BMW 520e

Conquistar terreno ao Diesel

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 21-10-2021 07:00

Fotos: Gonçalo Martins

Depois do 530e ter desbravado caminho no mundo PHEV face às propostas Diesel, a BMW lança o mais acessível 520e, de 204 cv, cujo desempenho em nada desonra o perfil elitista do Série 5. E estão garantidos os mesmos cerca de 50 km de autonomia elétrica.

Vista com interesse por uns, mal-amada por outros, a solução híbrida Plug-In tem conquistado espaço e quota comercial em vários segmentos de mercado, com Portugal a impulsionar a procura através da inclusão de diversos incentivos fiscais para empresas aquando a aquisição (amortização do IVA) e na utilização do veículo (caso da redução da taxa de tributação autónoma). E, de facto, como podemos comprovar neste teste ao volante do novo BMW 520e, a tecnologia mostra todas as suas valências se bem utilizada com carregamentos frequentes da bateria, que permitirão à maioria dos utilizadores percorrer cerca de 40 a 50 km diários (quilometragem média de cerca de 80% dos condutores da União Europeia) apenas com recurso a ‘combustível elétrico’.

O 520e utiliza a base mecânica do 530e, embora em versão mais comedida de potência do motor 2.0 turbo a gasolina, que aqui se fica pelo débito de 163 cv, aos quais poderão ser somados os 109 cv da máquina elétrica, para um total máximo combinado de 204 cv e 350 Nm de binário – que ganham a máxima expressão no modo de condução XtraBoost! Sob o piso da bagageira fica alojada a bateria de iões de lítio de 12 kWh (11,2 úteis), que se ligada a uma tomada doméstica precisará de cerca de 6 horas para uma carga completa (a tomada fica à esquerda, entre a roda dianteira e a porta do condutor), sendo que o carregador de bordo aguenta um máximo de 3,7 kW, situação que reduz o tempo de carga para pouco mais de 3h30m.

Na gestão híbrida, o sistema eDrive da BMW permite forçar a atuação a solo do motor elétrico, até aos 140 km/h, situação que se poderá prolongar por cerca de 50 km reais (como aferimos), tendo nós registado consumo médio a rondar os 18,5 kWh/100 km, lidando com todo o género de trajeto, apenas com cuidados em cumprir os limites legais de velocidade. Acabada a carga e passando o 520e a funcionamento híbrido tradicional, os consumos médios variam entre os 3,5 l/100 nos primeiros 100 km percorridos com uma carga completa, até aos 6,5-7 litros se o utilizador negligenciar o ato de ligar o seu BMW à tomada. Ainda assim, são valores contidos face ao tipo de mecânica a gasolina e ao peso/dimensões do automóvel, em que mesmo em autoestrada (com a ajuda do trabalho aerodinâmico realizado na carroçaria) os consumos poderão rondar os 6,5 l/100 km. Caso seja do interesse, o 520e permite forçar o carregamento da bateria, em andamento, consumindo recursos do motor térmico, podendo o condutor definir até que percentagem de bateria deseja preservar ou carregar. Os modos de gestão híbrida podem ser conjugados com os modos de condução.

Paralelamente à elevada eficiência do conjunto PHEV, o 520e deixa o condutor envolto em elevada dose de serenidade, com grande imunidade face ao estado do piso, mesmo na unidade testada, que contava com pneus de cariz desportivo, caso dos GoodYear Eagle F1 Assymetric nas medidas 245/40 à frente e 275/35 atrás, montados em jantes de 19’’. O certo é que a elevada robustez do conjunto contribui para essa sensação de casulo rolante, perpetuada pela ergonomia dos bancos desportivos e pela envolvência do posto de condução. A aparência e envolvência dinâmica da unidade em teste fica marcada pelo opcional Pack M Plus 2 (8500 €) definido pelos vidros escurecidos, pintura metalizada, caixa automática desportiva com patilhas no volante, as referidas jantes de 19’’, sistema de acesso ‘mãos-livres’, bancos dianteiros aquecidos com ajustes elétricos, luz ambiente e restantes elementos do Pack Desportivo M.

O liga-desliga do motor a gasolina numa condução tipicamente híbrida pouco ou nada se intromete com o bem-estar interior, com a atuação da caixa automática de 8 velocidades a contribuir para a fluidez de rolamento. Este é apenas um dos pontos em que a solução PHEV leva vantagem sobre as propostas Diesel, sempre um pouco mais ásperas e ruidosas. Já comparando performances, 520e e 520d equiparam-se em quase todas as acelerações e recuperações, com esta unidade testada do 520e a refletir os benefícios das rodas de grandes dimensões para alcançar a melhor motricidade no arranque e em condução mais viva (mas que também roubam uns pozinhos na autonomia elétrica, pelo superior arrasto criado) e pela forma extremamente vigorosa com que a caixa automática desportiva efetua as desmultiplicações. Assim dotada, esta unidade exemplifica que a BMW consegue manter o cunho desportivo tão querido à marca numa (quase) normal berlina PHEV, que pode ainda acolher equipamentos, elementos visuais e técnicos (caso dos mais potentes travões desportivos).

Na recente atualização de gama, o Série 5 surge de personalidade premium reforçada pelos retoques estéticos – principalmente os efeitos criados pelas iluminações exteriores LED – e novos e tecnologicamente mais avançados elementos a bordo, sejam os relacionados com a multimédia (novo e maior monitor central de 12,3’’ de alta definição, a acolher a versão 7.0 do software do iDrive), sejam as ajudas à condução. De realçar a excelente ergonomia dos comandos e a facilidade de interação com a tecnologia – apenas os controlos por gestos nos parecem mais uma manobra de marketing tecnológico do que propriamente uma valência prática! De resto, a maioria das funções e personalizações (que são muitas!) resultam práticas de aceder, selecionar e usufruir.

Nas versões PHEV do Série 5 berlina, a bagageira perde algum do volume útil, fixando o valor base nos 410 litros, a que se acrescenta útil alçapão sob o piso com espaço mais que suficiente para albergar os cabos de carga.

Com preços a partir dos 61.400 € para clientes particulares (ou seja, 1300 € mais que o 520d), o 520e resultará particularmente económico a quem o carregue sempre que possível, passe mais tempo em cidade que na estrada e adote ritmos de condução… moderados. Mas se a maioria do tempo de condução for passado em autoestrada, com longas tiradas diárias, os gastos e consumos da versão Diesel ainda poderão ser tidos como mais interessantes na balança dos custos diários de utilização.

BMW 520e

Preço desde: 61.400 €

Unidade testada: 79.598 €

Principais opcionais incluídos na unidade testada:

Pack M Plus2 – 8500 €

Luzes adaptativas LED – 1120 €

Assistente de Condução – 1170 €

Acabamento galvanizado dos comandos – 220 €

Sistema de som Harman/Kardon – 1170 €

Conectividade para aparelhos móveis – 640 €

Controlo por gestos – 330 €

Assistente de estacionamento Plus – 670 €

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

BMW Série 5

520e

Motor térmico
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1998 cc
Alimentação Inj. direta, turbo, intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16 v
Potência 163 cv/5000-6500 rpm
Binário 300 Nm/1350-3700 rpm
Motor elétrico
Tipo Síncrono de íman permanente
Potência 109 cv
Binário 265 Nm
Bateria Iões de lítio
Capacidade da bateria 12 kWh
Módulo Híbrido
Potência 204 cv
Binário 350 Nm
Transmissão
Tração Traseira
Caixa de velocidades Automática de 8 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. c/ triângulos duplos
Suspensão T Ind. Multibraços
Travões F/T Discos ventilados
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/12 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,963/1,868/1,483 m
Distância entre eixos 2,975m
Mala 410 litros
Depósito de combustível 46 litros
Pneus F 7.5jx17 - 225/55 R17
Pneus T 7.5jx17 - 225/55 R17
Peso 1910 kg
Relação peso/potência 9,4 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 225 km/h
Acel. 0-100 km/h 7,9 s
Consumo médio 1,4 l/100 km
Emissões de CO2 31 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 204,81 €

Medições

BMW

Acelerações
0-50 km/h 2,7 s
0-100 / 130 km/h 7,7/12,6 s
0-400 / 0-1000 m 15,6/28,1 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,4 s
60-100 km/h (D) 4,7 s
80-120 km/h (D) 5,8 s
Travagem
100-0/50-0km/h 36,3/9,1 m
Consumos
Consumo médio 3,5 l/100km
Autonomia 600 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE