Suzuki Vitara

Subida de nível

Apresentação

Por Vítor Mendes da Silva 20-01-2019 18:00

A Suzuki submeteu a 4.ª geração do Vitara a renovação de design, interiores, motorizações e equipamento de segurança, para dar continuidade a história de sucesso ao invejável palmarés, com mais de 3 milhões de unidades comercializadas, em 190 países.

Entre as novidades mais facilmente detetadas, encontram-se grelha frontal cromada e redesenhada, novos para- -choques dianteiros com embelezadores cromados, jantes de liga leve de 17’’ e óticas dianteiras de tecnologia LED. Mantém-se as possibilidades de personalização do SUV, com cores e combinações de dois tons, packs de acessórios e outros detalhes interiores e exteriores.

No habitáculo há maior número e extensão de materiais e superfícies suaves e macias ao tato e nova tapeçaria de desenho misto. A informação que se oferece ao condutor também melhora com o novo ecrã LCD a cores de 4,2’’ no painel de instrumentos, que fornece dados relativos a consumo, eficiência da condução e os distintos modos de condução do AllGrip. As versões GLX apresentam, para além disso, um novo design do relógio situado no centro do painel de instrumentos. A consola central incorpora o ecrã tátil de 7’’ multifunções, compatível com os sistemas Apple CarPlay, Android AutoTM y MirrorLinkTM. A navegação é de série nas versões mais equipadas.

Depois, para constituir alternativa aos mais bem-sucedidos crossovers do momento, o rejuvenescido automóvel da Suzuki, que paga classe 1 nas portagens, joga outros dois trunfos: gama diversificada, com versões de duas e quatro rodas motrizes; preços bastante competitivos, a partir de 17.700 euros para nova versão com motor a gasolina 1.0 de 111 cv, e 22.700 € para o 1.4 de 140 cv. Os custos incluem desconto direto de 1300 € no âmbito de campanha de lançamento.

 

Gama sem Diesel

O portefólio do renovado Vitara inclui duas motorizações a gasolina com caixas de velocidades manual ou automática, ambas de seis velocidades. As versões com caixa automática dispõem de patilhas no volante. A novidade é, então, o motor 1.0 turbo Boosterjet de 111 cv, que passa a acompanhar a unidade mais potente, 1.4 turbo Boosterjet de 140 cv, no lugar do Diesel, que deixa de ser opção.

Ao volante de unidade equipada com o estreante 3 cilindros a gasolina confirmámos tratar-se de reforço oportuno, pois além de permitir queda a pique do preço da versão de acesso à gama Vitara, ainda mostra desempenho convincente. Desde logo, com disponibilidade assinalável em aceleração e recuperação. O binário máximo está disponível desde as 2000 rpm, mas a mecânica nunca mostra explosividade; exibe, ao contrário, uma entrega de potência linear ao longo de toda a faixa de rotação do motor, o que contribui para a facilidade de condução em todo o género de ambiente. Em cidade, não obriga a recurso à caixa manual de seis velocidades, que se opera com maciez e razoável precisão; em viagem, a generosa potência descomplica na hora de alcançar e manter bons ritmos em autoestrada. E tudo sem que o ruído e vibrações ou consumos estraguem a pintura, com valores em torno dos 6 l/100 km.

Em estrada asfaltada, as ligações ao solo favorecem o conforto, sendo correta a filtragem das imperfeições do asfalto, em contraponto com o desempenho dinâmico mais morno, percetível no excessivo adorno da carroçaria. Por outro lado, fazendo jus à tradicional designação jipe, para incursões fora de estrada, pode contar com sistema de tração 4WD AllGrip, a qual permite ao condutor escolher entre quatro modos de condução – Auto, Sport, Snow e Lock; o primeiro serve para condições normais e otimização do consumo e apenas ativa a tração 4WD se for necessário, utilizando a tração 2WD na maior parte do tempo; o Sport melhora as prestações do motor, utilizando de forma ativa a tração 4WD e atuando sobre o ESP; o Snow para condução em neve.

O novo Vitara está equipado com as mais recentes tecnologias de apoio à condução, incluindo três sistemas que são novidade absoluta na Suzuki: reconhecimento de sinais de tráfico, deteção de ângulo morto e alerta de tráfego posterior (a velocidades inferiores a 8 km/h em marcha atrás dois sensores laterais traseiros alertam para a aproximação de veículos pelas laterais ) e travagem automática com reconhecimento de peões.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

SUZUKI VITARA

1.0 BOOSTERJET

Motor
Arquitetura 3 cilindros em linha
Capacidade 998 cc
Alimentação Injeção direta, turbo
Distribuição 2 a.c.c./12v
Potência 111 cv/5500 rpm
Binário 170 Nm/2000-3500 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Manual de 6 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Eixo de torção
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/10,4 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,175/1,775/1,610 m
Distância entre eixos 2,5m
Mala 375 -710 litros
Depósito de combustível 47 litros
Pneus F 7jx17-215/55 R17
Pneus T 7jx17-215/55 R17
Peso 1085 kg
Relação peso/potência 9,7 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 180 km/h
Acel. 0-100 km/h 11,5 s
Consumo médio 4,8 l/100 km
Emissões de CO2 121 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica -
Pintura/Corrosão -
Intervalos entre revisões -
Imposto de circulação (IUC) -

Conte-nos a sua opinião 0

Apresentação