
0-400 / 0-1000 m 18,4/33,9 s
Recuperações
40-80 km/h 3.ª 5,8 s
60-100 km/h 3.ª/4.ª/5.ª 5,7/8,3/11,7 s
80-120 km/h 4.ª/5.ª/6.ª 9,1/12,8/16 s
Travagem
100-0/50-0km/h 37,8/10 m
Consumos
Consumo médio 7,4 l/100km
Autonomia 729 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE