Este é (provavelmente) o sinal de trânsito mais antigo do mundo!

Atualidade

Por AUTO FOCO 17-08-2023 18:47

Para evitar zaragatas e discussões entre cocheiros, condes, barões e nobres ilustres, o rei D. Pedro II mandou afixar uma placa na parede de um prédio de Alfama, em Lisboa, no ano de 1686, com o seguinte: «Sua Majestade ordena que os coches, seges e liteiras que vierem da portaria do Salvador (nr: do início da rua) recuem para a mesma parte».

O referido sinal é o mais antigo de Lisboa – e talvez do mundo –, sendo o único que ainda existe de um total de 24 mandados afixar por D. Pedro II, que tinham como finalidade definir as prioridades na estreita malha urbana, até então resolvidas pelo estatuto social, algo nem sempre consensual.

Note-se que, no século XVII, a cidade de Lisboa tornou-se numa das capitais mais importantes do comércio na Europa e uma das mais movimentadas. As frequentes discussões acerca da prioridade das carruagens e de quem devia recuar nas ruas apertadas envolvia não só os criados e os lacaios, mas também os próprios nobres, por vezes com situações insólitas e graves (rixas e até duelos), sem que ninguém cedesse a passagem.

A primeira regra de código também foi criada nesse ano: «encontrando-se em ladeiras, coches, seges ou liteiras, aonde, pela estreiteza da rua seja preciso recuar algum deles, os que forem subindo sejam os que recuem, pela maior dificuldade que têm os que vem baixando (...) e que naquela mesma parte em uma das paredes se ponha padrão, em que estará escrito com clareza quem deve recuar…». A violação desta regra implicava o pagamento de 2000 cruzados e o risco de exílio para o Brasil.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Atualidade