Alfa Romeo Tonale

Orgulho alfista

TESTE

Por Vítor Mendes da Silva 22-01-2023 07:00

Fotos: Gonçalo Martins

O segundo SUV da história centenária da Alfa Romeo, à imagem do pioneiro, também foi batizado em honra de uma das maiores passagens de montanha de Itália (Passo del Tonale, tal como o Passo de Stelvio deu nome ao antecessor), estrada com cerca de uma vintena de quilómetros de curvas em cotovelo, a merecer estatuto icónico e a convidar a condução empenhada, como este novíssimo automóvel.

Contudo, o Tonale tem mais argumentos de cativação do que o nome e a orientação desportiva. Desde logo, o design continua a ser imagem de marca na Alfa Romeo e o estreante SUV cumpre esse requisito na perfeição, num exercício de estilo muitíssimo bem conseguido. Na carroçaria com 4,3 metros em comprimento (menos 16 cm do que o Stelvio) há elementos estéticos que são inéditos no construtor italiano, mas outros, mais emblemáticos, permitem imediato reconhecimento, como a histórica grelha Trilobo com o distinto scudetto da Alfa Romeo (e a matrícula à esquerda...). Ou ainda o simbolismo da adoção das famosas jantes de cinco orifícios.

Ao estilo francamente sedutor, o Tonale soma-lhe a base técnica conhecida (variante da arquitetura Small Wide da Fiat Chrysler Automobiles FCA), que conhecemos do Jeep Compass, mas de tal forma otimizada que é difícil reconhecer-lhes a relação. As suspensões independentes asseguram um compromisso equilibrado entre dinamismo e conforto, embora com afinação mola-amortecedor firme, privilegiando a eficácia em curva através da restrição dos movimentos da carroçaria e de uma maior proximidade ao solo.

O comportamento dinâmico é claramente mais assertivo do que o da maioria dos rivais na categoria e não são necessários muitos quilómetros a ritmo mais despachado para perceber que este SUV tem um exemplar comportamento de desportivo. O Tonale inscreve-se em curva com precisão notável, muito pouco rolamento da carroçaria e uma neutralidade de reações que bem poderá convencer os mais céticos alfistas.  A direção tem uma boa dose da responsabilidade da agilidade, até porque é bastante direta (13,6:1), respeitando uma longa tradição da Alfa Romeo neste particular.

Também a caixa automática de dupla embraiagem de sete velocidades merece aprovação, quer pela rapidez de engrenagem em modo S, quer pela suavidade. Grandes e acessíveis patilhas no volante ajudam em plena condução espirituosa, mas muitas vezes os dedos colidem com as hastes dos comutadores colocadas imediatamente abaixo. Todavia, a posição de condução é muito boa e correta: a Alfa Romeo fê-la mais baixa e desportiva do que na esmagadora maioria dos SUV/crossover. Mas quem gosta de conduzir lá em cima não ficará desapontado, porque a visibilidade e a sensação de controlo sobre o que rodeia o veículo estão garantidas. 

A fluidez de reações e a eficácia de comportamento são ainda mais amplificadas pela muito boa capacidade de travagem – a Brembo trabalhou nos travões e a Pirelli desenvolveu pneus à medida do SUV.

Em suma, embora falte potência ao 1.5 MHEV para cumprir requisitos desportivos, a dinâmica do Tonale compensa-a em grande parte, privilegiando o prazer na condução. Com 130 cv, a motorização a gasolina que configura a versão de entrada de gama não é a mecânica mais potente que se poderia esperar em desportivo genuíno, tal como o binário máximo de 240 Nm a partir das 1500 rpm está longe de conferir-lhe impetuosidade digna desse registo. Mesmo com a parte elétrica a ajudar. O sistema semi-híbrido usa um motor de arranque/gerador integrado, para fazer a regeneração de energia. E uma segunda máquina elétrica, com 15 kW (20 cv) e 135 Nm, integrada na caixa de dupla embraiagem, encarregue de transmitir binário às rodas dianteiras.

O Tonale arranca em modo elétrico e é capaz de circular a baixa velocidade sem chamar o motor a gasolina à ação, logo, consumos (mais) comedidos. Mas nem tanto. O sistema não é assim tão profícuo na eficiência para o consumo, que está bem acima dos 7 litros por 100 km, praticando uma condução normalizada em ciclo misto. Nada que belisque definitivamente o equilíbrio bastante satisfatório entre requisitos dinâmicos e familiares.

O habitáculo do Tonale é desafogado e tem capacidade para cinco ocupantes, embora o desenho mais intrusivo da consola não convide à acomodação de um terceiro passageiro no (apertado) lugar central traseiro. Mas compensa com fartura de centímetros livres em altura e conforto de muito bom nível nos dois lugares laterais.

O volume da mala, de 500 litros (fica a meio do segmento, menos 40 litros que BMW X1 e mais 50 do que Cupra Formentor), e as suas formas geométricas bem aproveitáveis. As costas dos bancos podem ser rebatidas em partes assimétricas a partir das portas traseiras. A chapeleira move-se solidariamente com o portão traseiro quando este sobe ou desce, não sendo necessário fazê-lo manualmente.

No que se refere à apresentação geral do painel de bordo e qualidade de materiais e acabamentos temos o mesmo estilo e design de configuração horizontal, os mesmos bons materiais nas superfícies mais em contacto com a vista e o tato dos ocupantes, e o mesmo comando rotativo entre os bancos da frente para controlo do DNA – que altera os principais parâmetros de condução com ação sobre motor, direção,  travagem e o controlo de estabilidade, numa lógica de modos Dinâmico (com uma calibração específica do pedal do acelerador, assegurando igualmente uma travagem mais eficaz e uma resposta mais direta da direção), Natural e Avançada Eficiência_(para a máxima eficiência energética).

No painel de bordo, monitores digitais para a instrumentação e o equipamento multimédia, com 12,3’’ e 10,25’’, respetivamente. No primeiro, três apresentações gráficas (Evolved, Relax e Heritage). No segundo, Multitouch, comando tátil, sistema operativo Android, conectividade 4G, atualizações de software com recurso à Internet, assistente vocal Alexa e integração de Android Auto e Apple CarPlay.

A versão de lançamento Edizione Speciale é especialmente apetrechada de equipamento que, além dos ecrãs maiores no tablier e instrumentação, inclui, de série, jantes em liga leve de 20” em Cinzento Graphite, emblemas específicos, grelha frontal em Dark Miron, inserções nas portas em vinil, kit de carroçaria com aplicações mate, vidros escurecidos e pinças dos travões em alumínio de cor vermelha.

O Alfa Romeo Tonale permite condução autónoma de nível 2 (opção, por 560 €), ao combinar a câmara dianteira, que monitoriza, longitudinal e lateralmente, toda a envolvente do automóvel, e os sistemas cruise control adaptativo, que ajusta automaticamente a velocidade do veículo para manter uma distância de segurança dos veículos da frente, e o sistema de reconhecimento de sinais de trânsito e de controlo de velocidade. O primeiro utiliza a câmara de bordo para reconhecer os sinais, apresenta-os no ecrã e alerta o condutor do limite de velocidade atual. O segundo sugere ao condutor que reduza a sua velocidade até ao limite detetado.

A Alfa Romeo reforça a sua posição no segmento SUV para poder ser alternativa credível aos alemães, nesta que é a classe da moda em todo o mundo. Qualidade geral de nível muito razoável para esta exigente classe, habitabilidade e capacidade da mala na média do segmento e estética sedutora com o caráter aspiracional da marca. Depois, sem motor mais potente, a dinâmica apura o agrado da condução... Aprovado!

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

ALFA ROMEO Tonale

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1469 cc
Alimentação Inj. direta, Turbo+MHEV (48V)
Distribuição 2 a.c.c./16V
Potência 130 cv/5750 rpm
Binário 240 Nm/1500 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática de 7 vel.
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Ind. McPherson
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,5 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,528/1,841/1,601 m
Distância entre eixos 2,626m
Mala 500-1550 litros
Depósito de combustível 55 litros
Pneus F 235/40 R20
Pneus T 235/40 R20
Peso 1600 kg
Relação peso/potência 12,3 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 195 km/h
Acel. 0-100 km/h 9,9 s
Consumo médio 6,1 l/100 km
Emissões de CO2 139 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 5 anos sem limite km
Pintura/Corrosão 3/8 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 138,51 €

Medições

ALFA ROMEO

Acelerações
0-50 km/h 3,8 s
0-100 / 130 km/h 10 s
0-400 / 0-1000 m 16,7 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,8 s
60-100 km/h (D) 4,7 s
80-120 km/h (D) 5,9 s
Travagem
100-0/50-0km/h 37,6/9,3 m
Consumos
Consumo médio 7,7 l/100km
Autonomia 714 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE