Tesla Model 3: sucesso na Europa

Terceiro automóvel mais vendido no mercado do Velho Continente em dezembro de 2019

Opinião

Por José Caetano 15-02-2020 13:05

Fotos: Gonçalo Martins

A Tesla, ame-se ou odeie-se, coleciona sucessos… A empresa californiana, na cruzada para mudança de paradigma que democratize a eletrificação do automóvel, encontra-se cada vez mais na primeira linha de indústria. Paralelamente, diminui a hostilidade a fabricante novo. Provam-no as vendas de carros novos em dezembro de 2019: Model 3 em 3.º, atrás do Golf e do Clio e à frente de 208, Polo, Qashqai... 


Dissecando os resultados, que são finais. A Tesla, em dezembro de 2019, vendeu 22.188 exemplares, conseguindo 43% de quota de mercado entre os elétricos (EV), que acelerou 96%, para 56.600 automóveis, comparativamente ao mesmo mês de 2018. Mais bem-sucedidos comercialmente, sublinhamo-lo de novo, tão-somente o compacto da VW (30.652) e o subcompacto da Renault (27.516). Incrível.


Na Europa, ainda em dezembro de 2019, EV com quota de mercado recorde de 11%, com 132.200 carros. Também nos híbridos, aumento na procura (41%), com 48.700 carros. Este ano, previsivelmente, considerando a obrigação de travagem a fundo nas emissões poluentes, (ainda) mais procura!


Se o êxito da Tesla depender da Europa, fabricante norte-americano superstar! Dois exemplos da transformação das preferências no consumo... Em janeiro de 2020, no 3.º mercado mais importante do Velho Continente (França), abrandamento de 13% nas vendas, na comparação com o mesmo mês do ano passado: matricularam-se 134.300 carros novo, menos 77.000 (!) do que em dezembro de 2019.


Paradoxalmente, no mesmíssimo período, comercializaram-se 10.952 automóveis elétricos, o que originou progresso excecional na quota de mercado, de 1,8% para 8,2%, outra vez no frente a frente com janeiro de 2019! Também nos híbridos, crescimento rápido na procura, com os modelos autorrecarregáveis a acelerarem de 5,7% para 11,4% das vendas e os carros com sistemas de recarga externa das baterias a representarem 2,8%, em vez de 0,8%.


No Reino Unido, na ressaca do Brexit, divórcio da União Europeia consumado no final de janeiro, o primeiro-ministro Boris Johson anunciou plano que antecipa de 2040 para 2035 a proibição do comércio de motores térmicos (gasolina, gasóleo ou híbridos), com o objetivo de aumentar o ritmo do processo de transição para a mobilidade «zero emissões» do futuro. O mercado britânico é o 2.º mais importante da região. Maior, apenas o alemão... Mais Tesla e elétricos, precisam-se!

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Opinião