Toyota na «pole» em Le Mans

Portugueses António Félix da Costa e Álvaro Parente primeiros em LMP2 e LMGTE Pro, respetivamente, mas apenas o primeiro participou na sessão que arrumou a grelha de partida (Hyperpole)

Automobilismo

Por José Caetano 20-08-2021 00:02

 

António Félix da Costa, aos comandos do Oreca 07-Gibson #38 da equipa Jota, garantiu a «Hyperpole» na categoria LMP2 para a edição 89 das 24 Horas de Le Mans, corrida com início no sábado, às 15:00 horas. O piloto português percorreu os 13,626 km de La Sarthe em 3.27,950 m, à velocidade média de 235,9 km/h, e conseguiu, à geral, o 6.º tempo mais rápido da sessão decisiva da qualificação, apenas a 4,050 segundos do automóvel mais rápido, o Toyota GR010 Hybrid #7 de Kamui Kobayshi, que somou a 4.ª «pole» em cinco anos na corrida de resistência mais mediática do Mundo (1.ª num hipercarro)!

 

Filipe Albuquerque, no Oreca 07-Gibson #22 da United Autosports USA, vencedor da categoria LMP2 em 2020, não esteve na «Hyperpole», sessão que reúne apenas os seis carros mais rápidos durante a primeira fase da qualificação em Le Mans, nas quatro categorias em ação nesta maratona, por isso não conseguindo melhor do que uma 17.ª posição na grelha de partida. O outro piloto português na edição de 2021 das 24 Horas de Le Mans, Álvaro Parente, no Porsche 911 RSR-19 da Hub Auto Racing, também garantiu a 1.ª posição na categoria LMGTE Pro, mas a qualificação ficou a cargo de companheiro de equipa (o belga Dries Vanthoor).

 

Este ano, nas 24 Horas de Le Mans, 62 máquinas: 5 Hipercarros – estreiam-se em La Sarthe, sucedendo aos LMP1 que «saíram de cena» após o final do Mundial de Resistência (WEC) de 2020 –, 25 LMP2, 8 LMGTE Pro e 23 LMGTE Am.

 

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 1

Lima_Romeu
20-08-2021 04:46

Félix Da Costa é piloto para, no mínimo andar nos 8 primeiros da Fórmula 1, dependendo da equipa em que ingressa-se. O que é que falta?

Automobilismo