Fala-se muito, faz-se tão pouco!

No automóvel, em Portugal, em 2019, produção aumentou, matrículas diminuíram

Opinião

Por José Caetano 02-03-2020 09:00

O encontro realiza-se anualmente. A Associação Automóvel de Portugal (ACAP) apresentou todos os números de 2019, neles sublinhando as fraquezas e as virtudes do mercado nacional… Na comparação com 2018, menos registos de carros novos, mais procura de viaturas com sistemas alternativos às mecânicas térmicas e recorde de produção de viaturas no nosso País, com a Autoeuropa de regresso ao topo do ranking dos exportadores, facto que não acontecia há 14 anos – a fábrica da VW produziu 256.900 viaturas e somou-lhes cerca de 24 milhões de componentes. Globalmente, o setor representou mais de 20% das receitas fiscais do Estado. Galinha dos ovos de ouro! 


Em 2019, comparativamente a 2018, a produção de carros acelerou 17%, para 345.000. No mesmo período, os registos novos travaram 2%, para 223.776 automóveis, considerando apenas os ligeiros de passageiros. O setor contribui com superavit para o (re)equilíbrio das finanças. Prémio para comércio e indústria: em vez de bónus, mais impostos! Como 97% das viaturas produzidas por cá foram exportadas, contribuição muito ativa para o objetivo de balança comercial positiva.


Mais números: em Portugal, a produção automóvel representa cerca de 16.000 milhões de euros/ano e 71.000 postos de trabalho diretos. A falta de apoios públicos ao setor não é só confrangedora... Lamenta-se! Vivemos tempo exigente, com a imposição (política) de mudança rápida no paradigma dominante, com a passagem dos motores térmicos para os elétricos. Também em Portugal, o ano passado, a procura de carros alimentados por energias alternativas aumentou consideravelmente, com os modelos elétricos a representarem 3,1% das matrículas. Mas, mais, precisa-se! A idade média do parque aumenta em vez de diminuir, aproximando-se muito dos 13 anos e o crescimento da procura de usados importados (80.000 em 2019!) é negativo. Fala-se muito, faz-se pouco, introduzem-se mais taxas e taxinhas que castigam a compra e a utilização do automóvel.


Portugal tem de reinventar-se! Independentemente dos indicadores económicos nacionais, micro ou macro, Estado comprometido com acordos internacionais que impõem intervenção no setor, sobretudo no comércio, para estímulo a modernização que contribua para a descarbonização e a promoção da segurança rodoviária. No pacote de propostas da ACAP, duas medidas essenciais: a reintrodução do programa de abate aos automóveis em fim de vida e a reforma da fiscalidade para Portugal à imagem da Europa mais desenvolvida. E, assim, galinha mais gorda, não mais magra!

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 1

smee
02-03-2020 12:13

então mas isto é uma surpresa? se andam a impedir os carros de andar em todo o lado, se vão acabar com as vendas de carros com motores de combustão num futuro próximo, as pessoas é claro que pensam duas vezes se compram carro ou não.

Opinião