BMW Série 3 Touring

Fórmula de sucesso

Apresentação

Por José Caetano 20-10-2019 14:15

Os compactos influenciam cada vez mais nos números do consórcio BMW, mas o Série 3 mantém o estatuto de modelo mais bem-sucedido do fabricante alemão, que ganhou pouquíssimo tempo após o lançamento do carro original (E21), em 1975. Em 1987, na 2.ª fase do ciclo de vida do E30, designação interna da 2.ª geração (1982-1994), introdução do Touring, variante muito popular na Europa. Mas, acelere-se do passado para o futuro e carrinha nova no catálogo do emblema de Munique.

A base da 6.ª carrinha na história do Série 3 é a mesma da berlina de 4 portas. Trata-se da plataforma CLAR, arquitetura técnica para automóveis com tração traseira e quatro rodas motrizes estreada em 2015, no Série 7, o navio-almirante da frota da BMW. Esta estrutura moderna é fabricada com combinação de aço e alumínio que melhora muito a rigidez, item com influência no conforto de rolamento, na dinâmica ou na segurança. Complementarmente, mesmo registando-se aumento das dimensões, o peso diminui – mais de 50 kg, na comparação com o modelo antecessor! –, o que otimiza consumos e emissões de gases de escape.

O G21 tem as mesmas dimensões do G20 – 4,71 m de comprimento, 1,83 m de largura e 1,44 m de altura. No frente a frente com o automóvel que substitui, o que mais importa, é maior em todas as medidas. Consequências positivas: habitabilidade e capacidade da bagageira no topo da categoria, com mais liberdade de movimentos nos bancos traseiros, que integram três assentos para crianças, embora a marca anuncie fixações Isofix apenas para os dois bancos exteriores… A mala, na configuração normal, tem 500 litros. Entre os rivais, Audi A4 Avant e Volvo V90 têm compartimentos maiores, enquanto o do Mercedes Classe C Station possui menos capacidade.

A altura reduzida da plataforma da mala ao piso facilita muito o acesso à bagageira: 60 cm. Como é habitual nas carrinhas, necessitando-se de mais espaço para arrumações, os encostos dos bancos posteriores rebatem-se (eletricamente, em opção). Para proteção ótima dos ocupantes da carrinha, no interior da porta traseira, encontra-se rede para separação do compartimento de carga do habitáculo. Entre os extras, várias soluções para a organização e o transporte de volumes, portão elétrico e óculo com abertura independente.

Mecânica, técnica e tecnologicamente, sem qualquer surpresa, carrinha igual à berlina. No lançamento, três motores a gasóleo, com 150 cv, 190 cv e 265 cv, mais três a gasolina, com 184 cv, 258 cv e 374 cv. Os dois propulsores mais potentes têm 6 cilindros e 3 litros (no 330i e no 330d, quatro rodas motrizes em vez de tração apenas às rodas traseiras). De série, a caixa é automática e tem 8 velocidades, exceto no 318d. Nesta versão, a Steptronic é alternativa paga à caixa manual de 6 velocidades. Em 2022, Híbrido Plug-In. No 330e Touring, o 4 cilindros de 2 litros com 184 cv é apoiado por motor elétrico integrado na caixa. Produz 50 kW/68 cv de forma contínua e 83 kW/115 cv, ativando o modo de condução Sport e acelerando. A BMW anuncia dois patamares de potência, 252 cv e 292 cv, 6 s de 0-100 km/h e 230 km/h de velocidade máxima. A bateria de iões de lítio tem 12 kWh e permite até 60 km de condução sem quaisquer consumos de gasolina e gases de escape, com a mecânica térmica desligada.

A carrinha também é igual à berlina nas hipóteses de personalização, nas assistências à condução e nas propostas de otimização das qualidades do chassis, nomeadamente ao nível da suspensão, com amortecimento adaptativo entre os opcionais que otimizam o desempenho dinâmico e o conforto de rolamento do Série 3. O quadro de instrumentos digital (BMW Live Cockpit) associa- se a sistema multimédia com monitor de 10,3’’ controlado manual, gestual ou vocalmente.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Apresentação