Mazda CX-60 PHEV

Pronto a carregar

Apresentação

Por Vítor Silva Mendes 04-12-2022 07:00

Primeiro Mazda com sistema híbrido recarregável para a Europa tem 327 cv e permite até 60 km de condução sem gases de escape, com o veículo a circular a 100 km/h ou menos. Comercialmente, como ‘alvo’, Toyota RAV-4, a referência na categoria.

Os SUV valem cada vez mais nas vendas, com os compactos no topo da procura. A Mazda tem quatro modelos com o formato da moda no catálogo, CX-3, CX-30 e MX-30 (100% elétrico) e CX-5, mas faltava-lhe automóvel no segmento da referência Toyota RAV4. A lacuna suprime-se com o lançamento do CX-60, um de dois SUV gizados para o mercado europeu e o primeiro com sistema híbrido plug-in no catálogo do construtor japonês.

Baseado na nova plataforma de tração traseira da marca (a Skyactiv Multi-Solution Scalable Architecture), leve e moderna e a permitir vários níveis de eletrificação, terá motores de seis cilindros em linha a gasóleo e a gasolina, mas o arranque na comercialização no Velho Continente far-se-á com o PHEV de quatro cilindros. O sistema novo combina uma versão modificada do motor a gasolina de injeção e 2,5 litros que encontramos no CX-5, com um motor elétrico, uma transmissão automática de oito velocidades totalmente nova (abdica de um conversor hidráulico como embraiagem de entrada, recorrendo, em alternativa, a uma embraiagem de discos múltiplos e a um motor/gerador elétrico integrado) e uma bateria com 17,8 kWh de capacidade.

Combinados, rendem 327 cv e 500 Nm, números que fazem do CX-60 o modelo de estrada mais potente alguma vez produzido pela Mazda. A marca japonesa anuncia 0 a 100 km/h em apenas 5,8 segundos, atingindo velocidade máxima (limitada) de 200 km/h, para um consumo de combustível homologado de apenas 1,5 l/100 km.

Em 2023, a gama cresce com a chegada de mais duas motorizações: Skyactiv-X a gasolina de seis cilindros com 3,0 litros de capacidade, e o Diesel Skyactiv-D (também novo), com seis cilindros e 3,3 litros de capacidade.

Familiar com porte avantajado 

O CX-60 aproxima-se muito do RAV4 nas dimensões, mas supera-o tanto no comprimento (14,5 cm), como na distância entre eixos (2,870 m contra 2,690). Também na capacidade da mala, Mazda no mesmo campeonato do Toyota (570 litros, mais 50 do que RAV4). A usabilidade do compartimento de carga do CX-60 foi muito melhorada comparativamente ao CX-5: o portão é 35 mm mais largo, com a plataforma de acesso a 76 cm do solo.

No demais, o novo SUV compacto da Mazda estabelece novos padrões no equipamento (segurança e conforto) e qualidade do interior, facto que explica o posicionamento diferenciado do modelo que conduzimos pela primeira vez em Portugal, na zona de Sintra, ainda numa versão pré-série, portanto ainda com margem para progredir. Dinamicamente, apesar do porte avantajado, o CX-60 cumpre compromisso no ADN da Mazda: condutor sempre no centro de ação, também a razão por trás da arquitetura do painel de bordo com o volante, pedais, seletor da caixa impecavelmente centrados para beneficiar o envolvimento na condução. Na prática, controlo otimizado dos movimentos da carroçaria durante as transferências de massa, em curva, comportamento ágil e seguro – direção precisa e rápida melhora a sensação de capacidade desportiva do chassis. O conforto de rolamento convence ainda mais. No PHEV, tração integral permanente i-ACTIV AWD que utiliza uma embraiagem de discos múltiplos como elemento de acoplamento e suspensões independentes nas quatro rodas.

O módulo híbrido parece ter fôlego ilimitado, reagindo bem às solicitações, e por isso garantindo acelerações e recuperações velozes. A nova caixa automática contribui para o resultado e também participa no cumprimento do objetivo de redução do consumo (média real em modo híbrido com a bateria carregada de 1,8 l/100 km). O sistema Mi-Drive de última geração integra cinco modos de condução comutáveis – Normal, Sport, EV (para até 63 km sem gases de escape), Off-Road e Towing (Reboque), este último para otimização das características de potência do sistema AWD em face de um aumento de peso decorrente do engate de um gancho de reboque.

No mercado nacional, o Mazda CX-60 tem lançamento programado para depois do verão, com preços desde 53.750 €, em linha com o rival nipónico, que tem PHEV de 306 cv.

O CX-60 estará disponível em quatro níveis de acabamento: Prime-line, Exclusive-line, Takumi e Homura, sendo que desde a versão de acesso já inclui faróis LED, jantes de 18 polegadas, sistema multimédia em ecrã tátil de 12 polegadas compatível com Android Auto e CarPlay, navegação e cruise control.

Mantendo o rigor construtivo e a fiabilidade mecânica que são cartão de visita da Mazda na Europa, os trunfos do estreante CX-60 não se esgotam na estética muitíssimo inspirada ou nas suas qualidades de veículo familiar por excelência, espaçoso e funcional, com capacidade para percorrer até 60 km sem gastar uma gota de combustível. Na versão PHEV (a mais interessante para o mercado nacional), o SUVda marca japonesa impressiona também pelas credenciais dinâmicas excecionais de sistema híbrido que atinge 327 cv e 500 Nm: não há mais potente no portefólio do fabricante de Hiroshima.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Apresentação