Rali de Portugal palco de juventude contra veterania

Ralis

Por José Caetano 19-05-2022 09:32

É o evento desportivo mais importante de 2022 em Portugal, entre hoje e domingo, seguramente com muitos milhares de adeptos a acompanhá-lo de fio a pavio!

A edição 55 do Rali de Portugal, ronda 4 do Mundial, comemora os 50 anos do WRC, o que explica o número recorde de inscritos (100) e o regresso à competição dos dois pilotos mais bem-sucedidos na história do campeonato, que têm programas reduzidos este ano:

Sébastien Loeb (Ford Puma Rally1 #19), 48 anos, e Sébastien Ogier (Toyota Yaris Rally1 #1), 38 anos. No nosso País, os franceses aceleram só pela 2.ª vez na prova que arrancou em janeiro, em Monte Carlo, visitou a Suécia em fevereiro e, em abril, passou pela Croácia.


Teoricamente, devido ao facto de competirem num número limitado de ralis em 2022, Loeb e Ogier não estão na luta pelo título num Mundial que dominaram durante quase duas décadas, o que abre a porta à hipótese de termos campeão novo em 2022.

Entre os inscritos no Rali de Portugal, apenas o estónio Ott Tanak contestou o domínio francês, no caso de Ogier, vencendo o campeonato de 2019, temporada que terminou com a mudança da Toyota para a Hyundai, onde permanece. No entanto, este ano, o piloto de 34 anos (i20 N Rally1 #8), o vencedor no nosso País em 2019, não é o candidato número 1 ao triunfo…


No topo da lista, ao lado do vencedor do ano passado, Elfyn Evans, galês de 33 anos da Toyota que tem protagonizado mau início de época (no GR Yaris Rally1 #33, é apenas o 9.º no WRC), encontra-se o companheiro de equipa Kalle Rovanpera (GR Yaris Rally1 #69), finlandês de 21 anos que comanda o Mundial de 2022, e Thierry Neuville (Hyundai i20 N Rally1 #11), belga de 33 anos que ganhou Portugal em 2018 e está na 2.ª posição do campeonato, com menos 29 pontos. Somam-se-lhes Loeb e Ogier. O primeiro (Hyundai i20 N Rally1 #19) soma duas vitórias no nosso País, o segundo (Toyota GR Yaris Rally1 #1) tem um recorde de 5, que partilha com Markku Alén desde 2017. Este ano, tenta superá-lo outra vez.

«Portugal, para mim, é especial. Foi aqui que ganhei pela 1.ª vez no WRC. Passaram-se 12 anos! E, desta vez, viverei uma experiência muito diferente, por não estar na frente do Mundial. Serei só o 8.º na estrada, o que até pode beneficiar-me. Em contrapartida, tenho de entrar no ritmo do rali muito depressa e testei apenas uma vez na terra, mas estamos todos em plano de igualdade, na estreia destes carros nesta superfície», disse Ogier. 


Já o caso de Kalle Rovanpera, 21 anos, é especial: filho de ex-piloto de ralis (Harri) que venceu só um rali (Suécia-2001) em 111 participações no Mundial, este campeão do WRC2 Pro de 2019 apresenta-se no nosso País depois da 4.ª posição em Monte Carlo e de vitórias na Suécia e na Croácia. 

A 55.ª edição do Rali de Portugal arranca com a disputa da superespecial de Coimbra, a partir das 19:03 horas.

Leia na íntegra na edição impressa ou digital de A BOLA.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Ralis