Nissan Qashqai 1.3 158 cv Xtronic

O campeão voltou!

TESTE

Por Vítor Mendes da Silva 25-10-2021 07:00

Fotos: Gonçalo Martins

A Nissan antecipou-se à concorrência na previsão do futuro, na necessidade da criação de um formato automóvel alternativo às tradicionais berlinas compactas no segmento C. Em 2007, o Qashqai tinha apenas três rivais. Hoje, confronta-se com mais de três dezenas na categoria que praticamente inventou. Para conseguir vencê-los, a marca empenhou-se na otimização das qualidades responsáveis pelo sucesso comercial que registou de forma quase instantânea, garantindo-lhe um estatuto que nunca perdeu verdadeiramente: o de referência na categoria.

O SUV compacto é o automóvel mais importante da marca nipónica no mercado europeu, que vendeu na região mais de 3.000.000 de exemplares desde o lançamento do original.

Na geração nova, desenvolvimento da linguagem de design para um conjunto que não muda radicalmente, mas tem linhas mais angulosas, modernas e personalizadas do que o antecessor. Mas, a Nissan também arriscou: pela primeira vez, Qashqai sem Diesel, tecnologia que esteve sempre no topo das vendas do modelo…

Assim, em vez de mecânicas a gasóleo, reforço da oferta de versões eletrificadas, maioritariamente a gasolina – motorização híbrida só em 2022.

Sob o capot do Qashqai do nosso teste, está o estreante 1.3 turbo de 158 cv, com uma máquina elétrica alimentada por uma bateria de 12V (é motor de arranque, apoia o 4 cilindros durante 20 segundos nas fases de aceleração e recupera energia tanto nas desacelerações como nas travagens), para satisfazer as exigências e necessidades do momento, proporcionando progressos na eficiência que não penalizam a facilidade e o prazer da condução nem as performances.

Em opção, nesta variante mais potente da gama, caixa automática CVT de múltiplas relações, que acaba por ser determinante para as credenciais dinâmicas desta versão, por ser sistema que não valoriza a experiência de condução como a DCT de embraiagem dupla. O bloco de 4 cilindros não é nada ruidoso e as prestações estão dentro das expectativas, embora se pudesse esperar mais ao nível das recuperações. A CVT exibe maior arrastamento a baixa rotação, mas o sintoma atenua-se à medida que o motor ganha alma, sempre de forma de progressiva, sem fossos.

O seu escalonamento privilegia a suavidade e a eficiência, que aumenta com a ativação do programa ECO, mas as trocas das relações processam-se rapidamente e quase sem quebras na entrega da potência. O modo Sport acelera todas as reações e, mesmo aí, o consumo não é exagerado.

Dinamicamente, o SUV com tração às rodas dianteiras não é o carro mais ágil e excitante da categoria, mas tem qualidades mais do que suficientes para satisfazer até os condutores céticos sobre as capacidades dos modelos com o formato da moda. Estável, preciso e seguro q.b., sem comprometer no conforto, independentemente do tipo de piso.

Este comportamento deve-se à ação otimizada do chassis, competente no controlo dos movimentos da carroçaria em curva, nas transferências de massa, ou as reações de subviragem. A marca também atualizou a suspensão e reduziu a firmeza do amortecimento, apesar das jantes de 20 polegadas…

Quanto a preços, começam nos 28 500 euros, mas por esta unidade a Nissan pede 40 mil euros, já com sistema de som Bose com 8 colunas e amplificador digital, bancos em tecido e pele sintética, banco do condutor ajustável eletricamente com massagens e função de memória, volante e bancos aquecidos para condutor e passageiro e a versão mais sofisticada do painel de bordo com o enorme ecrã de 9.0? ao centro, instrumentação digital em ecrã de 12.3? e ‘head-up display’ de 10,8? que é projetado diretamente no para-brisas.

Comparado com o modelo que substitui, este Qashqai é maior. O comprimento aumenta 35 mm (4,425 m), a largura 32 mm (1,838 m) e a altura 25 mm (1,635 mm). O crescimento das dimensões também beneficiou a distância entre eixos (+20 mm), o que valorizou tanto a liberdade de movimentos no habitáculo, sobretudo nos bancos traseiros, como o volume da mala, que aumentou 74 litros, para 504 litros.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

NISSAN QASHQAI

1.3 158 CV Xtronic Tekna+

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1332 cc
Alimentação Inj. direta, Turbo (MHEV, 12V)
Distribuição 2 a.c.c./16 v
Potência 158 cv/5500 rpm
Binário 270 Nm/1800-3750 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática, CVT
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Eixo de torção
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem -
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,425/1,848/1,625 m
Distância entre eixos 2,665m
Mala 504-1447 litros
Depósito de combustível 55 litros
Pneus F 8,5jx20-235/45 R20
Pneus T 8,5jx20-235/45 R20
Peso 1393 kg
Relação peso/potência 8,8 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 199 km/h
Acel. 0-100 km/h 9,2 s
Consumo médio 6,3 l/100 km
Emissões de CO2 142 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica -
Pintura/Corrosão -
Intervalos entre revisões -
Imposto de circulação (IUC) -

Medições

NISSAN

Acelerações
0-50 km/h 3,5 s
0-100 / 130 km/h 9,3 s
0-400 / 0-1000 m 16,8 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 4,2 s
60-100 km/h (D) 5,3 s
80-120 km/h (D) 6,4 s
Travagem
100-0/50-0km/h 36,1/8,9 m
Consumos
Consumo médio 6,8 l/100km
Autonomia 808 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE