Toyota RAV4 2.5 Hybrid Square

Inteligência funcional

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 08-06-2019 18:25

Fotos: Gonçalo Martins

Nos quase 25 anos de existência de RAV4, setorizados por quatro gerações, a Toyota somou mais de 8,5 milhões de unidades vendidas daquele que poderá ficar conhecido como a génese do conceito SUV. O que atesta bem a importância do modelo e tudo o que a marca nipónica espera desta quinta geração, desde já disponível no mercado nacional, apresentando-se como o mais potente RAV4 de sempre.

E tudo começa... por baixo, na nova plataforma, que ao redimensionar o SUV permite mais 3 cm de distância entre eixos num comprimento total que quase se mantém (só menos 5 mm), o que ajuda às generosíssimas cotas de habitabilidade e uma bagageira de dimensões recorde na categoria, ascendendo aos 580 litros. Tudo porque a referida plataforma permite agora acomodar as baterias do sistema híbrida sob o banco traseiro (não roubam espaço à mala), além de que a evolução tecnológica dos acumuladores de energia elétrica resulta em menos 10% de espaço ocupado. Baterias e muitos dos elementos mecânicos surgem em posição rebaixada, muito ajudando à redução do centro de gravidade e apuro da dinâmica.

Entrar e sair do habitáculo são tarefas facilitadas e as costas do banco traseiro podem ser colocadas em dois graus de inclinação, para superior conforto. O sentido prático de utilização é reforçado pelos locais de arrumo espalhados – especialmente os reservados para os passageiros da frente – ficando apenas a faltar passagem tipo ski entre bancos e mala e, já agora, uma pega na chapeleira, que facilitasse o manuseamento...

A versão Square Collection, em análise, será das mais procuradas em Portugal por agregar completo conjunto de equipamentos e acabamentos a preço justo. Além de marcada pelas jantes negras e tejadilho pintado a preto, esta variante de equipamento propõe vidros escurecidos, revestimentos em pele nos bancos e portas, banco do condutor com ajustes elétricos, faróis LED e abertura automática da tampa da mala.

O condutor conta com ótima visibilidade para todos os cantos, somando a presença de câmara traseira de ajuda ao estacionamento e curto raio de viragem como auxílio às manobras. O sistema de infoentretenimento (embora de grafismo ainda pouco moderno face ao que se conhece das marcas europeias) está bem localizado, à mão do condutor, no topo da consola central. O painel de instrumentos conta com zona central digital (de 7’’) com velocímetro bem legível e grafismo que se adapta aos modos de condução.

Para controlar o funcionamento do módulo de funcionamento híbrido (que agrega a nova unidade 2.5 a gasolina com motor elétrico, em conjunto em tudo semelhante ao do Lexus ES 300h) o RAV4 dispõe de três modos de condução além da função EV, que força o funcionamento elétrico, caso existe na bateria energia para tal.

Ao todo, o condutor dispõe de 218 cv entregues às rodas da frente via também nova solução de transmissão de efeito CVT, bem mais suave que noutros tempos. Ainda assim, em aceleração, é impossível disfarçar o ruído da mecânica, percebendo-se que o RAV4 terá nascido para uma utilização de forte índole citadina. Assim, em ambiente de cidade, mal se dando conta da transição entre mecânicas e do liga-desliga do motor térmico, o RAV4 desloca-se sempre de modo fluido e relaxado, como se se tratasse de um veículo anti-stresse, somando consumos extremamente interessantes quando envolto no emaranhado de trânsito, ficando quase sempre abaixo dos 6 litros. Saindo das cidades, o RAV4 continua a ser ótima companhia, se utilizado em ritmos moderados e acelerações progressivas. Não porque as acelerações ou valores de retomas de velocidade sejam maus, mas sim porque mesmo em modo Sport o RAV4 não nasceu para ser... desportivo. Se o condutor pretende fazer pleno uso dos 218 cv, estes respondem com impulso forte e lestos ganhos de velocidade, impressionando pela positiva! Mas com o ruído de motor desfasado com o da velocidade (efeito CVT) os sentidos humanos não se sentem totalmente alimentados para ação desportiva... Mesmo que este Toyota apresente agora desempenho dinâmico mais salutar, com suspensão bem ajustada à devida contenção da inclinação da carroçaria em curva. Só mesmo à passagem por pisos de cadência irregular toda a estrutura tenda a sacudir-se com superior veemência, incluindo o despertar antecipado (e quase sempre desnecessário) do ESP. O tato do pedal de travão, fruto da capacidade regenerativa do sistema híbrido, é algo sensível e pouco progressivo na zona de ataque e a distância de travagem longa em caso de emergência.

Bem melhor na atuação estão os sistemas de segurança e de apoio à condução, caso da travagem autónoma de emergência que está associada ao cruise control adaptativo. O sistema de deteção de faixas (com atuação no volante) funciona bem mesmo quando estas estão sumidas da estrada.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

TOYOTA RAV4

2.5 Hybrid Square

Motor térmico
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 2487 cc
Alimentação Injeção direta
Distribuição 2 a.c.c./16v
Potência 178 Nm/5700 rpm
Binário 221 Nm/3600-5200 rpm
Motor elétrico
Tipo -
Potência 120 cv
Binário 202 Nm
Bateria Hidretos metálicos de níquel
Capacidade da bateria
Módulo Híbrido
Potência 218 cv
Binário -
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática, direta, do tipo ECVT
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Duplos triângulos
Travões F/T Discos ventilados
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,600/1,855/1,685 m
Distância entre eixos 2,69m
Mala 580-1690 litros
Depósito de combustível 55 litros
Pneus F 225/60 R18
Pneus T 225/60 R18
Peso 1750 kg
Relação peso/potência -
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 180 km/h
Acel. 0-100 km/h 5,4 s
Consumo médio 5,6 l/100 km
Emissões de CO2 128 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 5 anos ou 150.000 km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 15000 km
Imposto de circulação (IUC) 204,21 €

Medições

TOYOTA

Acelerações
0-50 km/h 3,3 s
0-100 / 130 km/h 8,2 s
0-400 / 0-1000 m 16 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,5 s
60-100 km/h (D) 4,4 s
80-120 km/h (D) 5,3 s
Travagem
100-0/50-0km/h 39,3/9,5 m
Consumos
Consumo médio 5,6 l/100km
Autonomia 982 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE