BMW 218i Active Tourer

Mudança sentida

TESTE

Por João Ouro 13-11-2022 19:00

Fotos: Gonçalo Martins

Sem alterar o conceito, a BMW renovou, de forma cirúrgica, o Série 2 Active Tourer, tornando-o melhor naquilo que é fundamental – o que se pode descobrir na versão 218i em teste. Estreia ainda vários elementos que estarão em todos os BMW, como por exemplo o sistema de ‘infotainment’ e a nova interação digital.

O interior do Active Tourer – cuja 1.ª geração foi lançada em 2014, atualizada depois em 2018 –, foi agora revisto e tem vários aspetos inovadores. No topo do tablier e a partir da consola central, até ao painel defronte do condutor, passa a existir um grande monitor curvo – de peça única – que integra dois ecrãs de informação separados.

O painel de instrumentação (10,25’’) pode ser alterado em termos gráficos e na visualização de alguns dos dados do computador do bordo, através dos botões integrados no volante, enquanto o ecrã principal, a cores e de interação tátil (10,7’’), agrega o controlo de todas as funções de bordo, através do sistema operativo ID8, igual ao dos novos iX e i4, por exemplo.

A única objeção é que deixou de existir o conhecido botão rotativo iDrive a meio da consola central, usualmente colocado em baixo, que tornava a interação mais fácil na procura de certos menus e na escolha de alguns dos ajustes e das funções. Talvez possa ser uma questão de hábito, mas é agora exigida maior atenção para o ecrã que concentra tudo, e em especial na consulta dos menus, sendo isso menos prático para quem está ao volante, até porque o visor não está assim tão próximo. Talvez o sistema de comando por voz possa atenuar esses inconvenientes. Há ainda algumas teclas de atalho no centro da consola para certas funções, mas são poucas, existindo um botão giratório para aumentar, baixar e desligar o sistema de áudio, por exemplo.

Interior tão prático quanto antes

O habitáculo é um pouco mais amplo do que no caso do antecessor – mais espaço atrás para as pernas e na largura entre portas – e a versatilidade de utilização é um dos aspetos que se mantém em foco, ou não se tratasse de um monovolume, existindo a possibilidade dos bancos da 2.ª fila (40:20:40) deslizarem na longitudinal (cerca de 13 centímetros) e os encostos traseiros reclinarem em várias posições, acrescentando-se ou retirando-se mais espaço à bagageira consoante as necessidades. Esta última mantém-se em termos da volumetria total – 470 litros –, tendo acesso prático através da inclusão da abertura e do fecho automático do portão. O acesso mãos-livres Comfort é outro dos itens propostos, assim como o grande teto panorâmico com abertura por comando elétrico (com cortina), além das luzes internas hápticas (basta deslizar os dedos) e a projeção do logótipo BMW no chão ao abrir as portas da frente. Estes pormenores, entre muitos outros, são agregados pela versão Line Luxury (2170 €) e pelos pack Travel (2100 €) e Premium (2010 €), ilustrando a exclusividade da gama, mas, como é óbvio, agravando o preço final. Não há bela sem senão.

Dinâmica à prova

Sem ter feito alterações ao nível do chassis, este Active Tourer mantém as credenciais dinâmicas do antecessor, preservando uma inegável qualidade de condução, tendo ainda uma ótima posição ao volante – à boa maneira da BMW – e uma insonorização muito cuidada, a que se junta o facto do pilar do para-brisas ser agora mais inclinado.

A suspensão é firme q.b., sem prejuízo do conforto, sendo capaz de filtrar bem as irregularidades dos pisos menos regulares e de atenuar os movimentos da carroçaria, esta a revelar ótima consistência e rigidez. A precisão da direção entende-se na resposta rápida e no feedback que transmite ao condutor, sendo possível alterá-la através dos modos Efficient, Personal e Sport, este mais desportivo, mas pouco radical. Os três parâmetros enunciados afetam o comportamento do motor 1.5 turbo de três cilindros, a gasolina, embora a resposta seja bem despachada, sem esforço ou hesitações ao longo das várias rotações, bem coadjuvado pela transmissão automática de dupla embraiagem (Steptronic), esta sem arrastamentos ou passagens bruscas, apesar de não contar com patilhas no volante (opcional) ou seletor para operação sequencial.

Com um habitáculo bem isolado, dinâmica eficaz, condução e suspensão confortáveis e uma acústica nada acentuada do bloco de três cilindros – a que se juntam prestações atrativas –, a avaliação final só pode ser muito positiva, justificando a aposta da BMW na continuidade da gama e do modelo, cuja renovação se impõe sem radicalismos, até porque a concorrência não abunda, talvez com a exceção do Classe B da Mercedes-Benz.

Por fora, o restyling foi muito ligeiro e contextualiza-se através de uma grelha frontal de maior dimensão, como é comum nos mais recentes BMW, e no desenho mais afilado dos grupos óticos, sem que haja outras alterações significativas, à parte das diferenças dadas por certas opções, tais como frisos metalizados, puxadores das portas mais discretos, barras de tejadilho em alumínio, vidros com proteção solar, teto panorâmico e luzes LED adaptativas, estas com assistência automática de máximos.

Na segurança ativa destacam-se alguns dispositivos hoje mais comuns, tais como o cruise-control ativo com função de travagem e a câmara traseira com deteção de tráfego cruzado (com ótima definição das imagens), além do alerta de mudança de faixa com correção automática.

Última referência ao consumo médio, até porque este pode ser o aspeto mais duro em determinadas circunstâncias, sendo possível valores próximos de 8,7 a 9 litros por cada 100 km, e isto se se insistir num andamento mais forte durante algum tempo. Já se sabe que a boa capacidade de resposta do motor é capaz de impulsionar esse ímpeto, tanto mais que o agregado mecânico permite velocidades de cruzeiro elevadas (214 km/h é o limite máximo anunciado), o que poderá fazer aumentar os gastos de combustível. No entanto, se a condução for mais ponderada (no Efficient), é fácil ter médias a partir de 7,3 a 7,7 litros/100 km, ou menos, sem qualquer esforço, ainda assim um pouco distante do valor anunciado pela marca de 6,2 l/100 km (WLTP).

Há um dado curioso relativo ao valor anunciado das emissões de CO2 – nada menos do que 140 g/km –, sendo exatamente esse o limite do escalão que determina um valor inferior para o IUC (137,14 €). Convém não esquecer que a BMW propõe a manutenção programada gratuita (Service Inclusive) durante quatro anos ou 80.000 km, um argumento que entra nas contas finais, claro.

O conceito de monovolume compacto não está muito em voga, mas neste 218i Active Tourer a BMW concentrou os melhores ingredientes tecnológicos, tendo-o colocado num patamar de inegável qualidade, sendo difícil apontar melhor escolha dentro do género. É quase perfeito no essencial, desde a condução ao conforto, das prestações à dinâmica, do espaço ao equipamento. O consumo, às vezes, é que poderá resvalar...

Preço (novembro de 2022):

BMW 218i Active Tourer - Desde 37.220 €

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

BMW 218i

Active Tourer

Motor
Arquitetura 3 cilindros em linha
Capacidade 1499 cc
Alimentação Inj. mista, Turbo, Intercooler
Distribuição 2 a.c.c./12v
Potência 136 cv/4400-6500 rpm
Binário 230 Nm/1500-4000 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática de 7 vel.
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Multibraços
Travões F/T Discos ventilados/discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,4 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,386/1,824/1,576 m
Distância entre eixos 2,67m
Mala 470-1455 litros
Depósito de combustível 45 litros
Pneus F 7jx17-205/60 R17
Pneus T 7jx17-205/60 R17
Peso 1545 kg
Relação peso/potência 11,36 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 214 km/h
Acel. 0-100 km/h 9 s
Consumo médio 6,2 l/100 km
Emissões de CO2 140 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 3 anos sem limite km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 137,14 €

Medições

BMW

Acelerações
0-50 km/h 3,3 s
0-100 / 130 km/h 8,7 s
0-400 / 0-1000 m 16,4/29,6 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,8 s
60-100 km/h (D) 4,7 s
80-120 km/h (D) 5,9 s
Travagem
100-0/50-0km/h 37,6/9,3 m
Consumos
Consumo médio 7,7 l/100km
Autonomia 584 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE