BMW 320d Touring Auto

Referência

TESTE

Por José Caetano 14-03-2020 14:10

Fotos: Gonçalo Martins

A BMW conclui o programa de lançamento da geração nova do Série 3 com a introdução de variante que não dispensa desde 1985! A carrinha surgiu três anos depois da 2.ª geração do automóvel do segmento médio (na plataforma do E30, baseou-se, também, o primeiro M3, com motor de 4 cilindros e 235 cv)! O sucesso dos Sport Utility Vehicles (SUV) refletiu-se na procura do Touring, popular apenas na Europa, mas o formato mantém-se no catálogo de gama que representa, anualmente, quase 30% das matrículas da marca alemã.

Tecnicamente, a carrinha é igual à berlina introduzida no início do ano. Diferencia-a o desenho da carroçaria dos pilares B para trás e a funcionalidade e versatilidade do habitáculo e da mala, que ganha capacidade, com 500 litros em vez de 480, quando os encostos dos bancos posteriores estão na vertical. Ainda assim, BMW à frente só do Mercedes-Benz, na comparação com a concorrência. A mala do Classe C Station tem 460 litros. Existem carrinhas muito menos cotadas, como a Skoda Octavia Break, que têm bagageiras maiores (no modelo da marca checa, armazém com 610 litros, no mínimo!).

Ignorando a capacidade da bagageira, elogie-se o compartimento, por combinar construção de qualidade, vide revestimentos, com recursos que facilitam o acesso (portão com comando elétrico e óculo com abertura autónoma, por exemplo), o aproveitamento do espaço e a facilidade das operações de carga e descarga. Precisando-se de mais capacidade, opcionalmente (310 €), os encostos traseiros rebatem de forma automática, depois de pressão em botões no painel lateral direito da mala. Com o mesmo pacote, rede para separação da mala do interior – dispensando-a, podemos arrumá-la debaixo do piso – e calhas de fixação deslizantes e antiderrapantes para a organização de compartimento com um máximo de 1500 litros.

Muitos prós, poucos contras

O Touring beneficia dos mesmos equipamentos e hipóteses de personalização da berlina. Não surpreende. Os dois automóveis não partilham apenas a base. Também são iguais nos prós e nos contras. Os segundos, apresentámo-los em cima, os primeiros descobrem-se no momento em que entramos no habitáculo. Impressionaram-nos, principalmente, a qualidade dos materiais e da montagem, a posição de condução baixa, como é habitual nos BMW e o nível excecional da ergonomia (todos os comandos são superintuitivos).

Dinamicamente, experiência muito gratificante, com sensações semelhantes às da berlina, devido aos méritos da combinação de eletrónica de ponta, em matéria de assistências à condução, com recursos técnicos de primeira. Ou o melhor software para o melhor hardware, que adaptamos à medida, de acordo com as necessidades e as vontades do momento, ora privilegiando o comportamento, ora o conforto de rolamento, O pacote de segurança inteligente, por exemplo, possui comando próprio no centro do painel de bordo, abaixo do monitor a cores (e tátil) que concentra as funções do infoentretenimento e os programas que mais influenciam o desempenho do Touring.

O sistema integra avisos de colisão frontal e lateral, desvio de trajetórias, saída da faixa de rodagem ou cedência de passagem – função baseada na monitorização dos ângulos mortos dos retrovisores exteriores. O condutor seleciona o nível de intervenção, entre antecipado, médio e reduzido ou tardio, além de autorizar (ou não) ações corretivas no volante, realizadas automaticamente. Pretendendo-se, no mesmo comando, desativa-se o apoio eletrónico. Por norma, sabemo-lo, a marca alemã não é mãos largas nos equipamentos e o pacote de segurança inteligente encontra-se na lista de opcionais (2060 €).

Confortável e dinâmico

Em contrapartida, o dynamic select para seleção de três programas de ação é de série. Este sistema tem comandos específicos, na consola entre os bancos dianteiros, à esquerda do seletor da caixa automática de 8 velocidades, automática – na Steptronic, por 210 €, conta-se com patilhas no volante para seleção sequencial do modo manual, mais desportivo. Existem três modos: Eco Pro, Sport e Comfort. Este sistema atua na resposta do motor ao acelerador, na velocidade de passagem das relações, no nível de intervenção do controlo de estabilidade, na sensibilidade da direção e, dispondo-se de amortecimento variável, na firmeza da suspensão.

Na Versão Desportiva M (5000 €!), à prova, suspensão desportiva (leia-se rebaixada e menos competente na filtragem das irregularidades do piso, característica que compensa com mais capacidade de controlo dos movimentos da carroçaria), em benefício tanto da agilidade como da precisão na condução, direção com assistência variável específica e rodas de 19’’ com pneus mais largos nas posteriores – assim, circulando-se sobre asfaltos de qualidade, otimiza-se o nível de tração. Complementarmente, pacote aerodinâmico exclusivo e opcionais valorizadores da imagem do Touring (exterior e interior), dos bancos dianteiros desportivos aos faróis de neveiro com LED, do volante à iluminação do habitáculo.

O BMW Live Cockpit Professional (2840 €) soma-se ao equipamento opcional. Combina dois monitores de 10,3’’ para o infoentretenimento e a instrumentação. Ambos são a cores e admitem reconfiguração. O primeiro tem comandos táteis, vocais ou gestuais – os terceiros custam 315 €. E, assim, grão a grão, a BMW enche o papo…! O sistema operativo, novo, atualiza-se automaticamente, contando com Internet ou através da aplicação Connected para telemóveis.

No 320d Touring, motor de 4 cilindros e 2 litros a gasóleo moderno, que combina potência e eficiência (o sistema de descontaminação dos gases de escape inclui aditivo AdBlue armazenado em depósito com 10,4 litros). A mecânica tem funcionamento suave, silencioso e sem vibrações e fôlego acima da média nos regimes baixos e médios. Assim, conforto e velocidade, com acelerações e recuperações velozes! Obviamente, a caixa contribui para estas qualidades. No sistema, função que desacopla o 2.0 Diesel da transmissão (fá-lo de forma automática, estabilizando-se o ritmo na condução). Vantagem: poupa-se (algum) gasóleo, com o automóvel a deslocar-se por inércia. E as nossas medições provam-no!

A 7.ª geração do Série 3 recolocou a BMW no topo do segmento médio (D), território sob domínio dos fabricantes alemães com posicionamento premium, e a 6.ª da variante Touring consolida posição disputada na categoria, pelo número de vendas que representa. Esta carrinha permite-nos condução muito cómoda e rápida, devido às capacidades de chassis, motor e transmissão. Criticamos tão-somente o excesso de extras. Entre os opcionais, por exemplo, equipamentos de segurança importantes, por reduzirem os riscos de acidentes provocados por distrações.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

BMW Série 3

320d Touring Auto

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1995 cc
Alimentação Inj. direta CR, TGV, intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16v
Potência 190 cv/4000 rpm
Binário 400 Nm/1750-2500 rpm
Transmissão
Tração Traseira
Caixa de velocidades Automática de 8 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Ind. Multibraços
Travões F/T Discos ventilados
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,4 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,709/1,827/1,440 m
Distância entre eixos 2,851m
Mala 500-1510 litros
Depósito de combustível 59 litros
Pneus F 7,5jx17-225/50 R17
Pneus T 7,5jx17-225/50 R17
Peso 1660 kg
Relação peso/potência 8,73 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 230 km/h
Acel. 0-100 km/h 7,1 s
Consumo médio 5,3 l/100 km
Emissões de CO2 138 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 224,33 €

Medições

BMW

Acelerações
0-50 km/h 2,8 s
0-100 / 130 km/h 7,5 s
0-400 / 0-1000 m 15,6 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,6 s
60-100 km/h (D) 4,4 s
80-120 km/h (D) 5,2 s
Travagem
100-0/50-0km/h 36,6/9,2 m
Consumos
Consumo médio 7,4 l/100km
Autonomia 797 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE