Construtores cada vez mais perto das metas europeias de emissões

Atualidade

Por Auto Foco 26-10-2020 18:02

Num ano bastante turbulento, há notícias positivas no horizonte para a indústria automóvel. Muitos construtores começam a registar uma redução significativa nos seus níveis médios de emissões e estão no bom caminho para atingir as metas estabelecidas pela Comissão Europeia (CE), apesar dos novos registos de automóveis terem sido severamente afetados pela pandemia Covid-19.

De acordo com dados recolhidos e atualizados mensalmente pela JATO Dynamics para 21 países da Europa, a média de emissões de CO2 atingiu 102,2 g/km, segundo o revisto ciclo de medições NEDC, entre janeiro e agosto de 2020. De acordo com estes cálculos, o mercado automóvel europeu está atualmente 6,5 g/km acima da sua meta global para 2020, o que representa uma redução importante, em comparação com os valores registados em 2019.

Apesar das matrículas totais de novos automóveis terem caído 29% entre janeiro e setembro deste ano, quando comparado com o mesmo período em 2019, apenas os registos de veículos eletrificados (VE) aumentaram 67% até setembro, para 1,54 milhões de unidades. Este

aumento notável explica, de alguma forma, as quedas de dois dígitos na procura por viaturas a exclusivamente gasolina e Diesel. O aumento na quota de mercado para VE de 7,8% entre janeiro e setembro de 2019, para 18,1% em período homólogo de 2020.

Volvo a mais verde

O Grupo Geely, a que pertence a Volvo (a marca sueca é responsável por 99% do volume de vendas do construtor na Europa), garantiu a ‘pole position’ na corrida pela liderança do ranking de menores emissões de CO2, superando a Toyota, a líder nos últimos anos. na corrida do CO2. A Geely, que também detém as marcas Polestar, LEVC e Lotus, cumpriu a meta de emissões em agosto, quatro meses antes do prazo.

A meta de CO2 da Geely para 2020 era uma média de 110,3 g/km, mas em 31 de agosto já era 103,1 g / km, tornando o fabricante chinês o único fabricante a superar-se. Um foco consistente em EV está por trás dessa conquista, respondendo por quase metade dos registos em agosto e 38% em janeiro-agosto de 2020.

BMW apenas 0,5 g acima da meta

A BMW é o próximo construtor a cumprir a meta a que se propôs. Com uma média de 103,5 g/km em agosto, a empresa germânica está apenas 0,54 g/km acima da sua meta, 102,9 g/km. No caso dessa média se mantiver no final do prazo (2020), a BMW teria de pagar apenas a penalização mínima. Cumprir a meta é mais do que alcançável, devido à combinação de duas estratégias: aumentar a parcela de veículos eletrificados à venda e as emissões relativamente baixas geradas por seus veículos Diesel.

Toyota em dificuldades

À primeira vista, a Toyota parece estar numa boa posição, a apenas 2,2 g/km de distância da sua meta. Contudo, parece que os objetivos propostos pela hibridização (que começaram há alguns anos) estão estagnados, refere a Jato. Nos últimos três anos, híbridos foram responsáveis ??por cerca de dois terços dos registos da Toyota na Europa, mas ainda não estão a cumprir as metas. Além disso, os seus veículos elétricos puros (com emissões zero) também demoraram a chegar à Europa – o Lexus UX 300e, o primeiro veículo totalmente elétrico do grupo, estreou-se no mercado apenas este ano.

De resto, o Grupo Hyundai (a que pertence a Kia) começou a questionar os métodos da Toyota. A estratégia do maior fabricante sul-coreano tem sido impulsionar os seus pequenos SUV e modelos compactos de baixas emissões, e parece estar a resultar. Enquanto os híbridos representaram 65% da Toyota, na Hyundai foram apenas de 13%. No entanto, os veículos elétricos puros (BEV) significaram 8% dos registos do fabricante coreano, enquanto a Toyota não conseguiu colocar nenhum à venda este ano. Isso demonstra que a relevância do contributo dos BEV para o cumprimentos das metas de emissões - talvez mais, do que os híbridos.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Atualidade