Félix da Costa na corrida ao título no Mundial de resistência

Motores

Por José Caetano 12-11-2022 11:11

Há piloto português na corrida ao título na categoria LMP2 do Mundial de Resistência, a segunda mais importante do campeonato que acaba hoje, em Sakhir, no Barém, com corrida de 8 Horas (luz verde às 11 horas de Portugal, bandeira de xadrez às 19 horas): António Félix da Costa encontra-se no comando da classificação, com 114 pontos, mais 28 do que os segundos classificados e 33 do que os terceiros, que conquistaram a pole para a corrida que coloca ponto final na temporada 10 do WEC.

Na prática, hoje, numa corrida que vale o máximo de 38 pontos, para não depender de terceiros, precisa apenas de terminar na 6.ª posição, que vale 12 pontos, para ganhar o título na categoria LMP2, com os parceiros de equipa Roberto González e Will Stevens. Conseguindo-o, repetirá o sucesso duplos de Filipe Albuquerque em 2020, que venceu o Mundial depois de ganhar a corrida mais mediática do WEC, as 24 Horas de Le Mans!

Ontem, na sessão de qualificação para as 8 Horas no circuito com 5,412 km e 15 curvas no Barém, Stevens, companheiro de António, no Oreca 07-Gibson #38 da JOTA, registou o 2.º melhor tempo em LMP2 (7.º absoluto), só a 0,137 s do mais veloz na categoria, o francês Norman Nato, da Realteam by WRT),. Em 3.º, a 0,030 s, Filipe Albuquerque, da United Autosports USA.

«Estamos bem posicionados, sim, mas a vantagem não reduz a vontade de ganharmos a corrida. Os nossos rivais têm os mesmos objetivos e, para não sermos surpreendidos, também temos de atacar, embora fazendo-o de forma a minimizarmos todos os riscos. Sabemos o que temos de fazer para vencermos este título», disse António, que acelera no WEC em paralelo com a participação na Fórmula E, Mundial que venceu na Época 6 (2019/2020). Há outro português em competição no WEC (e no Barém…), na categoria LMGTE Am: Henrique Chaves, no Aston Martin Vantage AMR da TF Sport. apresenta-se entre os favoritos à vitória, o que significa a intromissão na luta entre Ferrari e Porsche pelo título. Na qualificação, 2.º.

O Barém também decide o título na categoria principal (Hipercarros), com a Toyota na pole para o 4.º Mundial consecutivo (construtores e pilotos, o 2.º com o GR010 Hybrid introduzido em 2021, como substituto do LMP1 bicampeão nas temporadas 2018/19 e 2019/20 (TS050 Hybrid). O neozelandês Brendon Hartley, na qualificação, arrasou toda a concorrência, com 5,412 km em 1.46,800 m, no carro #8 da marca nipónica. O Alpine A480 adversária no campeonato conseguiu só a 5.ª posição, a 1,543 s.

Hartley, com Rio Hirakawa e Sébastien Buemi, tem apenas mais 1 ponto no Mundial do que André Negrão, Matthieu Vaxivière e Nicolas Lapierre, da Alpine, devido à vitória na qualificação. Nos construtores, Toyota com mais 26 pontos do que a rival francesa.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Motores