Segunda vida para as baterias dos automóveis elétricos

Atualidade

Por AF 13-01-2022 10:30

Baterias desativadas, após a sua primeira vida no carro, têm futuro. A RWE já deu início à instalação de armazenamento de energia em Herdecke, Alemanha, que utiliza baterias de iões de lítio usadas de carros elétricos da Audi. Com o apoio de 60 sistemas de bateria, o novo tipo de instalação de armazenamento acontece na fábrica hidrelétrica reversível da RWE no Lago Hengstey e poderá armazenar temporariamente cerca de 4,5 Mwh (megawatts-hora) de eletricidade.

As baterias são provenientes de veículos Audi e-tron e ainda têm uma capacidade residual de mais de 80%. Isso torna essas “baterias de segunda vida” perfeitas para uso em sistemas estacionários de armazenamento de energia. Dependendo de como são usadas, essas baterias ainda têm até mais dez anos de vida útil.

Além disso, são significativamente mais baratas que as novas células. E é disso que se trata uma segunda vida – as emissões de carbono geradas durante a produção de baterias são distribuídas de forma sustentável ao longo de duas vidas (uma no carro e outra como armazenamento de eletricidade).

Oliver Hoffmann, Membro do Conselho de Desenvolvimento Técnico da Audi AG, comentou: “A mobilidade neutra em carbono é o objetivo final da Audi. Estamos a trabalhar arduamente para alcançar esse ambicioso objetivo. O nosso plano de lançar mais de 20 modelos 100% elétricos até 2025 é um passo importante nessa direção. Mas as nossas aspirações vão muito além do veículo, e é por isso que estamos a avançar no desenvolvimento da mobilidade sustentável por meio de colaborações com parceiros do setor da energia. Esta parceria com a RWE visa demonstrar as possibilidades que existem para o uso amigável de recursos de baterias de alta voltagem de segunda vida e a sua integração inteligente na rede elétrica do futuro. Além disso, já estamos com o pensamento no tempo após esta fase de utilização e a intensificar os nossos esforços para garantir que as baterias sejam recicladas de forma eficaz”.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Atualidade