Mazda MX-5

Ação acelerada

Apresentação

Por Paulo Sérgio Cardoso 16-10-2018 12:00

Aproveitando a atualização efetuada, a Mazda quis vincar o caráter prazenteiro daquele que é o modelo que se confunde com a própria marca, o MX-5. Que, ao final de quatro geração e quase trinta anos no ativo (surgiu em fevereiro de 1989), continua com a chancela de roadster mais vendido do mundo, totalizando já 1.061.110 unidades, 39.773 das quais durante 2017 (16.039 só na Europa).

Assim, nada melhor do que levar um automóvel que coloca o condutor no centro das atenções e as sensações ao volante como ponto forte a uma das eleitas como melhor estrada do mundo para conduzir, a já famosa Transfagarasan, na Roménia. Um pouco como dar vida a um brinquedo nas mãos de uma criança...

Nesta segunda fase de vida do atual MX-5 (quer em carroçaria de capota de lona, quer no RF de tejadilho rígido retrátil ao estilo targa) que irá chegar a Portugal apenas em janeiro de 2019, o prato principal estava servido com o anúncio de subida de potência do motor 2 litros, que saltou dos 160 para os 184 cv, o que permite esmagar a relação peso/potência até 6 kg/cv fruto da ligeireza. Precisamente o que se deseja a modelo desta essência, compacto, a rodar juntinho ao alcatrão e a permitir ao condutor total controlo sensorial sobre as operações na estrada.

Como que para se diferenciar do irmão Fiat/Abarth 124, a Mazda preserva a receita de motores atmosféricos, tendo trabalhado em toda a parte mecânica do bloco 2 litros tornando possível subir o regime máximo das 6800 para as 7500 rpm. A maximização do fluxo de tomada de ar na admissão por via de canais mais largos contribuiu para essa superior capacidade respiratória, perfeitamente sentida nos regimes acima das 5500 rpm. De facto, é na ponta final de ação do motor que é mais sentido o aumento da potência, que se prolonga quase sem perda de rendimento até precisamente ao novo regime de corte. Algo que nas contorcidas curvas da belíssima estrada romena, por entre montanhas, não permitia observar com carinho a paisagem natural, obrigando o condutor a concentrar-se na exploração das segundas e terceiras relações da caixa, agora com ímpeto verdadeiramente mais vincado à anterior versão de 160 cv – que continuará à venda até final do ano.

Mas não é só por andar mais que o MX-5 MY 2019 está melhor. Os acertos no mapeamento da injeção eletrónica, mais importante que a subida do valor de binário (apenas mais 5 Nm), permite que o mesmo seja atingido 600 rpm mais cedo, o que confere maior alegria à mecânica nos regimes intermédios, numa resposta mais imediata ao acelerador. A redução de algumas gramas no peso dos pistões e bielas e otimização dos veios de equilíbrio contribuem, igualmente, para a referida sensação de acréscimo de ligeireza mecânica e para a efetiva contenção das vibrações em aceleração.

Para colocar o condutor ainda mais no centro das atenções, o renovado MX-5 passa a incluir ajuste em profundidade da coluna de direção (que será mesmo a forma mais imediata de percecionar unidades desta geração, já que os nipónicos pouco ou nada fizeram por mexeram na estética exterior e interior de modelo que está a ser sucesso comercial, com esta quarta geração a ser a que melhor encarna o espírito do modelo original). Podemos afirmar que os retoques não foram além de alavancas de ajuste das costas mais espessas, o fortalecimento do suporte para copos ou a abertura de portas mais facilitada, segurando melhor as portas e ajudando no acesso ao habitáculo – e, sim, continua a fazer falta um local à mão para deixar a carteira ou o telemóvel, um porta-luvas e, porque não, substituir a inestética antena vertical colocada na traseira do carro...

Embora a atualização da gama cubra as duas carroçarias, só no soft top foi adicionada a possibilidade de escolha por capota de lona em castanho (independentemente da cor da carroçaria). Já as novas jantes em liga leve, de 16’’ e 17’’, com acabamento em negro metalizado, passam a estar incluídas em toda a gama.

Cuidados acrescidos, também, na cada vez mais apreciada vertente tecnológica e na segurança, mesmo em modelo de características individualistas e de carácter minimalista. Entre as novidades, introdução de sempre útil identificador de sinais de trânsito (com indicação de limites de velocidade e ruas de sentido proibido), assistente de travagem de emergência ajudando a evitar acidentes mediante reconhecimento de viatura e peões e ainda possibilidade de inclusão de câmara traseira de apoio às manobras de marcha-atrás, incluindo deteção de trânsito à retaguarda, importante auxílio à saída de estacionamentos.

O motor 1.5, na base da gama, também foi mecanicamente otimizado, embora tendo como reflexos o ganho de apenas 1 cv (132 cv) e 2 Nm de binário. Em ambos, cumprimento das normas de emissões WLTP, e apenas o motor 2 litros a incluir start-stop.

Mas a estrela da companhia nesta prazerosa travessia montanhosa, em que o reduzido curso da caixa de velocidades e a incisiva direção foram chamados a intervir vezes sem conta, foi a versão 2 litros, mantendo o exclusivo do autoblocante que muito ajudou a somar as devidas doses de prazer ao volante, não só na garantia do melhor controlo em curva, como a gerir a motricidade, que em nada foi afetada com a subida da potência. Esta, sim, proporcional à subida do prazer ao volante!

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

MAZDA MX-5

1.5 SKYACTIV-G

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1496 cc
Alimentação Injeção direta
Distribuição 2 a.c.c./16 v
Potência 132 cv/7000 rpm
Binário 152 Nm/4500 rpm
Transmissão
Tração Traseira
Caixa de velocidades Manual de 6 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. triângulos duplos
Suspensão T Ind. multibraços
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/10 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 3,915/1,735/1,225 m
Distância entre eixos 2,32m
Mala 130 litros
Depósito de combustível 45 litros
Pneus F 6,5jx16-195/50 R16
Pneus T 6,5jx16-195/50 R16
Peso 1061 kg
Relação peso/potência 8 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 204 km/h
Acel. 0-100 km/h 8,3 s
Consumo médio 6,3 l/100 km
Emissões de CO2 143 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica -
Pintura/Corrosão -
Intervalos entre revisões -
Imposto de circulação (IUC) -

Conte-nos a sua opinião 0

Apresentação